Convite a quem nos visita

sábado, 9 de junho de 2012

Quem são os Mártires do Brasil?

Exemplos interessantes para a luta da nossa vida como cristãos....

- Trata-se de um grupo de 40 jovens jesuítas, quase todos entre os 15 e os 40 anos de idade que se dirigiam de barco para o Brasil, a fim de ajudar na sua evangelização. Junto às ilhas Canárias, em 15 de Julho de 1570, foram interceptados por um navio de protestantes calvinistas que, sabendo que eles eram missionários católicos, os assaltaram, e deitaram ao mar, muitos depois de mortos, outros ainda vivos, alguns com graves ferimentos. Chefiados pelo Padre Inácio de Azevedo, 32 dos mártires são portugueses e 8 espanhóis. No grupo dos Portugueses 11 são alentejanos, 1 natural da Diocese de Portalegre e Castelo Branco, 10 naturais da Arquidiocese de Évora, destes 10, 2 são naturais da cidade de Elvas.
Beatos da Arquidiocese de Évora
Beato Manuel Álvares, irmão, coadjutor.
Filho de Jerónimo Álvares e de Joana Lopes, nasceu em Estremoz, em 1536 e entrou na Companhia de Jesus para irmão coadjutor, em Évora, em 12 de Fevereiro de 1559, com 23 anos. Era trabalhador do campo e guardava gado; contava que estava arando a terra certa vez, e sentiu o desejo de ser peregrino e nada ter por amor a Deus, fazendo parte de alguma ordem religiosa. Depois dessa inspiração de Deus, foi levado por um sacerdote à Companhia. Aprendeu a ler e pediu para ir ao Brasil. Na nau Santiago, durante o combate, gritava muito alto, animando os combatentes, para que não se deixassem vencer pelos hereges. Os inimigos retalharam-lhe o rosto com cutiladas. Mas, tendo decidido não o deitar logo ao mar, para que sofresse mais, deixaram-no sozinho, estando ainda vivo. Por fim foi lançado vivo ao mar.
Na altura do martírio tinha 34 anos de idade.
Beato Francisco de Magalhães, irmão, estudante.
Nascido em Alcácer do Sal, em 1549. Já estudante em Évora, entrou para a companhia com 19 anos, em 1568. Cantava admiravelmente e era dedicado colaborador de Padre Inácio; ajudava na instrução religiosa dos marinheiros. Ao ser lançado vivo ao mar, disse aos hereges: "Ah! Irmãos, Deus vos perdoe isto que fazeis". Foi martirizado com 21 anos de idade.
Beato Luís Correia, irmão, estudante.
Segundo a documentação existente, sabe-se apenas que nasceu em Évora e que sofreu o martírio, sendo atirado vivo ao mar.
Beato Álvaro Mendes, irmão, estudante.
Nasceu em Elvas por volta de 1551. O seu nome era Álvaro Borralho, mas os Jesuítas trocaram-no por Mendes. Tinha uma excelente e belíssima voz e era dos que cantava a três vozes, o que tanto apreciava o Padre Inácio Azevedo. Era uma pessoa delicada de estômago e nunca se acostumou ao movimento do mar. Sem nenhum alívio nem melhoria alguma “Álvaro esteve toda a viagem tão doente e tão mareado que estava quase sempre na cama”. No dia do ataque calvinista, Álvaro estava muito doente e com tonturas no seu camarote. Igualmente, o irmão Gregório. E ambos se levantaram como podiam, colocaram a sotaina jesuíta e correram a juntar-se aos seus irmãos, com eles trabalharam na bomba que tirava água do barco. Com eles foi despido e maltratado, até serem finalmente deitados vivos ao mar. Teria 19 anos de idade.
 Segundo a tradição que diz que viveu (e nasceu?) na Rua do Padrão, mas não se sabe em que casa ou lugar. A sua imagem é venerada na igreja de São Domingos desde 17 de Julho de 1947, é Patrono do Agrupamento 158 de Escuteiros de Elvas e Protector dos Estudantes.
Beato Pêro Nunes, irmão, estudante.
Nascido em Fronteira. Foi lançado vivo ao mar.
Beato Luís Rodrigues, irmão, estudante.
Nascido em Évora, em 1554. Entrou na Companhia, aos 16 anos, em 15 de Janeiro de 1570. Continuou o noviciado em Vale de Rosal e na nau do martírio. Depois da morte do Padre Inácio exortava os colegas: "Irmãos, animemo-nos e ajudemo-nos do Credo, porque o sangue de Cristo não se há-de perder". Ferido a punhaladas e lançado ainda vivo ao mar. Foi martirizado com 16 anos de idade.
Beato André Gonçalves, irmão, estudante.
Nasceu em Viana do Alentejo. Havia estudado na Universidade de Évora. Foi recebido pelo Pe. Inácio de Azevedo directamente para o Brasil.
Beato Aleixo Delgado, irmão, estudante.
Nasceu em Elvas, no ano de 1555. Servia de guia a seu pai, que era cego. Conseguiu ser colocado no Colégio dos Porcionistas (ou "Convictores"), onde servia e estudava ao mesmo tempo. E aí, "foi em pouco tempo crescendo em virtudes e no estudo das letras". Encontrando lá um dia o Padre Jorge Serrão, jesuíta, o bom menino "rogou muito que o admitisse na Companhia". Perguntou-lhe o Padre "para que queria ser da Companhia?" Respondeu que "o movia a isso o muito que desejava ser Mártir"! Passando por Évora, o Padre Inácio de Azevedo satisfez-lhe o pedido, apesar de ele ter apenas 14 anos. Mas "mostrou sempre espírito maior que a sua idade... " Cantava muito bem e era especialista em recitar o catecismo cantado. Durante a tormenta, três ou quatro dos assaltantes "tomaram ao irmão Aleixo, vendo-o pequeno, que não teria mais de 14 ou 15 anos, e arrebataram-no entre as mãos e começaram a dar-lhe mais punhaladas...". Foi lançado vivo ao mar.
Foi martirizado com apenas 15 anos de idade, era o mais novo do grupo.
Beato António Fernandes, irmão, coadjutor.
Nasceu em Montemor-o-Novo. Era filho de Gaspar Fernandes e de Maria Lopes. Entrou na Companhia de Jesus, no dia 1 de Janeiro de 1570, com 18 anos de idade. Era muito bom carpinteiro, arte que aprendeu provavelmente em Lisboa. Em Vale de Rosal, era o chefe da oficina de carpintaria. Foi lançado vivo ao mar.
Beato Domingos Fernandes, irmão, estudante.
Nasceu em Borba, em 1551. Filho de Bento Fernandes e de Maria Cortes, contava apenas 16 anos quando foi recebido no noviciado da Companhia de Jesus, em Évora, no dia 25 de Setembro de 1567. Apesar disso, vem apontado entre os "irmãos antigos e de muitos anos e de muita virtude". Quando deitaram ao mar o Beato Padre Diogo de Andrade, "da mesma maneira arrebataram e deram punhaladas ao irmão Domingos Fernandes e, assim, meio vivo meio morto, o lançaram ao mar". Tinha 19 anos quando recebeu o martírio.

Recebido via mail de Padre João Caniço 

Sem comentários: