Convite a quem nos visita

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

“Olá, sou o Papa Francisco, podemos tratar-nos por tu”

Que diferença em relação a tantas situações e lugares da Igreja Católica por todo o lado...

Ao contrário de Bento XVI, Francisco telefona directamente para qualquer pessoa.
 Stefano Cabizza, 19 anos, estudante de engenharia em Pádua, Itália, escreveu uma carta ao Papa Francisco. O líder da Igreja Católica respondeu-lhe, com uma chamada telefónica. “Sou o Papa Francisco, podemos tratar-nos por tu”, disse, quando Stefano atendeu a chamada, no domingo.
 “Rimo-nos e brincámos durante oito minutos. Disse-me que Jesus e os apóstolos se tratavam também por tu. Pediu-me que rezasse muito por ele, deu-me a bênção e senti despertar em mim uma grande força”, contou Stefano, segundo o jornal Gazzettino de Veneza.
Ao contrário de Bento XVI, Francisco telefona directamente para qualquer pessoa. É uma grande mudança nos hábitos do Vaticano, afirma uma fonte da secretaria de Estado.
 Recentemente, por exemplo, o Papa ligou a um italiano que ficou paralisado depois de um acidente de carro e que acabara de perder um irmão num assalto. Questionou-o sobre o significado da vida. Outras vezes liga para amigos, crentes e não crentes, em Itália ou na Argentina. E até telefona para jornalistas, que conheceu enquanto cardeal, para saber novidades de um familiar doente, do resultado de um exame ou celebrar um aniverksário.
Adepto do contacto directo e privilegiando os jovens, como deu mostras nas Jornadas Mundiais da Juventude, que decorreram no Brasil, o Papa recebeu esta semana um grupo de mais de 200 alunos, católicos e budistas, de uma escola japonesa. Falou-lhes da importância do diálogo e da tolerância inter-religiosa, sem qualquer menção aos confrontos de que são palco países como o Egipto ou a Síria. “Qual é a atitude mais favorável ao diálogo? A empatia, a capacidade de conhecer pessoas e culturas em paz, a capacidade de fazer perguntas inteligentes, de ouvir e de falar. É este diálogo que faz a paz. Todas as guerras e todas as lutas estão relacionadas com a falta de diálogo”, observou.
AFP, in Público de 22/08/201
3

Sem comentários: