Convite a quem nos visita

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

A morte de Carlos Castro

A crueldade da morte do jornalista Carlos Castro, segundo o meu modo de ver, revela que estamos perante duas vítimas, o assassinado e o assassino. A seguir reforço uma das minhas certezas, a humanidade é capaz do melhor e do pior. O melhor surpreende sempre, enche de orgulho, de alegria e felicidade. O pior, surpreende também e admira-nos pela crueldade e pelo quanto pode ser fria, cruel e absurda a atitude de quem provoca a morte do seu semelhante.
Perante este homicídio hedionde, a crer nas notícias que nos chegam, mais uma vez se confirma o seguinte: «Homo homini lupus» - a sentença latina que significa o homem é o lobo do homem. Vem de Plauto (254-184) na sua obra Asinaria, no texto que diz exactamente , «Lupus est homo homini non homo».
Obviamente, que sinto uma grande mágoa por Carlos Castro, mas também sinto de igual modo pelo jovem Renato Seabra. Duas pessoas que morreram totalmente para este mundo. É pena!
JLR

5 comentários:

ROSINHA disse...

o ser humano é capaz das melhores e das piores coisas!

Marilu disse...

Querido amigo, nunca sabemos o que vai na cabeça de cada pessoa. Existe muita maldade escondida dentro do ser humano. Beijocas

Espaço do João disse...

O ser humano, não tem o direito de tirar a vida a outro ser humano. Certo?
Agora pergunto:-
O assassinado não andaria a assassinar o outro?
Não é contra natura, segundo as notícias que têm vindo a lume o procedimento do assassinado?
Que teria levado o Pseudo assassino a tamanho acto?
Como poderemos julgar este caso?

Que atire a primeira pedra quem não tiver culpas no cartório.

M. disse...

Boa a tua análise. E de encontro à minha: lamento a morte de um (podia ser outro) e lamento o acto do outro.

Não os condeno. Já o fizeram pelas próprias mãos.

tukakubana disse...

todas as relações desequilibradas (e isto nada tem se são homo ou hetero) não têm pés para andar. Veja-se a diferença de idades, de mentalidades, a experiência de vida de um e outro. Penso, se há atenuante, que esta será a única.