Convite a quem nos visita

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Como será um caos controlado?

O nosso hospital do Funchal conta em lista de espera para cirurgia 17 mil pessoas. Um número impressionante e preocupante. Mais ainda informam que as pessoas esperam em média entre 3 a 5 anos para serem atendidas. Não são raros os casos em que as pessoas quando são chamadas para a cirurgia já habitam a mansão dos mortos. Este caos «controlado» mete medo e faz-nos viver em profunda insegurança.
Umas das causas apontadas será provavelmente dizerem-nos que não há dinheiro. Porém, o dinheiro não falta para a campanha permanente e para a imposição do pensamento único. O dinheiro não falta para o desporto do jet-set, o golfe. Não falta para obras que salta a vista não serem úteis ao bem comum, mas a uma pequena porção de gente que sempre se «alimentou» dessa forma. Não falta para viagens que nunca percebemos em que é que servem o povo da Madeira. Não falta para eventos de gosto duvidoso e que ainda não provaram serem uma mais avalia para fazer movimentar a nossa economia. A lista podia continuar...
Manchete Diário de Notícias do Funchal
26 de fevereiro de 2014
O dinheiro só falta quando se trata de manter dignamente os serviços de educação e da saúde na Madeira. Para onde vamos guiados por autistas sem escrúpulos que não se compadecem nada com a desgraça alheia? Que sociedade é esta que tolera governantes irresponsáveis que não olham às condições desumanas em que vive a nossa população? Não admitem haver doentes, pobreza aliada ao desemprego altíssimo e famílias a passar fome entre tantas outras chagas sociais que nunca viram uma resposta conveniente por parte das nossas autoridades? As perguntas podiam continuar...
Perante este panorama é preciso deixar a politiquice rasca, que concentra energias em demasia, e exigir que quem tem a responsabilidade deste sector tão importante para a população se fixe verdadeiramente na resolução deste problema que continua a remeter uma porção enorme do nosso povo para a valeta da doença. Não encontrar um ambiente de confiança e que garanta alguma qualidade de vida que reduza o sofrimento e induza na esperança, fere o corpo e a alma. Estar doente é ser o mais pobre dos pobres. Pelo que vamos vendo as instâncias que devem cuidar da saúde do nosso povo está profundamente doente e por isso faz-nos ser um povo entre os pobres dos pobres. Precisamos de luz a este nível e quem tem responsabilidade para a resolução deste problema deve começar já a ter outro comportamento e a respeitar melhor quem passa pela rua amarga da doença.

Sem comentários: