Convite a quem nos visita

terça-feira, 16 de julho de 2013

Quando a lógica do egoísmo é regra

A vida numa história. Esta história retrata bem o quanto o egoísmo comanda a vida da humanidade. Já dizia Jesus e com toda a razão: «Os filhos deste mundo são mais astutos no trato uns com os outros do que os filhos da luz» (Lc 16, 8). Até quando poderá a humanidade resistir a esta forte tendência para o desprezo pelo bem comum e pela justiça com base na ganância e nos egoísmo desenfreado? E como seria tão bom estar bem patente no coração de todos a seguinte consciência: «A única forma de multiplicar a felicidade é partilhá-la» (Paul Scherrer).

Reparemos:
O senhor de um castelo deu uma grande festa, para a qual convidou todos os habitantes da aldeia. Mas as pipas do nobre, embora fossem muitas, não chegariam para satisfazer a previsível e grande sede da multidão de convidados. O senhor pediu então um favor a todos os habitantes da aldeia: - meteremos ao centro da praça onde terá lugar o banquete uma imensa pipa. Cada qual trará o vinho que puder, que deitará na pipa. Será cheia com a colaboração de todos e haverá vinho para toda a gente.
Um homem da aldeia, antes de partir para o castelo, procurou uma bilha e encheu-a de água, pensando: «um pouco de água na pipa, ninguém dará por ela». Ao chegar o dia da festa, deitou o conteúdo da sua bilha na pipa comum e sentou-se à mesa. Quando os primeiros serventes foram para tirar o vinho, da torneira saía apenas água. Todos tinham pensado da mesma maneira.
Para fazer pensar:
* Todos pensaram da mesma forma. O interesse pessoal e o egoísmo foram colocados acima de tudo. O resultado redundou num desastre, porque faltando o vinho na festa, faltou também a alegria, porque o vinho é símbolo de alegria.
* Somos todos convidados a dar o melhor para que a festa da humanidade aconteça de verdade. Falta cada um dar o melhor de si, caridade, alegria de viver, amor e paz.
* Como dás as tuas ofertas? Que sentimentos te acompanham quando fazes ofertas? Preferes a quantidade ou a qualidade nas tuas dádivas?

Sem comentários: