Convite a quem nos visita

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

A inesperada irresponsabilidade branqueadora

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fez canalizar sobre si mesmo os holofotes da polémica com o discurso proferido esta quarta-feira, 21 de Outubro, durante o Congresso Mundial Sionista, em Jerusalém. Netanyahu acusou o Grande Mufti de Jerusalém durante o período que antecedeu e sucedeu à Segunda Grande Guerra, Haj Amin al-Husseini, de ter inspirado o Holocausto. Por isso, disse o seguinte: «Na altura Hitler não queria exterminar os judeus, ele queria expulsar os judeus. E foi Haj Amin al-Husseini quem disse a Hitler: ‘Se queres expulsá-los eles virão todos para aqui (Palestina)’». Netanyahu acrescentou ainda que al-Husseini terá sugerido a Hitler que deveria «queimá-los».
Este branqueamento é grave, ainda mais sendo feito por um líder judeu. Não me choca que o Primeiro-ministro judeu faça propaganda junto do seu povo para ganhar adeptos para manter o seu conflito com o povo palestiniano, mas que o faça com a verdade, mais ainda se recorre à história para fazer a sua propaganda e, especialmente, a este período negro da história da humanidade.
A alusão que faz ao período do holocausto e ao seu protagonista mor, Adolfo Hitler, com esta ligeireza ofende toda a humanidade e particularmente o seu povo, porque foi ele a principal vítima de Hitler e do seu sanguinário e criminoso regime político. O ódio do passado não pode ser alimento para justificar qualquer espécie de ódio no presente.
Nesta altura o clima de tensão entre palestinianos e israelitas está ao rubro. O Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, sente frequentemente necessidade de justificar a sua política, também ela criminosa e odiosa contra os palestinianos, mesmo que para tal tenha que branquear o ódio de Hitler e canalizar para o povo árabe todos os males do mundo, os presentes e os passados. Não parece ter qualquer valor que procedendo assim ofende a humanidade e manifesta a maior irresponsabilidade como governante.
Não acredito que o Primeiro-ministro desconheça o que foi o holocausto nazi e que não tenha conhecimento de que o genocídio nazi contra os judeus foi parte de um conjunto mais amplo de actos de opressão e de assassinatos em massa cometidos contra vários grupos étnicos, políticos e sociais na Europa. Entre as principais vítimas não-judias do genocídio estão ciganos, poloneses,  comunistas, homossexuais, prisioneiros de guerra soviéticos e deficientes físicos e mentais. A mortandade do genocídio está estimada num total de cerca de 11 milhões de pessoas intencionalmente mortas às ordens do «santo» que Netanyahu agora pretende beatificar.
O mundo anda esquisito e a humanidade ao invés de avançar, parece regredir. Aos líderes políticos, exige-se que se concentrem na promoção da paz e que nenhum interesse geoestratégico justifique branqueamentos irresponsáveis. Espero, porém, que os povos se mantenham serenos e que democraticamente sejam sábios, aplicando democraticamente o devido correctivo à ligeireza dos seus governantes.

Sem comentários: