Convite a quem nos visita

segunda-feira, 28 de abril de 2014

As relíquias dos dois novos santos

Comungo em pleno desta ideia. A dupla canonização, do italiano João XXIII - considerado um progressista ao convocar o Concílio Vaticano II em 1962 para modernizar a Igreja - e do polonês João Paulo II - que enfrentou o comunismo e foi inflexível em temas morais - foi, segundo analistas, um golpe de mestre para o Papa Francisco, para unir os diferentes sectores da Igreja. Ambos os pontificados, também encarnam duas imagens diferentes: o primeiro, humilde e próximo do povo; o segundo, um comunicador nato, carismático e capaz de seduzir tanto os poderosos quanto as multidões. Nada disto é discutível e admirável.
Mas falta-me imenso, em inteligência e em fé, para considerar que as relíquias dos dois novos santos acrescentem mais luz à fé e ao crescimento da Igreja Católica, uma ampola de sangue de João Paulo II e um pedaço de pele de João XXIII extraída durante a sua exumação no ano 2000, foram colocadas junto ao altar. Seria mesmo necessário passarem os cadáveres de João XXIII e de João Paulo II por este gesto, que noutros ambientes seria manipulação e profanação de cadáveres? – Neste aspecto, falta-me muito para chegar a perceber que a fé e o caminho para Deus precisam mesmo destes gestos mediáveis e absurdamente necrófilos.
Mas, é assim a vida... Não se pode ter tudo. 

1 comentário:

PR disse...

"falta-me muito para chegar a perceber que a fé e o caminho para Deus precisam mesmo destes gestos mediáveis e absurdamente necrófilos. "
A mim falta-me tudo para perceber esses gestos que considero "macabros".

Peço desculpa pela ousadia, chego a pensar se, com tantas "santificações" não se estará a "vulgarizar" algo deveras sagrado.

Muitas vezes fico a pensar (ultimamente de uma forma muito intensa), se foi o homem que teve necessidade de acreditar em algo que o transcendesse ao qual nomeou e constituiu seu Deus, ou se foi Deus que para se realizar em si mesmo criou o homem à sua imagem e semelhança.
É complexo, talvez devido à debilidade da fé que me assiste.
"Não se pode ter tudo. " tal como não se pode agradar a gregos e troianos, mas poderíamos usar um pouco melhor o "bom senso".