Convite a quem nos visita

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Pensar e pensar-se é muito importante

A necessidade de parar para pensar a história pessoal deve ser uma constante da vida. Também a pessoa não é se não procurar pensar o seu modo de ser no que diz respeito ao passado, enquanto está a viver e quanto à perspectiva do futuro. Será muito importante esta preocupação em relação ao passado, ao presente e ao futuro na procura da felicidade.
O antigo Bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes dizia: «Somos como o canhão, recuamos para que o projéctil vá ainda mais longe». Esta necessidade de parar e de fazer silêncio, é muito importante para pensar a vida e tudo o que ela implica para o bem próprio e do mundo. Muitas vezes o ficar quieto e o estar calado não significa, de modo nenhum, subserviência ou passividade perante as coisas que passam, mas significa procura lúcida de um bem próprio para melhor servir a vida e o mundo.
A paixão pela vida, pelo que sou e pelo que posso dar, obriga-me a olhar a própria história com amor e compaixão para depois me relançar outra vez sobre o que sou. Olhar a própria história, é a possibilidade de reconciliar-se consigo mesmo, harmonizar o espaço, organizar-se, criar espaço para poder funcionar e relançar-se outra vez sobre as coisas da vida.
É preciso valorizar e acolher com amor aquilo que somos e temos dentro de nós. Não há outra história da salvação de Deus à margem da nossa história pessoal. A história da salvação é a história da humanidade. Estar contra esta forma de pensar a acção de Deus é violar o projecto de salvação de Deus para o mundo e para a humanidade toda.
Agora peço-vos um pequeno exercício de adaptação. Reparemos na frase de Martin Buber: «Deus não me pedirá contas de não ter sido Francisco de Assis ou mesmo Jesus Cristo. Deus vai pedir-me contas de eu não ter sido completa e intensamente Martin Buber». Que Deus nos ajude a sermos  plenamente o que somos e o que Ele deseja que sejamos para que se conjugue em paz o querer de Deus com o nosso.

1 comentário:

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luis Rodrigues,Amigo e Irmão em primeiro lugar adoro essa estátua Le Penseur de Augusto Rodin que tive o privilégio de ver e que tenho outro privilégio,que é o de ter uma réplica. Em segundo lugar gostei muito da sua linda prosa de reflexão pela qual farei o possível de meditar no dia de hj. O nome de "António Ferreira Gomes" é-me muito querido pela razões que o Pe.José Luís sabe.