Convite a quem nos visita

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

A família de Deus e a nossa

Mesa da Palavra
Comentário à Missa do próximo domingo
Domingo da Sagrada Família
 A família de Nazaré, faz-nos pensar um pouco sobre todas as famílias de hoje. O que é então a família?
- A família faz-se mediante um contrato social, jurídico, canónico ou religioso, entre um homem e uma mulher que desejam ser procriativos. A família tem uma base antropológica. É um homem e uma mulher, em ordem à procriação (atenção: a aqui a palavra procriação não tem só em vista a geração dos filhos, mas procriação no sentido de felicidade e prazer mútuo que o amor produz sempre), numa relação estável e segundo a óptica da Igreja, para toda a vida.
A família continua a ser uma forma de crescimento humano e de educação fundamental para a pessoa. Todos reconhecemos que a família actual está a atravessar dificuldades muito graves. É certo que assim seja, porque os problemas que advêm daí estão à vista de todos. Porém, requer-se uma acentuada intervenção na educação para que a família retome o seu lugar na sociedade.
Mais reconhecemos que a família em crise arrasta consigo toda a sociedade. Cada vez mais, reconhecemos que se todos os pais e todas mães se fossem verdadeiramente responsáveis pelos seus filhos a nossa sociedade estaria melhor e os problemas não seriam tão graves no que diz respeito à convivência social.
A todos é pedido que se empenhem na educação para que a família continue a ser a principal escola de crescimento e de educação de todos os homens e mulheres, dentro dos parâmetros que a antropologia a definiu. Caso não exista esta consciência entraremos no caos e na perversão geral que tanto nos comove ou escandaliza. O discurso sobre o respeito, a fidelidade e a castidade, é, hoje, muito complicado, porque facilmente se apelidam as pessoas que o defendem ou o vivam no seu dia-a-dia, de retrógradas e de tradicionalistas. Os valores estão em crise, é visível.
Hoje, o que dá é ser o que o momento proporciona, porque não interessa a estabilidade emocional e a fidelidade aos valores. O que importa é viver a ocasião intensamente. A instituição, como valor perene e estável, sofre muito com esta forma de pensar e viver dos tempos actuais.
Porém, mesmo que estes considerandos sejam um pouco negativos no que diz respeito à família, gostaria de salientar que existe uma multidão de pais e mães muito responsáveis e preocupados. São estes que desejo homenagear e incentivar, manifestando que o seu trabalho dedicado à educação dos vossos filhos é a missão mais nobre e sinal de que o amor de Deus está bem presente neste mundo conturbado. Pelo coração de cada um de vós, Deus revela a grandeza do Seu amor pela humanidade. Bem hajam por terem assumido esta missão de serem pais.

1 comentário:

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luís, Amigo e Irmão, a FAMILIA é a base, a célula, o alicerce da sociedade sem a qual tudo apodrece. E não venham com essas outras "familias de aluguer". As criançss têm que ter referências do PAI (homem) e da MÃE (mulher). O resto são tudo aberrações que a própria Natureza não se revê nelas.
Mas as ideologias positivistas: o materialismo dialéctico e o materialismo de vida (capitalismo selvagem)rebentaram com a Familia.Por isso mesmo, a sociedade está desmoronar-se. Diga-se a verdade que a unica instituição que reconhece a Familia como um valor vital, insubstituível e amoroso da Humanidade e da própria Natureza, é a Doutrina Social da Igreja e as consequentes encíclipas papais. Retirando aspectos mais de natureza moralista que de ética antropológica, o pensamento da Igreja é saudável e bonito na defesa dos valores do matrimónio. E a Familia de Nazaré é, quanto a mim, a unica certeza da estabilidade do casal com ou sem filhos. E o ´Mundo prospera e progride numa sociedade que se quer com afectos e ternurenta. Aceito à distância as uniões homo,mas não aprovo o casamentos.Este é constituído por uma mulher e um homem.Chamem-se retrógado por esse motivo, pq muito agradeço. Salvemos,pois, a FAMILIA a 1ªComunidade humana e eclesial.Vem, Senhor Jesus,e dá-nos esse espírito alegre do casal,mesmo num mundoem dificuldades.Amemos as nossas crianças, as preferidas do Senhor.