Convite a quem nos visita

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Comentário à Missa do Próximo Domingo

Domingo II Tempo do Advento
6 de Dezembro 2009
Preparai
João Baptista, é a voz que clama no deserto a revolução de Deus de forma mais imediata: «Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas». A voz do Filho de Zacarias, está na senda do profeta Isaías que proclama o sonho de Deus, que consiste na grande revolução que Deus deseja levar a cabo. Diz assim o Profeta: «No monte Sião, o Senhor do universo prepara para todos os povos um banquete de carnes gordas, acompanhadas de vinhos velhos, carnes gordas e saborosas, vinhos velhos e bem tratados»; «Aniquilará a morte para sempre. O Senhor Deus enxugará as lágrimas de todas as faces, e eliminará o opróbrio que pesa sobre o seu povo, sobre toda a nação». É o sonho de Deus, proclamado pelos profetas. Esta urgência de Deus nada tem a ver com a lógica dos poderes instalados deste mundo, porque não procuram o bem para todos. Os poderes actuais do mundo estão todos ao serviço dos interesses de grupos económicos e seguem a lógica do mercado. É o lucro e as mais valias do dinheiro que movem os poderes. As várias cimeiras temáticas, não levam a conclusões nem levam as nações a compromissos sérios na construção do bem comum. Porque não se acaba com o escândalo da fome no mundo? Porque não se distribui a riqueza de forma partilhada, para que toda a humanidade pudesse sobreviver condignamente? - Faz falta mudar atitudes e deixar de criar subterfúgios comodistas. A mudança, implica sempre expressar acções concretas de justiça e de fraternidade, é o único modo de nos preparamos para a vinda de Jesus. O nosso mundo enfarta-nos de tudo, mas só a vida doseada com alguma espiritualidade poderá levar-nos à felicidade.

1 comentário:

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

O mundo está cada vez mais ele próprio. Isto é, vive-se o desencantamento. A tal Beleza foi-nos extirpada pela ganância do"vil metal". Reduziu-se tudo ao mercado descontrolado, desenfreado que a todos corrói. E ai de quem cai nessa armadilha. Os poderosos continuam com a mesma ferocidade de 2000 e tais anos. Continuamos a ter profetas, mas "palavras levam-nas o vento" nesta "apagada e vil tristeza". Impera a fome , a guerra, o medo. O homem foi atingido na sua plena dignidade, mas a natureza foi a presa fácil e, quiçá, estrangulada pela sua ciência e inteligência. Convido todos a ler o texto do Papa Bento XVI e do Director da FAO feito em Novembro passado em Roma, os quais chamam a atenção das pessoas, instituições nacionais e internacionais para a problemática da agricultura e da água.É um problema que a todos diz respeito. E os reverendos padre deveriam falar disso nas homilias dominicais.É uma sugestão de um crente sem igreja.Sou um beato à solta.