Convite a quem nos visita

terça-feira, 28 de maio de 2013

Construir pontes

Não sei quem foi o autor. Mas a mensagem é sempre oportuna...

Olhamos à nossa volta e deparamos com situações de desavença, de desentendimento, de ódio, de relações cortadas. Isso acontece entre vizinhos, entre companheiros de trabalho, entre empregados e patrões, entre amigos, mas, pior ainda, entre membros da mesma família, como aconteceu no caso que vou apresentar.
Dois irmãos viviam pacificamente, lado a lado, trabalhando um grande terreno e terreno separado por um riacho. Houve o melhor entendimento entre eles durante muitos anos. Certo dia, por uma pequena questiúncula, brigaram: insultaram-se, dirigiram um ao outro palavras agressivas e cortaram relações.
Um dia, bateu à porta do mais velho um homem pedindo trabalho.
- Sou carpinteiro.
- Vais então trabalhar para mim. Com aquela madeira, vais construir uma cerca à volta do meu terreno, muito alta, de forma que não se veja de um lado para o outro. Nem quero ver o meu irmão, com quem briguei e com quem cortei relações.
- Muito bem! - respondeu o carpinteiro. Já compreendi.
O fazendeiro retirou-se para a cidade, deixando o artista no seu trabalho.
* Quando regressou, daí a dias, ficou espantado com o que viu. O carpinteiro, em vez da cerca, tinha construído uma pequena ponte que ligava as duas margens do riacho! Voltou-se para o carpinteiro e chamou-lhe atrevido por não ter feito o que ordenara.
* Mas houve mais surpresas: ao olhar para a ponte, viu que seu irmão mais novo se aproximava de braços abertos e disse: tu realmente fostes muito amigo, construindo esta ponte, mesmo depois do que eu te disse de ofensivo.
* De repente, num forte impulso, o mais velho correu na direcção do irmão. Abraçaram-se e choraram de alegria.
O carpinteiro preparava-se para ir embora com a sua caixa de ferramentas.
* Espera! Fica connosco, disse o mais velho. Tenho outros trabalhos para ti.
O artista respondeu: eu ficaria, mas tenho outras pontes para construir. E partiu...
Seria muito mais bela e feliz a vida, se, em vez de cercas e muros, construíssemos pontes – pequenas ou grandes – entre gente desavinda, mediando a construção da paz.
Bem-aventurados os que constroem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 

Sem comentários: