Convite a quem nos visita

terça-feira, 2 de agosto de 2011

A nossa dignidade e a dignidade dos outros

Citado por Frei Bento Domingues (Público de Domingo 31 de Julho de 2011):
«Fragmento da Ode Marítima, de Álvaro de Campos: “As viagens, os viajantes – tantas espécies deles!/ Tanta nacionalidade sobre o mundo! Tanta profissão!/ Tanta gente!/ Tanto destino diverso que se pode dar à vida,/ À vida, afinal, no fundo sempre, sempre a mesma!/ Tantas caras curiosas! Todas as caras são curiosas/ E nada traz tanta religiosidade como olhar muito para gente./ A fraternidade afinal não é uma ideia revolucionária./ É uma coisa que a gente aprende pela vida fora, onde tem que tolerar tudo/ E passa a achar graça ao que tem de tolerar,/ E acaba quase a chorar de ternura sobre o que tolerou!/ Ah, tudo isto é belo, tudo isto é humano e anda ligado/ Aos sentimentos humanos, tão conviventes e burgueses,/ Tão complicadamente simples, tão metafisicamente tristes!/ A vida flutuante, diversa, acaba por nos educar no humano./ Pobre gente! Pobre gente toda a gente!”
Alain Badiou considera a Ode Marítima um dos maiores poemas do século XX. No entanto, para este filósofo é “impossível – e contudo real – que povos notoriamente orgulhosos da liberdade individual, da privacidade, dos direitos do cidadão e do homem, da singularidade e dos particularismos, se tenham transformado em pouquíssimo tempo numa massa de ovelhas, controlados, vigiados, espiados, monitorizados em toda a sua actividade através de uma tecnologia invasiva e lesiva da descrição e da delicadeza, tratados como malfeitores e terroristas potenciais, enlatados em meios de transporte semelhantes a carne de animal, frustrados, presos e misturados com a má educação generalizada, vexados pelo software que não prevê excepções, obrigados a uma vida programada nos mínimos detalhes e que elimina qualquer experiência do poético, que não deixa espaço para a meditação e para a elaboração da experiência, submersos por um cúmulo de idiotice e por uma publicidade asfixiante”.
Invocando direitos humanos inalienáveis, umas vezes reclamamos o reconhecimento da singularidade de cada pessoa contra todas as formas de massificação. Outras, exigimos sistemas de vigilância e segurança que não permitam a preparação e o desenvolvimento de programas de destruição, como o realizado na Noruega. A sabedoria das nações ainda não consegue compaginar esta dupla exigência e, também, não pode prescindir de a procurar simultaneamente.
Não há soluções definitivas. Não se pode impor a ninguém que se torne o guarda da dignidade do outro. Já conhecemos, no entanto, a diferença entre os frutos da cultura do ódio e da cultura do amor.
Nota: Bela reflexão para todos o que andam para aí a defenderem videovigilâncias em tudo o que é canto.

Sem comentários: