Convite a quem nos visita

quarta-feira, 30 de junho de 2010

O ateísmo

O ateísmo é uma atitude adoptada por alguma gente, quer por ignorância, quer por falta de investigação séria. É que o ateísmo torna a vida mais fácil, sem contas a prestar pelo bem ou pelo mal, sobretudo para estes. Faz falta a todo o crente conhecer a fé de grandes cientistas que, depois de aturadas investigações, chegaram à fé na existência de um Deus Criador que explique a existência de todo o Universo. Hoje vou falar aos meus leitores de um grande cientista que deixou o ateísmo para passar a crer em Deus. É o biólogo americano Francis Collins, – um dos cientistas de maior renome na actualidade. Nomeado Director do Projecto Genoma, é um dos responsáveis pelo feito extraordinário da leitura do genoma humano em 2001. Foi o cientista que em todo o mundo mais estudou genomas com vista à cura de doenças. Não obstante a crítica de seus colegas ateus, Collins pertence a um grupo de cientistas que aceita que a investigação do mundo natural não entra em conflito com a fé religiosa: a ciência e a fé não são incompatíveis, mas complementares. Como médico, Collins surpreendia-se com “a segurança e a paz” que a fé transmitia a alguns dos seus doentes. Entretanto, visitou um pastor metodista que lhe emprestou um livro de Lewis intitulado “Mero Cristianismo”.
À medida que o lia, Collins sentia que as razões do autor eram as mesmas dele. Tinha sido ateu e convertera-se. O que muito o impressionou foi a presença da obrigação moral em toda a gente de qualquer raça, de crianças a adultos. Esta lei moral que está em todos os homens donde vem? Durante uma década a estudar células com o grupo em sua colaboração, descobriu o “rascunho inicial do genoma”. O Presidente dos Estados Unidos da América, Bill Clinton, anunciou, feliz, ao mundo este feito de Collins, com estas palavras: “Este é o mapa mais importante e maravilhoso nunca antes produzido pela humanidade. Hoje estamos a aprender a linguagem com que Deus criou a vida”. Collins escreveu então o seu livro “Linguagem de Deus” que tem por finalidade reflectir sobre a harmonia entre a ciência e a crença em Deus. “O Deus da Bíblia é também o Deus do genoma. Podemos adorá-Lo na catedral ou no laboratório...” Diz Collins que “quase todos os físicos e cosmólogos aceitam que o Universo nasceu há catorze milhões de anos, no momento chamado Big Bang. Essa explosão implica uma pergunta: o quê ou quem a provocou? “O Big Bang exige uma explicação sobrenatural, obriga a concluir que o Universo teve um início definido. Só uma força divina, fora do espaço e do tempo. A ciência tem o seu campo de acção na explicação da natureza, mas é incapaz de nos dizer a razão por que existe o Universo, que sentido tem a nossa vida ou o que podemos esperar depois da morte.” - (Collins).
* Podemos desenvolver este tema através do livro “Dez ateus que mudaram de Autobus” de Ramón Ayllón. (na Livraria Voz -Portucalense)
Mário Salgueirinho

4 comentários:

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luís, este texto é muito actual. Está dentro da linha de Bento XVI o diálogo entre a Fé e a razão. A Teologia e a Filosofia ou a Ciência. Não excluo Deus mesmo que os filósofos ou cientitas o eliminem dos seus aprofundamentos. Deus é uma força intima e não experienmental ou experiêncial.É a última ou últimas questões do Homem.É um acto de criatividade, de beleza .Sou crente pq acredito na Beleza e numa vivência em conformidade com Ela.
Não quero o Deus do papa, bispo (sobretudo o do Funchal, ou dos padres. Quero o Deus de Bertrand Russell, o qual numa discussão de alto gabarito discutiu com um padre católico e quse todo o mundo, com a sua tese, era ateu; mas o sacerdote apresentou a sua contra-proposta e pareceu tb que a humanidade era toda crente. Afinal, o que Russell não acreditava era nos católicos pelo seu contra-testemunho; tal como Eça de Queiroz não acredita no Cristo dos pés de ouro, mas sim no Jesus Revolucionário. Eu creio no Deus do Jean Cardonell "Deus morreu em Jesus Cristo" São ateus os que estão ao lado de César, do poder e do vil metal; são crentes os que, mesmo não acreditanto numa Força superior, acreditam no Homem e na Mulher , tornando o Mundo mais apetecível e frutífero nas suas manifestações naturais e teologais e não a ideia de descansarmos mais tarde, depois de tanto sofrimento, paraíso celestial. Dizia Jesus que o seu Pai era o Deus Vivo e não o deus dos mortos.

solrac disse...

Caro autor do artigo: quando afirma que o ateísmo é fruto de ignorância e/ou de falta de investigação séria e, logo a seguir, afirma que «É que o ateísmo torna a vida mais fácil, sem contas a prestar pelo bem ou pelo mal, sobretudo para estes.», só posso concluir uma de duas coisas: ou você é ignorante ou não fez uma investigação séria sobre a temática do ateísmo.

Sugiro-lhe a leitura atenta, crítica e reflexiva do seguinte livro James THROWER, Breve história do ateísmo ocidental, São Paulo: Edições 70, 1982. (Colecção Saber da Filosofia), bem como de vários artigo do saudoso franciscano Manual Barbosa da Costa Freitas, nomeadamente sobre F. Nietzsche e Feuerbach.

Caruê disse...

Pesquisas apontam que ateus, possuem um conhecimento teológico superior aos Católicos e Evangélicos. http://blogs.estadao.com.br/marcos-guterman/ateus-sabem-mais-de-religiao-que-religiosos/
Conheço a Bíblia o suficiente para apontar contradições internas além de mensagens que defendem a escravidão,submissão feminina e genocídio de povos não cristãos.
Sua linha argumentativa esta errada, você falou que os ateus, não acreditam em Deus para que não tenham arrependimento de qualquer pecado ou preocupação com uma segunda vida. Eu poderia dizer que os religiosos só acreditam em Deus pois são interesseiros e desejam viver eternamente no conforto do céu. Ambos são ataques pessoais.
Somos melhores que isso.
José Ângelo Gonçalves de Paulos, o discurso do Papa continua medieval e conservador, como de costume.

José Luís Rodrigues disse...

Caro Caruê, o autor deste texto, já não está entre nós. Morreu. Em todo o caso, este debate nunca está encerrado, obrigado pela sua partilha. E digo-lhe mais, sinceramente, comungo em grande parte com aquilo que você afirma. Obrigado. Tudo de bom.