Convite a quem nos visita

domingo, 22 de setembro de 2013

Papa propõe caridade cristã que ultrapasse «assistencialismo»

Os tempos que nós vivemos fizeram «ressuscitar» o assistencialismo, aquela ideia tenebrosa dos pobrezinhos, nós e depois eles, porque estávamos noutro patamar um pouco acima do ser pobre, então podíamos ter o nosso pobre, para que nessa assistência pudéssemos salvar a nossa alminha e também a deles, claro...
O Papa Francisco vem colocar na ordem as coisas e diz claramente que essas Caritas, esses Bancos Alimentares, esses partidos políticos, esse oceano de ONG's e todas as associações e «grupecos» que proliferaram como cogumelos para fazer «caridadezinha» ou assistencialismo, são postos na ordem e quiçá devam desaparecer porque sempre deviam ser provisórios até ao dia em que surja a justiça e o bem comum.
Lamento que não veja todos os que pertencem a estes movimentos da caridade mediática, como lutadores acérrimos desses valores para que a pobreza desapareça totalmente do mundo. São estes os primeiros a considerarem os pobres como matéria prima, como mais valia para o assistencialismo e alguns para o negócio em que se tornaram. E mais grave ainda, quando são fretes bem claros aos poderes instalados na cadeira da governação. Os favores que realizam é de bradar aos céus.
O Papa Francisco alertou hoje na Sardenha para a necessidade de superar uma visão da caridade que a limita ao «assistencialismo» ou «moralismo», para seguir o exemplo de Jesus junto dos mais necessitados.
«A caridade não é assistencialismo, muito menos um assistencialismo para tranquilizar as consciências: isso não é amor, é negócio. A caridade é uma escolha de vida, um modo de ser, de viver: é o caminho da humildade e da solidariedade», disse, durante um encontro com pobres e presos, na Catedral de Cagliari.
A solidariedade, alertou, «arrisca-se a ser riscada do dicionário», porque implica «trabalho» e vai contra uma «cultura do descartável».
Que esta advertência nos torne mais conscientes nesta luta contra a pobreza, para que não exista mais necessidade de ninguém se «alimentar» da fatalidade da pobreza de ninguém. O moralismo assistencialista é um insulto e não deve estar presente no pensar e no coração de ninguém. Não nos deve faltar nunca a vontade de fazer uma sociedade mais justa onde todos tenham a oportunidade de se realizarem com dignidade, contribuindo para a edificação do mundo, mas sem favores de nada nem de ninguém, estão integrados no seu trabalho/emprego em plena assunção do direito que os assiste, nada mais.
«Não podemos seguir Jesus no caminho da caridade se não gostarmos em primeiro lugar uns dos outros, se não nos esforçarmos por colaborar, compreender as nossas vivências e perdoar-nos», acrescentou.
O Papa advertiu para a «arrogância» que se pode viver no serviço aos mais necessitados e criticou os que «instrumentalizam os pobres em favor de interesses pessoais ou do seu grupo». Se fossemos a falar deste aspecto este texto ficaria numa extensão sem fim à vista. Cada leitor que faça a sua análise, que pense na postura de tanta gente que tempos a tempos se apresenta na comunicação social a falar de pobreza e de pobres mais os apelos insistentes às nossas dádivas. A isto o Papa Francisco diz: «Isto é pecado, pecado grave, porque é usar os necessitados, que são a carne de Jesus, para a vaidade! Seria melhor que estas pessoas ficassem em casa», afirmou. Deixemo-nos tocar por estas palavras.

Sem comentários: