Convite a quem nos visita

segunda-feira, 3 de maio de 2010

A Pedra Imagem do Cristão

Nota: Hoje é o dia de São Filipe e São Tiago, apóstolos, escutemos o que nos ensina o grande pensador cristão, Santo Agostinho, bispo de Hipona.
«O seu fundamento está sobre os montes santos. O Senhor ama as portas de Sião» (Sl 86, 1-2) [...] «Sois concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o alicerce dos apóstolos e dos profetas, com Cristo por pedra angular» (Ef 2, 19-20). [...]
Cristo, pedra angular, e as montanhas, ou seja, os apóstolos e os grandes profetas que são o fundamento de toda a cidade, constituem uma espécie de edifício vivo. E este edifício vivo tem uma voz, que ressoa agora no vosso coração: Deus, hábil artífice, serve-se da minha linguagem para vos incitar a tomardes o vosso lugar nesta construção, como outras tantas pedras talhadas de lados iguais. [...]
Reparai, a forma de uma pedra perfeitamente cúbica é a imagem perfeita do cristão. Por muitas tentações que sofra, o cristão não cai; pode ser violentamente empurrado, revirado, mas não cai. Da mesma maneira, para onde quer que volteis uma pedra cúbica, ela permanece de pé. [...]
Sede pois semelhantes a pedras cúbicas, estai preparados para todos os choques; e, seja qual for a força que vos empurre, que ela não vos faça perder o equilíbrio. [...]
Elevar-vos-eis ao vosso lugar neste edifício através de uma vida cristã sincera, pela fé, a esperança e a caridade. A cidade santa é constituída pelos seus próprios cristãos; os homens são, simultaneamente, pedras e cidadãos, porque estas pedras são pedras vivas. «Vós mesmos, como pedras vivas, entrai na construção dum edifício espiritual» (1Ped 2, 5). [...]
Por que é que os apóstolos e os profetas são os fundamentos da cidade? Porque a sua autoridade sustenta a nossa fraqueza. [...]
Através deles, nós entramos no Reino de Deus; eles são os pregadores da salvação. E quando entramos na cidade através deles, entramos nela por Cristo, porque Ele é a porta (Jo 10, 9).
Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona (Norte de África) e Doutor da Igreja Discurso sobre os Salmos, Salmo 86 São Filipe e São Tiago, apóstolos, fundamentos da cidade santa (Ap 21, 14).

4 comentários:

CURI-QUIETA disse...

Hola José Luis!

Me encantan las reflexiones sobre la Palabra de Dios...

Gracias por compartirla.

Saludos.

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luis, Meu Amigo do Coração, estas coisas que escrevo não são para si.O que estragou a Igreja foi essa hierarquia constantiniana cheia de honras, sumptuosidades, santidades, eminências e excelências reverendíssimas que estragaram o cristinanismo e o seu Probrama de Vida-O Evangelho do Senhor Jesus. É muito difícil acreditar numa igreja que faz ostensivamente discriminações . Provocador este bispo (des)Carrilho e seu séquito de cónegos. E é pena que únicas pessoas do Clero madeirense que falam sejam os Peds.José Luís e Mário Tavares. É um texto magnífico este de Santo Agostinho. Todavia, ficou nas bibliotecas para serem consultadas as suas palavras, mas não vividas nos dias de hoje e são de uma suprema actualidade. Os Apóstolos estavam unidos pq volta-e-meia estavam desunidos, mas recolhiam-se na Oração e na Ressurreição do Senhor Jesus, que foi a chama do AMOR e do PERDÃO. Ser Igreja é ser um archote do Perdão da Harmonia e da PAZ. E ainda chamam a Virgem Peregrina Senhora da Paz para eles através dele em vez de fazerem a (re)união vão cavar mais o fosso da divisão. Porque não levem para lá o Evangelho mas os códigos do direito canónico.

tukakubana disse...

Pego na "pedra cúbica, que não cai", que Agostinho escolheu para ensinar que nem as arestas são motivo de queda...Hoje a maioria das "pedras" são redondas, de tanto rolarem ao sabor da musica que toca: e rolam para um, para outro lado, indiferentes às palavras de Sto. Agostinho. Não são pedras, são simples berlindes que retinem no chão vasto e gasto da Igreja.

Autor do blog disse...

Muito agradecido pelas vossas achegas ao Banquete. De facto este texto de Santo Agostinho, é muito belo e dá muito que pensar. Quem nos dera que muito do ser Igreja hoje, isto é, ser baptizado a sério, ser cristão, fosse essa «pedra cúbica», porque não se arredonda, mas continua a manter-se de pé caia como cair... Bem hajam amigos.