Convite a quem nos visita

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A virgindade de Maria e o Presépio

Delírios religiosos

A notícia resume-se a isto: «Papa reafirma virgindade de Maria e diz que o burro e a vaca não estavam no presépio».
Mas o que é isto? – Bom, delírio, só pode.
Não podia haver alguém lá pelo Vaticano que dissesse ao Papa que este tema da virgindade de Maria não interessa a ninguém? Que hoje é um trabalho inglório explicar a um jovem normal que uma mulher que teve um filho continua a ser virgem? – Um tema que não interessa a ninguém…
Como eu gostaria de ouvir do Papa o seguinte. Irmãos de todo o mundo, Nossa Senhora, a nossa mãe do céu, Maria de Nazaré, foi a primeira e principal Apostola de Jesus, tantas vezes no Evangelho toma a dianteira, achega-se à frente. É o presépio onde Maria assume um grande destaque, senão o principal. As Bodas de Caná. Maria junto à Cruz. Parece ter liderado todo o processo do milagre de Pentecostes… Apenas alguns só para vermos que a sua condição de apostola se destaca no Evangelho e a «nossa» Igreja Católica dá importância quase nula a esse aspecto, porque quer manter o lugar da mulher na Igreja exactamente como está, na limpeza das igrejas e a colocar flores nos altares. Os homens é que mandam e exercem o poder. Assim, devemos sempre reafirmar Maria sempre virgem, e quiçá quase assexuada, uma mulher pacífica que recolhe as migalhas que a hermenêutica do poder continua teimosamente a tirar equivocadamente do Evangelho.
O burro e a vaca não estavam no presépio.
É caso para perguntar para onde foram os raios dos bichos?
Mais um tema que não interessa a ninguém. Só como gozo e diversão de Natal. É triste que alguma da «nossa» Igreja Católica se preste a isto.
Os tempos são de tirar. Então, toca a tirar o que restava na liturgia cristã que convidava ao respeito pelos animais. Parece que não, mas os animais no presépio sempre lembram que fazem parte da criação e devem por isso ser respeitados. A simbiose da criação faz-se com os animais e eles estão aí presentes no sinal da redenção da criação, o presépio, para que sejam um alerta contra todas as barbaridades que se cometem contra os animais. Os massacres constantes que se vão dando por todo lado contra os animais encontram agora mais uma justificação para espalharem o seu veneno bárbaro.
São Francisco, a quem se atribui a fundação do presépio tal como o tínhamos até hoje, deve ter entrado numa depressão impressionante. Porque nisto de se retirar os animais do presépio, vê-se violado o seu encanto pela natureza ao ponto de nos ensinar que pode ser possível estender a fraternidade com toda a natureza. Daí que hoje, os tempos da ecologia, São Francisco seja o modelo e a inspiração de todas as acções a favor do respeito pela natureza. Dirá o Santo dos pobres, «ó irmão burro e irmã vaca, perdoem-lhes porque são delírios do tempo da crise».
Mas, falta ainda decretar como dogma que afinal Jesus nasceu num palácio, tipo a mansão chefe da Iurd, o Bispo Edir Macedo, cujas imagens têm circulado na Internet.  Ou então, num palácio como o do Vaticano, onde está a residência dos Papas e que tinha uma vida luxuosa como tem o Papa, os cardeais e alguns bispos e outros senhores do tempo, que ao abrigo do templo, vivem como grandes reis todo-poderosos.
Poderia ajudar ainda a crescer na fé o nosso mundo se fossemos capazes de criar uma mansão colocando lá dentro todos os objectos de arte que os museus do mundo albergam, que resulta do engenho da humanidade de todos os tempos e numa poltrona revestida com todo o ouro das igrejas do mundo nascia Jesus de uma mulher virgem, que sempre foi virgem antes da concepção, durante a gravidez - facto que a liturgia diz ter sido nove meses, mas fico agora com sérias dúvidas quanto a isso – e mais extraordinário continua virgem após o nascimento.  Ámen. Assim sim… Vamos ter um Jesus mais de acordo com a sua altíssima dignidade divina, porque ele ser humano e ainda para mais pobre, nascido num estábulo entre animais é ofensa que brada aos céus.
Por aqui vamos continuar a fazer o presépio como sempre fizemos, nenhuma figura ficará de fora do seu lugar e se for possível ainda vamos colocar mais alguns animais para que se mostre claramente que não precisávamos que ninguém nos tire tanto, ainda para mais vindo de quem vem, o Papa. 

4 comentários:

tukakubana disse...

Como bem diz, é a figura da Mulher libertadora, a Maria do Sim, a Maria do Silêncio, da entrega da Oração, que a Igreja deveria proclamar a exemplo.Essa "santa" emancipação parece não interessar pois, infelizmente, enquanto as Mulheres de hoje são sucesso em todas as profissões no Mundo, a Igreja quere-as obedientes, assíduas e....vazias de preferência!.
Quanto aos animais, será que S. José vendeu o burrico onde transportou Maria prestes a ser Mãe e onde fugiram para o Egipto? Mistério......

rouxinol de Bernardim disse...

Tema polémico mas, ao abordá-lo, demonstra a coragem que tem faltado à Igreja ao longo dos séculos, sempre na cauda do pelotão, sempre a reboque sem ousar romper com anquilosados conceitos.

Sancho Gomes disse...

Caro padre,estou longe de ser teólogo, mas quer me parecer que a virgindade de Maria confere deicidade a Jesus. E falar dessa virgindade como redutora é não reconhecer a importância da abnegação, fundamental à mensagem cristã.
Sim, é certo que não será um assunto muito importante. Como também será um desperdício da palavra fazer alegações em sentido contrário.

jose disse...

Caro Amigo Pe.José Luís: ponha-se a pau!
Se quer manter o seu lugar, meça bem o que afirma...
A empresa a que pertence, não perdoa...
Veja como ela tratou este seu elemento que fez/faz XIXI fora do penico:
http://www.jornalfraternizar.pt.vu/
O meu abraço e apoio!
Jose