Convite a quem nos visita

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

O Padre de barbas


Texto sobre o Padre Martins Júnior, publicado no livro que aqui se apresenta na imagem.  Tenho a honra de participar neste interessante livro com um leque muito variado e grande de testemunhos sobre esta figura incontornável da nossa terra. Fica hoje este registo de parabéns ao padre Martins Júnior e que o seu testemunho mesmo que esteja ostracizado ou na margem faz jus ao Evangelho de Jesus de Nazaré que toma a peito todos os que não têm lugar nem vez na sociedade e no mundo. Os poderosos desta vida lá vão singrando por algum momento no alto do seu poder, mas também é neste dia que rezamos com Maria, Nossa Senhora: 
«Manifestou o poder do seu braço *
E dispersou os soberbos.
Derrubou os poderosos de seus tronos *
E exaltou os humildes.»

Os meus parabéns pelo 50º aniversário de vida sacerdotal do padre Martins Júnior... E à comunidade da Ribeira Seca, estendo o meu abraço e que Jesus de Nazaré vos anime na fé e na coragem de serem sempre Igreja à luz de Jesus o único Mestre. É essa vibração que nos anima na esperança de que um dia veremos o desejo de Deus (e o nosso), «todos somos Igreja», concretizado historicamente. Parabéns à comunidade também, por estar a assinalar este dia de forma tão intensa e amiga em relação ao vosso padre. 

A primeira vez que falei com o padre Martins Júnior, já lá vão alguns anos, impressionou-me a avantajada barba, coisa rara de se ver entre nós. Foi junto da «sua» igreja na Ribeira Seca, por ocasião de um interessante passeio organizado pelo Padre Mário Tavares Figueira, que na altura era o meu pároco no Jardim da Serra. Ali estava o homem de quem tanto se falava.
Hoje cabe-me esboçar algumas palavras sobre a nossa amizade e admiração pelo trabalho a favor do povo da Madeira, a propósito da celebração dos seus 50 anos de vida sacerdotal. Eis o homem, José Martins Júnior, mais conhecido por Padre Martins, uma personagem incontornável nos últimos 50 anos, quer a nível político e quer a nível religioso da Ilha da Madeira. Figura controversa no panorama político e religioso regional, amado por uns e visceralmente detestado por outros. É assim a vida.
Entre as muitas coisas que aprendi com este homem destaco aquela que mais me tocou e que considero de elevada sabedoria: «o sangue do padre é o povo». Será por isso que podemos dizer que lhe corre nas veias um sangue que se chama povo. Será esse afinal o sentido, o único sentido para a vida, o sentido para tanta entrega ao povo.
Seguindo este pensar os dissabores são infindáveis. As perseguições um pão nosso quotidiano, porque o sacerdócio-serviço ao modo do Evangelho do «nosso» Jesus de Nazaré irrita solenemente os que fazem do povo o objecto da «vã glória de mandar». Este modo de ser ao jeito do «nosso» Cristo que não tinha assento no Sinédrio nem entre os Sumos-sacerdotes do Templo de Jerusalém, não trás benesses nem muito menos títulos honoríficos. Pelo contrário, quem toma o exemplo Daquele que acompanhava publicamente com os excluídos, tratados por pecadores, tem um destino traçado, a censura dos senhores do mundo, os do tempo e do templo, que se aliançam sempre contra aqueles que tomam o partido dos mais fracos desta vida.
O Padre Martins revela-nos uma história de vida onde fica claro que a mensagem cristã não é serviço a nenhum poder mas bem o contrário, é indignação com uma sociedade que tem os pobres como legitimação do poder e da vontade de dominar, ele é revolta de todo género de subjugação e exploração do homem pelo homem, ele é luta pela justiça, ele é inconformismo perante o pensamento único, ele sempre foi acção e compromisso, ele é convicção de ideais e valores que sabe serem os únicos que produzem a paz e a felicidade para todos.
Uma voz lúcida perante as imensas vozes caixas-de-ressonância, que só sabem ser voz do pensamento único, do chefe, das hierarquias e dos ditames partidários e da nomenclatura religiosa. Muitas vezes uma voz isolada, solitária a «pregar» no deserto do vazio de ideias, de pensamento e de verdade. Mas necessária e importante como sinal de que vale muito a luta contra séculos de alianças e manipulação dos poderes face aos mais fracos e indefesos da sociedade. Esse conluio encontrou um «guerreiro» vigoroso na pessoa do Padre Martins. 
No auge da sua entrega ao povo que amava, quiçá a precisar de apoios de quem o devia dar por dever de função, intenta antes retirar-lhe a legitimidade por decreto (só papeis) para fazer sangrar-lhe das veias o «sangue». Não chegou, porque a fidelidade ao povo (o seu «sangue») ditou a força e a coragem para continuar ao seu lado com maior determinação. É nisto que se faz hoje o sentido da Páscoa de Jesus Cristo.
José Luís Rodrigues

1 comentário:

Luís Coelho disse...

Bom dia
Graças a Deus que existem homens sem medo, corajosos e sem medos do poder político. D. Januário Torgal Ferreira foi uma das vozes e foi bastante incomodado pela sua coragem.
O Padre Martins é outro que se deu a uma causa nobre e que fala sem peias nem meias palavras. Representa a esperança do povo oprimido pela classe política e faz renascer em cada cristão essa luz de se inconformarem com tudo o que os poderosos nos impõem.

Parece-me que é tempo de toda a Igreja acordar e fazerem os políticos tremem no poder. É preciso fazer-lhes sentir que tudo tem limites e o compadrio e a pouca vergonha têm de acabar.

É tempo de correr com todos quantos se apoderam do poder para se banquetearem com a miséria e a exploração humana.

Votos de um bom dia