Convite a quem nos visita

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Candeia que vai à frente alumia duas vezes

Mais um dia para reflexão e celebração da luz... Hoje na Igreja de São Roque às 20 horas.
Oitava novena
Novena da Paz
Lá vamos nós nesta viagem com a luz e à procura da luz. Na novena de ontem terminamos com a luz a identificar-se com a esperança. Bem me parecia ter aprendido que a melhor definição para a luz era a de acolhê-la como um anseio. A esperança é um anseio. Por isso, nos tinha dito Manuel Alegre que «Era essa luz que no meio da mágoa e da saudade e das multidões do mundo e do exílio eu trazia dentro de mim, um pequeno astro cintilante que apontava um país azul, uma luz só luz».
Mário Caeiro e Marc Pottier ensaiam coordenar uma iniciativa há vários anos, chamada «Luzboa» Bienal Internacional da Luz. Os dois perguntam-nos: «Qual é o teu sonho?». A resposta radica na luz. Ora vejamos: «- Oferecer a todos a luz, oferecer as estrelas no céu...» Mais adiante, acrescentam: «O meu sonho é sonhar. Como tu, transfigurar a noite, reflectir o dia...». Por isso, «a luz é boa». Porque entendem sair da luz tudo o que desejam e sonham para o mundo das trevas: «que a luz revela, projecta, desenha, surpreende e diz. E que a luz é uma espécie de metáfora-conhecimento, ritual, espiritual, mecânica, lógica e poderosa expressão de que são feitos os sonhos. Qual é o nosso sonho? Luzboa». Também será por isso que a «toda a luz é boa» que os adultos ensinam às crianças que perante a perda pela morte de um familiar estimado (p. ex. o avô, a avó, um tio, um irmão, a mãe ou o pai…) sempre ensinam que aquelas pessoas são agora uma estrela que brilha no céu, coisa que faz as crianças ficarem satisfeitas.  
Num texto de Sara Pina, descobre-se uma palavra fortíssima, mas que para a autora se identifica com a luz, falamos da palavra «eternidade». Pois então, o que é a eternidade? – É o seguinte: «A noite rendilhada de estrelas. Nada mais». Porém, o buraco não é o fim e a eternidade não pode existir na escuridão, por isso, «O buraco sem luz não pode esperar mais. Foram-se as estrelas e nasceu o dia». A luz é o sinal da eternidade. O nosso horizonte é esse, o da eternidade. Pela luz, porque é já sinal do eterno, vamos ao encontro da plenitude e da glória. A esperança, que também significa a luz, tem este horizonte, tem este lugar seguro de que a vida não pode acabar no buraco escuro da morte.
Mais adiante, encontramos um texto extraordinário, escrito pela pena de Luís Sepúlveda, onde conta um episódio curioso do tempo dos Maias, escutemos o curto episódio com atenção: «Nas ruínas da cidade Maia de Chichén erguem-se várias pirâmides orientadas segundo a deslocação solar e, todas elas, têm esculpida uma serpente que desce desde a ponta até à base da construção. Pelo lombo dessa serpente desliza a luz durante centenas de anos e mal esta tocava no chão os Maias davam o dia por começado. Todos os seus afazeres estavam determinados pelo preciso momento em que a luz e a terra se uniam fugazmente. Esse minúsculo momento de união entre o indiscutível, o insaciável, o incorpóreo, a luz, e o mundo, era para eles a única eternidade possível, e assim o certifica o Popol-Vuh, o livro sagrado dos Maias: ‘a luz desce pelas costas da serpente, deixa para trás o já feito, em sombras e ao acender as suas faces indicar-nos-á o que fazer. Assim será até ao fim do tempo, que é o fim da luz’». Esta atenção ao jogo da luz entre a noite e o dia é algo de muito cativante para nós e como os nossos antepassados sabiamente entendiam a vida a partir desse casamento entre a luz e as trevas.
A luz dá sentido ao mundo e às coisas do mundo: «a luz convida a darmos um nome a tudo aquilo que se vê e a soma de todos os nomes resulta na canção da luz». Por isso, não devia existir mal maior no mundo, se todos soubessem conjugar harmoniosamente o jogo da luz e das trevas. Para quem viva na luz não pode fazer mal nem a si próprio nem aos outros, porque na luz «não há lugar para o mal sobre o seu império».
Mas também sabem bem a escuta dos versos de Kenzaburo Oe: «Uns dizem que vimos uma grande luz / mas é mentira / vimos a morte da luz». Os versos rezam assim, porque ressoam do contexto, onde a morte falou alto, muito alto, mesmo que tenha sido sob o efeito de uma grande luz, lembramo-nos de Hiroshima. Pois é, é a memória das trevas que continua neste mundo tão forte como a luz, mas não devia ser assim, claro, se todos os homens quisessem. Sim, quisessem, porque para a luz basta querer, e logo a luz faz-se. Já Nossa Senhora, a Mãe de Jesus, ficou conhecida por essa palavra que ao mesmo tempo significa vontade e luz: Fiat (faça-se) e apareceu o Sol da humanidade inteira, Jesus Cristo.
Outro autor que nos faz reflectir sobre a luz termina o seu texto deste modo. A luz «É o discurso da terra, dos milhares de minerais que se foram formando no decorrer dos milhões de anos, e fazem-nos lembrar que a vida é efémera, frágil e que este planeta é de todos e não somente dos donos do dinheiro. Eu ouvi esse discurso e fi-lo meu, graças à luz que é a voz da vida».
Talvez seja por causa desta forma de pensar e ver a vida que João Lopes, escreveu o nome Luzia, que é o nome dos nomes. Porque, acrescenta: «chamo-te Luzia porque és tu que me trazes o sol de outra galáxia». O sol que embeleza a vida e o mundo. Tudo a partir de um nome se torna realidade autêntica, cheia de esperança e de eternidade. Eis a luz.
Ao terminar ainda vemos a letra suave e poética de Tereza Coelho que nos ensina a cantar Primavera assim: «Primavera, primavera, és linda como haver morte» (não soa bem, mas foi o que aconteceu mesmo e o que a autora nos revelou do seu pensamento), «porque essa frase incluía a luz, a noite, e toda a imensidão possível». No fundo, quer segredar a todos que a vida é esse mistério intocável, que requer de nós o maior respeito e a mais profunda veneração. Porque nem toda a luz é para nós, mas a luz suave do amor pode ser nossa, basta que o interruptor da alma se deixe acender sempre e em cada hora da vida. Mas, apesar de tudo e contra tudo e todos somos, segundo a Alexandra Quadros: «Meninos de luz». E eu quero acreditar que Deus assim nos fez, para ser luz como «candeia que vai à frente aluminando (alumiando) duas vezes»…

Sem comentários: