Convite a quem nos visita

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Um «romance» chamado dengue


Eu sou mesmo um pateta como a maior parte da população da Madeira. Reparem, estamos convencidos que o dengue, uma doença transmitida por um bicharoco chamado de aedes aegypti, entre nós denominado de mosquito de Santa Luzia, pode provocar uma epidemia e que qualquer um de nós pode levar uma picadela do dito cujo e com isso ficarmos doentes. Uma coisa de somenos, claro está!
Porém, descubro esta manhã, que podem as análises à doença descansar durante o fim-de-semana para que não se alimente o «romance». Mais ainda se sabe que não serão divulgados os números relativos aos casos que vão aparecendo para que não fiquemos alarmados. Tudo no seu melhor. 
Assim, apresento o meu contributo para o fim da doença e do mosquito. Não preciso de pagamento nenhum como pagaram os estudos caríssimos que andaram para aí a fazer, que nos custou os olhos da cara e que não servem para nada.
Que tal aconselhar os tristes que tiveram a má sorte de terem sangue apetecível ao mosquito, que ao sentirem febres e os outros sintomas que revelam que foram ferroados, a ficarem em casa a beber chá de limão e poncha... Assim, eliminamos por completo a doença. Não se sabe onde anda e em quem está. Vamos todos contribuir para manter este segredo bem guardado. Depois aconselhar que os adeptos da poncha procurem sair perdidos de  bêbados de manhã e à noite (as horas de ponta do pessoal que anda na poncha), o mosquito educadinho, pica só quem está nesse estado de embriagues e ao beber algum sangue alimentado a poncha fica também perdido de bêbado e espatifa-se lá em baixo nos trambolhões das pedras que as obras do aterro estão a fazer saltar.
Esta gente que conduz o nosso destino de facto é muito «esperta». Estão sempre a pensar na população, evitam com estas medidas «alarme social». Muito bom mesmo.
Qual «alarme social»? Depois de tanta asneirada, tanta mentira, tanto roubo e de tantas peripécias que implicaram traições, vira casacas, tiros nos pés e facadas nas costas do povo acham que não somos capazes de suportar uma picadela de um bicharoco tão pequeno? - Estão muito enganados, após as ferroadas dos políticos que nos desgovernam, nós suportamos tudo e muito mais…
Agora mais a sério o que me apraz dizer é que esta irresponsabilidade roça o pior deste regime que nos oprime há tantos anos. O melhor das ditaduras está à vista de todos. Esconder os males que nos afectam recorrendo a argumentos patéticos e infantis, mesmo que essa brincadeira nos faça sofrer e nos conduza à morte, faz parte da brutalidade dos piores regimes que a história do mundo já conheceu. Mas, então, não chega de irresponsabilidade? Não chega de pensarem que somos uns parolos que engolem tudo? Calminha e muito cuidadinho que se algum dia tomamos isto a sério a coisa pode ficar mais que preta para alguns «espertos».

Sem comentários: