Convite a quem nos visita

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O que devemos fazer?

Mesa da palavra
Comentário à Missa do próximo domingo
III Tempo do Advento
Ao decorrer o Advento vamos sendo confrontados com verbos fortes, vigiar e preparar. Neste domingo somos convidados a acolher o desafio da partilha, com o verbo repartir. Novamente um verbo forte repartir ou partilhar, que pela voz de João Baptista aponta como dimensão essencial do Natal de Jesus.
O apelo de João Baptista que, já no Advento de Jesus, nos convida a fazer o repartir alguma coisa com quem nada tem. O mundo está cheio de injustiça, porque são muito poucos os que têm muitos bens para viverem na abastança, no desperdício e na riqueza desmedida; mas são muitos os que nada têm para sobreviver com a mínima dignidade, a pobreza e com ela a fome alastra de forma terrível por todos os lugares. E lá vamos nós vivendo com este escândalo, habitamos um mundo que produz bens suficientes para que ninguém fosse chamado de pobre, mas não há forma de acabar com a fome, com a miséria que afecta todas as sociedades.
As políticas actuais ao invés de apresentarem medidas de protecção social e mecanismos de partilha que levassem os Estados a serem solidários e a contribuírem para a acabar com a exclusão e com todo o género de pobreza, fazem precisamente ao contrário, o que resta de proteção dos mais necessitados está ser cruelmente retirado ou então a sofrer investidas taxistas nesta loucura de impostos que os governantes impiedosamente estão a levar a cabo.
O que dizer face à corrupção e ao roubo que mina a política, a justiça e a sociedade em geral. O nosso mundo enferma por causa da ganância, do egoísmo e do desejo de enriquecimento fácil. Por isso, os roubos são uma realidade do dia-a-dia e a insensibilidade em relação ao Bem-comum é regra que comanda a vida de muita gente. Daí a pobreza e a exclusão social de uma multidão imensa. À luz do sermão de João Baptista, Indira Ghandi, dizia: "De punhos cerrados, não se pode apertar a mão a ninguém". Que o Advento nos abra o coração e a mãos para partilhar a vida.  

1 comentário:

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luís,meu Amigo e Irmão, o Mundo de Natal em Natal, vai ficando cada vez mais doente. A esperança dos algarismos era para ser em 2013,agora passa para 2014. A deJoão Baptista a Esperança em Cristo Jesus realiza-se desde que o Homem/mulher queiram. Basta converter o coração de pedra e transformá-loem carne. É diferente das promessas de politicos que sem escrúpulos nos matam e, pior ainda, matam o nosso desejo de viver. Jesus não é contabilista é o Senhor trans-histórico.Ultrapassa tudo e todos. Vem,Senhor Jesus e aconchega a nossa "manjedoura" o nosso presépio carnal. Jesus, segundo Pessoa, nada sabia de finanças.