Convite a quem nos visita

quarta-feira, 17 de junho de 2015

A teologia da pobreza segundo o Papa Francisco

Atenção srs. governantes...
O Papa Francisco voltou a falar na última terça-feira sobre a pobreza na Casa Santa Marta, na habitual missa matinal. Há uma clarividência nas suas palavras que é desconcertante. A primeira leitura inspirou Francisco para falar da “teologia da pobreza” e observou que estas palavras provocam constrangimento. Muitas vezes, ouve-se dizer: “Mas este sacerdote fala demasiado de pobreza, este bispo fala de pobreza, este cristão, esta freira falam de pobreza… Mas são um pouco comunistas, não?” E ao invés, advertiu, “a pobreza está no centro do Evangelho. Se tirarmos a pobreza do Evangelho, nada se entenderia da mensagem de Jesus”. Podem ler de forma mais aprofundada sobre este assunto AQUI.
Porém, em 29 de outubro de 2014 já tinha feito um discurso luminoso sobre esta temática. Terra, casa, trabalho: estes foram os três pontos fundamentais em torno dos quais desenvolveu-se o longo e articulado discurso do Papa Francisco aos participantes do Encontro Mundial dos Movimentos Populares, recebidos esta terça-feira na Sala Antiga do Sínodo, no Vaticano. O Pontífice ressaltou que é preciso revitalizar as democracias, erradicar a fome e a guerra, assegurar a dignidade a todos, sobretudo aos mais pobres e marginalizados.
"Terra, tecto, trabalho. É estranho – disse –, mas quando falo sobre estas coisas, para alguns parece que o Papa é comunista. Não se entende que o amor pelos pobres está no centro do Evangelho." Portanto, acrescentou, terra, casa e trabalho são "direitos sagrados", "é a Doutrina social da Igreja". Podem ler mais sobre este assunto AQUI.
Neste sentido, Dom Hélder Câmara já tinha ensinado magistralmente: «Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo. Quando pergunto porque eles são pobres, chamam-me de comunista». 
Esta realidade aconteceu com uma força muito grande por todo lado, no mundo inteiro. A nossa terra também não ficou imune a esta pobreza de espírito. Foram imensas as ocasiões que o poder político se serviu desta nomenclatura para rebaixar, insultar e distratar vários sacerdotes, porque de alguma forma tinham manifestado a sua discordância com as políticas seguidas e defendiam o nosso povo mergulhado na desgraça da pobreza. Ainda hoje, há muito boa gente por aí que sofre desta mesma síndroma. Umas das formas mais fáceis que encontra para fazer valer o seu querer, o seu poder, é diabolizando os comunistas e para desconsiderar algum adversário, considera-o comunista. Basta que se manifeste contra a pobreza e que pergunte reclame que luta que deve se travada politicamente contra esta desgraça social que tomou conta de uma porção enorme da nossa população.
 Estes dois momentos do Papa Francisco são esclarecedores e vêm mostrar que é preciso encetar outros caminhos, outras políticas para que a luta contra pobreza seja feita por toda a sociedade e que ninguém é campeão desta ou de outras causas que digam respeito ao bem comum. 
Por isso, cuidado com o seguinte. O Papa observou que não se vence "o escândalo da pobreza promovendo estratégias de contenção que servem unicamente para transformar os pobres em seres domésticos e inofensivos". Quem reduz os pobres à "passividade", disse, Jesus "os chamaria de hipócritas".  

Sem comentários: