Convite a quem nos visita

sábado, 12 de novembro de 2011

A desilusão

Entre uma subida de alegria expectante
Pode fazer-se um passo leve de desânimo
Quando se vê um rosto que se ansiava numa tarde.
Mas disse depois não quero beber a taça
Do vinho novo nesta paz que diz a colina do sol.
Agora fico-me nesta perda de não saber
O que foi o pensamento que a alegria moldou
Nos campos verdes da serenidade
Quando no sonho as flores disseram
Toda a certeza da esperança.
Não quero... Não digo da desilusão
O sofrimento que bate do vazio
Quando o som do vento penetrou os ossos
Com o frio húmido desta certeza palpitante
Que desejei na hora daquela festa.
E há desilusão porque alguém fez ilusão
Coisa no vazio à porta do nada.
JLR
.....................................
Nota: Com votos de um excelente fim de semana para todos os meus leitores...
Imagem: in O Escrevivente...

2 comentários:

Espaço do João disse...

Palavras certas
Momento certo
E na direcção certa.

Mais não digo, pois quem diz tudo o que sabe, erra muitas vezes.

José Luís Rodrigues disse...

Amigo João, nada melhor para dizer do indizível, poesia. Um abraço fraterno.