Convite a quem nos visita

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

A solidariedade vai ter que mudar o formato

Plenamente de acordo...

Vou dizer uma coisa devagarinho mas antes salvaguardo, gosto de solidariedade, quero solidariedade, deve existir solidariedade para colmatar a cegueira dos poderosos, deve haver gente que se dedique à solidariedade, eu sou solidário mas, o formato vai ter que mudar. O actual vai se tornar contra-producente... E eu entendo a pressão sobre as instituições de solidariedade.
"Toneladas" de pessoas dedicadas à solidariedade, entrincheiradas à porta dos supermercados, é contra-producente e explico. Há gente que tem o mínimo para comer e que vai ao supermercado; há gente que gere o orçamento comprando aos poucos, conforme precisa, para gerir o dinheiro pelas necessidades imperiosas; há gente que está farta de não poder entrar tranquila num supermercado tendo já contribuído ou não o podendo fazer.
A solidariedade já está com os métodos das operadoras móveis ou de serviços de internet e roçam algo que não é solidariedade, nem respeitam a boa vontade das pessoas nem da sua decisão. Andam no "tem que dar à força". Este país pode não ter mais para dar, já pensaram nisso? Este país já não aguenta mais. Toda a solução passa pelos que trabalham, desde os impostos até à solidariedade... Acham que continua a haver o mesmo dinheiro nas algibeiras?
Vai suceder o seguinte, a solidariedade vai ser castigada, porque com a violência de angariar para dar, terão os hipermercados a notar que já há pessoas a dar meia volta e a desistir, para não passar pelas trincheiras da solidariedade à porta dos supermercados. Fica tudo gravado nas câmaras de vigilância. As pessoas topam e disfarçadamente dão meia volta. As pessoas sentem-se agredidas no seu espaço pessoal e na sua capacidade ou não para decidir. Elas também sofrem em silêncio e andam revoltadas.
Quem desejar ouve, quem desejar crítica, mas não se esqueçam que vai acontecer. Dá-se menos porque não temos mas também se pode dar menos pela contínua agressão.
Com a devida vénia de um grande amigo facebookiano 

Sem comentários: