Convite a quem nos visita

sábado, 13 de novembro de 2010

As dicas e tricas da nossa saúde

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS): «Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não, simplesmente, a ausência de doenças ou enfermidades». Será que é isto que vemos no nosso sistema de saúde regional? Será isto que paira na cabeça de todo o nosso pessoal ligado à saúde de todos?
Ora bem, eis o que deve implicar ter saúde. Mas, como podemos estar bem de saúde, se aquele sector que deve tratá-la está diariamente em constante rebuliço? – É grave o ambiente de frequente instabilidade em que médicos, enfermeiros e outros agentes da saúde manifestam. Há uma guerra constante entre alguns agentes da saúde. Nós, povo simples, olhamos intrigados para aqueles a quem confiamos cegamente o que de mais valor prezamos, a saúde. A nossa impotência perante esse valor, faz-nos recear cair às mãos desta gente que se guerreia entre si por coisas tão corriqueiras e tão ignóbeis que nos deixam perplexos. Eles são o poder, o dinheiro, a partidarismo cego e, possivelmente, as dicas e tricas entre grupos de amigalhaços.
Assim, não admira que reine a incúria e o desleixo face aos doentes. Não admira que para conseguir uma operação é necessário um padrinho ou uma madrinha influente. Não admira que algumas mortes se revelem esquisitas e levantem suspeitas. Não admira que os doentes com melhores posses económicas fujam para os privados e se metam no avião em direcção a Lisboa fazer exames, análises, operações e todo o género de tratamentos. Porque acontece isto? – Simplesmente, porque deixaram de confiar no pessoal que trata da saúde entre nós. Por fim, não admira que se oiça cada vez mais este desabafo, «o melhor remédio para a doença, é morrer».
Retratado este clima de dicas e tricas, penso, que é chegada a hora de começar a pensar nas pessoas. Pede-se às autoridades da saúde que pacifiquem este sector, porque dele depende o bem-estar social e psicológico de um povo. É urgente tomar medidas. É urgente serenar os ânimos e deixar de pensar-se em interesses pessoais e de grupos para pensar-se mais no Bem Comum. E como é elementar e crucial este Bem Comum!
JLR

Sem comentários: