Convite a quem nos visita

quinta-feira, 26 de março de 2015

Jesus é igual a nós

Domingo de Ramos, 29 março de 2015
A palavra de Deus neste último domingo da Quaresma, domingo de Ramos, convida-nos a vermos claramente Deus, que por amor, «abaixou-se» totalmente e partilhou com a humanidade o que há de mais radical, o sofrimento e a morte. Este Deus, em Jesus, tornou-se o servo dos servos, entregou-se à morte para que tudo o que ainda existe de maldade neste mundo fosse vencido. O horizonte da cruz que a palavra nos mostra, é a lição suprema, do amor que conduz à vida nova e ressuscitada para que todos os que creem vivam eternamente.
A primeira leitura dá-nos conta que existirá um profeta, chamado por Deus a testemunhar a salvação a todos os povos, que apesar do sofrimento e da perseguição, este profeta não desistiu e manteve-se fiel a Deus, no qual Deus irá manifestar o Seu Plano de Salvação. Os cristãos viram neste profeta a figura de Jesus.
Na segunda leitura a nota dominante é que estamos perante a mais «alegre» carta do Novo Testamento. Do início ao final a alegria é a nota dominante.
O abismo da dor e da morte são realidades tão frequentes e tão duras nas nossas vidas, que muitas razões encontramos para não sermos alegres e até os mais desanimados de todos, mas se olharmos para Aquele que abdicou de tanto, para ser um como nós, encontramos, afinal, muitas razões para sermos os mais alegres e felizes de todos. A confiança no Pai/Mãe que Jesus nos mostra, garante-nos uma outra força e libertação para vencer o escuro do abismo da desesperança e o sem sentido deste mundo.
O Evangelho faz-nos o relato da Paixão e Morte de Jesus. Esta é concretização da maior injustiça da história, mas ao mesmo tempo revela-nos que este é o momento supremo da vida que se entrega como dom e serviço para libertar este mundo de tudo o que faz girar a vida nos alicerces do egoísmo e da injustiça que conduz à escravidão. A cruz de Jesus, é a manifestação histórica do «grande» amor de Deus que se oferece como dom total.
Assim é, que segundo o Papa Francisco apontou-nos sobre Deus esta belíssima ideia: «Deus é um apaixonado por nós. Sonha pensando em nós». (Homilia da Missa na capela da Casa Santa Marta, dia 16 de março de 2015). O Papa Emérito Bento XVI neste âmbito ensinou: «Cristo ressuscitou e derrotou para sempre a morte! Então poderíamos compreender verdadeiramente o mistério da cruz». E o Papa Francisco acrescenta-lhe o seguinte: «A cruz de Jesus é a palavra com que Deus respondeu ao mal do mundo». Nada mais de acordo com o pensamento de São João da Cruz: «Quem não busca a cruz de Cristo não busca a glória de Cristo». Por isso, a convicção certeira de São João Paulo II ficou gravado nos nossos corações: «A cruz é sinal dum amor sem limites!». Sem tristezas, mas na alegria da esperança, uma boa semana Santa para todos.

Sem comentários: