Convite a quem nos visita

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Morreste-me, Salém


Sim foi o teu último dia nesta casa
No convívio que imprimias no latir.
Está vazia a tua cama
Está vazio o meu coração
Que não pensou nunca que se perdia
Com a tua perda.
Foste Salém nesta casa uma vida nobre
Deste-me alegrias e despesa.
Mas sempre compensaste tudo
Com a tua presença.
É tudo, o teu nome de Salém cidade da paz.
Com meiguice afiançavas sempre sim ou não
Com o teu faro reconhecido dizias
Quanto valeu a pena ser-te dono.
Foste amigo fiel
Companheiro sincero
Guardião zeloso.
Tudo numa amizade cúmplice.
Agora choro-te a partida
A morte que te levou de mim.
Mas guardo-te para sempre
Até ao dia em que te afagarei eternamente.
(Por favor, permitam-me mais este mistério).
Por fim morreste-me, Salém
E deixas-me em silêncio
Porque me espeta nunca mais poder ouvir-te latir.
Onde estiveres agora fica sereno e dorme
O sono do teu nome que te dei na hora primeira
Salém, Salém, Salém... Paz, paz, paz para ti e para mim
Na tristeza que me deu ver-te definhar na doença e na morte.
Salém para não esquecer nunca...
José Luís Rodrigues

Nota: também me lembrei do livro de Manuel Alegria «Cão como nós» escrito em memória do seu cão. Nele é dito, o que desejo também dizer agora a propósito do meu «grande amigo» Salém. Fiquem com as palavras que faço minhas em memória do meu inesquecível boxer: «Cão bonito, dizia eu, em momentos raros. E era um acontecimento lá em casa. Os filhos como que se reconciliavam comigo, minha mulher sorria, o cão começava por ficar surpreendido e depois reagia com excesso de euforia, o que por vezes me fazia arrepender da expressão carinhosa. Cão bonito. E ei-lo aos pulos, a dar ao rabo, a correr a casa toda. Digamos que aquele cão era quase um especialista nas relações com os humanos. Tinha o dom de agradar e de exasperar. Mas assim que eu dizia – Cão bonito – ele não resistia. Deixava-se dominar pela emoção, o que não era vulgar num cão que fazia o possível e o impossível para não o ser». 
Mais ainda: «Zanguei-me com toda a gente, não me deixes agora, é em momentos assim que um homem precisa do seu cão.» (pág. 93) «Estou a escrever o livro e quase sinto a respiração dele. Agora que acabei, posso fazer-lhe uma festa e dizer-lhe: - Cão bonito.» (pág.113) «(…) talvez para ele a cadeira não estivesse assim tão vazia. – ele está a sentir o avô, disse o meu filho mais velho.» (pág.70) «Podes correr comigo pela praia for, aqui ninguém nos vê, somos só nós e o mar, saltas a meu lado como se fosses um pedaço de areia e vento, uma estátua movente, cão de água, anda daí comigo por esta noite dentro.» (pág.67). 
In Cão Como Nós, Manuel Alegre

1 comentário:

Graça Pereira disse...

Sei como é a dor de perder um amigo "de quatro patas"...afinal, são "cão como nós" - um livro de imensa ternura que já o li e reli, não sei quantas vezes! Há 3 anos, foi o Rocky companheiro desta casa durante 17 anos. Morte assistida, não havia nada a fazer Este ano, o mês passado foi o Nemo (que é nome de peixe...mas aqui era gato ,para contrariar) Rei dos sofás, das nossas camas e em todo o sítio que nos pudesse ver...Recolhido de uma lixeira pelas crianças da catequese e apaparicado também por todos. Um problema de fígado( não sei porquê...só comia das latinhas
próprias para ele) Também morte assistida e nós banhados em lágrimas! Pedi a São Francisco de Assis que recolhesse estes irmãos, agora já sem sofrimento.
Deus Criador de todas as coisas nos dá e nos tira!

Gostei muito do poema e o Salém, merece!
Abraço
Graça