Convite a quem nos visita

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Preparar-se para a mudança

Mesa da palavra
Comentário à Missa do próximo domingo
II Domingo Tempo do Advento
João Baptista é a voz que clama no deserto a revolução de Deus: "Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas". A voz do Filho de Zacarias, está na senda do profeta Isaías que proclama o sonho de Deus, que consiste na grande revolução que Deus deseja levar a cabo. A nós, cabe-nos prepararmo-nos para a mudança a transformação da vida, a nossa vida e a deste mundo. Não pode ser impossível fazer do mundo um lugar de paz e de saudável convivência sem prejudicar ninguém, mas fazendo tudo para todos serem felizes à nossa volta. Se me dizem que isto é impossível, então, atraiçoamos a inteligência e o engenho que nos foram dados. Não podemos amordaçar o melhor da humanidade.
Diz assim o Profeta: "No monte Sião, o Senhor do universo prepara para todos os povos um banquete de carnes gordas, acompanhadas de vinhos velhos, carnes gordas e saborosas, vinhos velhos e bem tratados"; "Aniquilará a morte para sempre. O Senhor Deus enxugará as lágrimas de todas as faces, e eliminará o opróbrio que pesa sobre o seu povo, sobre toda a nação". É o sonho, o desejo, a vontade de Deus, que ecoa sobre os telhados dos tempos pela voz dos profetas.
Esta urgência de Deus, nada tem a ver com a lógica dos poderes instalados deste mundo, porque não procuram o bem para todos. Os poderes actuais do mundo estão todos ao serviço dos interesses de grupos económicos e seguem a lógica do mercado. É o lucro e as mais-valias do dinheiro que movem os poderes. Mas logo se segue uma multidão de imensa de pobres, porque esta lógica assenta na injustiça e no açambarcamento dos bens da natureza de forma desregrada. Algo terrível, que nos vai sendo dito através dos enormes sinais desastrosos que por esta via a humanidade não tem futuro.  
As várias cimeiras temáticas, não levam a conclusões nem levam as nações a compromissos sérios na construção do bem comum. Porque não se acaba com o escândalo da fome no mundo? Porque não se distribui a riqueza de forma partilhada, para que toda a humanidade pudesse sobreviver condignamente? - Faz falta mudar atitudes e deixar de criar subterfúgios comodistas. A mudança implica sempre expressar acções concretas de justiça e de fraternidade, é o único modo de nos preparamos para a vinda de Jesus.
Precisamos de um mundo justo, preocupado com o bem para todos. Só a vida doseada com alguma espiritualidade poderá levar-nos à felicidade, que implica transformação, mudança concreta.

1 comentário:

Pramos disse...

Bom dia!
Gostei muito desta reflexão.
"Porque não se acaba com o escândalo da fome no mundo?"
Porque isso implicaria uma mudança de radical.
A mudança exige esforço, e nós não queremos fazer esforço algum, ou melhor fazemos esforço no sentido inverso ao da palavra de Deus.
Esforçamo-nos por arrecadar o máximo nas nossas despensas, esquecemo-nos que isso esvazia as despensas de quem já nada tem ou possui.