Convite a quem nos visita

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Conto de Natal

Muito bonito. Um conto a não perder e ajuda-nos a viver o verdadeiro espírito do natal. Por favor carreguem o conto por AQUI
Frase final do conto: «Gostei tanto de conhecer José e Maria e adorei ajudar Jesus, o Filho de Deus a nascer… Tive a sorte de tê-lo ao colo e de brincar com ele. Havemos de nos reencontrar e tenho a certeza que seremos grandes amigos».
O Papa Francisco há um mês alertou para o seguinte sobre o Natal: «Jesus chora também hoje porque nós preferimos o caminho da guerra, do ódio, da inimizade. Estamos perto do Natal: haverá luzes, festas, árvores iluminadas, presépios, mas é tudo falso: o mundo continua em guerra, a fazer as guerras, não compreendeu o caminho da paz... O que fica de uma guerra, desta como a que estamos agora a viver? Ruínas, milhares de crianças sem educação, tantos mortos inocentes, tantos, e muito dinheiro nos bolsos dos traficantes de armas». De facto, se o Natal não muda o mundo, não converte a humanidade e não faz surgirem atitudes que ponham fim à guerra, tudo não passa disso mesmo: luzes, presépios, árvores, flores, música, bebidas e comida... Façamos do Natal um verdadeiro acontecimento, porque nos converte para a militância na construção da justiça e ao respeito pela natureza, pelos outros e pelo bem destinado a todos os seres humanos. 
Hoje é o Dia Internacional das Migrações, ou Dia Internacional do Migrante. O que é o Migrante? - É considerado migrante a pessoa que:
- é forçada a deixar o seu país ou que o faz voluntariamente;
- procura uma vida melhor ou uma vida diferente;
- possui autorização de residência num determinado país;
- vive na clandestinidade.
O país e povo que não tem disto que atire a primeira pedra contra os milhares ou milhões de deslocados (refugiados, emigrantes, imigrantes, migrantes e todas as pessoas que se veem forçadas a ter que deixar a sua terra, a sua casa, a sua família) por esse mundo fora? - A mensagem da estupidez contra esta calamidade continua de forma tão forte e viva que nos deixa perplexos. A família de Belém também tive logo no início de se deslocar da sua terra para fugir à fúria malévola do sanguinário Herodes. Não sejamos os Herodes dos tempos de hoje... 

Sem comentários: