Convite a quem nos visita

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Comentário à Missa do Próximo Domingo

XXVII Domingo do Tempo Comum - 4 de Outubro de 2009
O matrimónio de Jesus Cristo
Um grande trabalho, podemos logo desabafar. O matrimónio, segundo Jesus Cristo é um grande trabalho e uma grande tarefa. Não falo por experiência própria, mas pelo testemunho de muitos casais que passam pela minha vida. Assisto, como padre, uma equipa de casais de Nossa Senhora. Tudo isto serve para que já acumule uma certa experiência de vida matrimonial. Obviamente, que nunca é como sentir na prática e, por isso, não falarei com autoridade absoluta.
Segundo Jesus e o Seu texto do Evangelho, o matrimónio é um caminho belo e só faz sentido acontecer quando tem em vista só e unicamente a felicidade. A vida de todos nós acontece para a felicidade, mas a vida do casal, pelo matrimónio, só tem razão de existir quando os dois são verdadeiramente felizes. Quando tal não acontece, pois que acabe esse caminho, porque não haverá nada mais terrível no mundo do que dois viverem em comum e não serem felizes, porque não se amam.
O projecto de Jesus sobre a vida matrimonial, é que é uma graça, uma vocação que Deus coloca no coração do homem e da mulher para serem felizes, se amarem e serem procriativos (não só gerando filhos, mas em muitos outros aspectos). Este projecto é para sempre, do ponto de vista ideal, porém, nem sempre resulta, não por causa de Deus, mas pelas circunstâncias históricas desta vida. E não deveria ser problema maior quando tudo acaba e se procuram as melhores soluções para remediar todo mal. Muito pior será que qualquer ser humano viva estigmatizado para o resto da vida por causa dessa ruptura. Por isso, muito falta fazer quanto aos casais ditos separados ou recasados.
Na vida familiar, Deus deseja que o amor, fale sempre em primeiro lugar, pois, a felicidade funda-se nesse alicerce. É disso que se trata e é isso que Deus deseja para todos, venha o que vier. A felicidade que Deus quer não está na forma, mas no conteúdo de cada coração sedento de bem essencial para o sentido da vida.
Digo sempre na celebração dos casamentos que a vida em casal é a rosa mais linda do jardim de Deus, porém, é aquela que se alimenta pelo tronco mais espinhoso. É preciso sabedoria e inteligência para colher essa rosa com as mãos. Mais não falo daquilo que é elementar para a vida a dois: paz e diálogo sincero.

Sem comentários: