Convite a quem nos visita

sexta-feira, 1 de julho de 2016

As prioridades e o essencial continuam doentes na nossa terra

A tarde estava airosa embora a humidade estivesse presente como acontece com muita frequência nestas alturas do ano no Funchal. É precisamente nessa última tarde de junho que subo o monte até ao hospital do Marmeleiros.
Primeiro embate negativo, não pode entrar com o carro. Onde deixo o carro, fora, responde com funcionário porteiro com voz seca e grossa. Procuro estacionamento fora, há carros parados por todo o lado, há um caos vergonhoso que atrapalha a circulação dos outros carros com outros destinos que não o hospital. Repentinamente, uma boa alma vai sair, apresso-me e tomo o lugar deixado vago, mesmo ali junto à entrada do hospital. É melhor era impossível face ao dramático caos. Metade do meu carro em cima do passeio a outra metade na estrada. Um obstáculo que acabo de deixar perigosamente num canto que devia estar livre para a circulação de peões e para os outros veículos. Obedeci e fiz o que me mandaram.
Lá vou eu preocupado, visitar uma pessoa doente. Antes de entrar deparo-me com um descampado logo na parte frontal do hospital que seguramente chegaria para estacionar uma boa porção de carros que estavam estacionados caoticamente fora do hospital.
É hora de vislumbrar a paisagem que a localização do hospital dos Marmeleiros nos proporciona sobre o Funchal. Há um navio de cruzeiro encostado no Porto, as casas brancas anunciam uma paz sem fingimento que nos retempera a alma e faz sorrir com tamanha beleza.
Depois da hora do assombro divino que os olhos contemplaram, temos que entrar e vamos nós à procura de quem desejamos ver e quem almeja uma palavra de saudação, de esperança e de consolo. Nada é mais importante para que passa pela experiência da convalescença.  
Entramos logo até ao hall onde está alguém cheio de simpatia, que logo que se apercebe da nossa condição, dá-nos livre trânsito ao contrário do impacto inicial negativo que a voz grossa e seca revelou.
Depois de termos sido alimentados pelo deslumbrante abraço da paisagem, vamos percebo que a visão agora revela outra coisa menos simpática, os cheiros agora também são outros, as paredes estão carregadas de humidade, há homens e mulheres com batas brancas e outro pessoal, que suponho ser auxiliar imprescindível para os doentes, na limpeza e na alimentação. Porém, vê-se outros, penso, serem visitantes que circulam pelas escadas e corredores. O caos de carros à volta do hospital dos Marmeleiros é bem revelador do ambiente que vamos encontrando dentro. Obviamente, que há várias pessoas aparentando serem doentes, com elas os apetrechos dos hospitais e um ambiente geral de tristeza e sofrimento.
Eis que chego ao andar e à sala onde jaz doente a pessoa que venho visitar. Não gosto do cheio, não gosto de quase nada que vou vendo. Mesmo que reconheça o esforço que deve estar ali estampado para que esteja limpo e as pessoas tenham alguma dignidade. Por isso, nunca se afasta de mim o pensamento, aqui estão os nossos espelhos.
Hoje dia 1 de julho dia da Autonomia, que há muito anda perdida, seria bom pensar o essencial para os madeirenses. A saúde e o bom ambiente nos nossos hospitais deviam ser essenciais para todos os madeirenses. Mas, não está sendo, só será para cada um, provavelmente, quando seja tomado pela fatalidade da doença. Essencial para os madeirenses, ainda continua a ser as festas, as marchas populares, a animação musical dos arraiais (este ano com uma abundância de cantores famosos como nunca se viu e a fortuna que isto não deve implicar!), os foguetes, as barracas com comes e bebes e toda a parafernália que vai fazendo cegar o pensamento, que inebria por alguns momentos, mas passado o efeito levamos com a paisagem desoladora do sistema de saúde que temos. É triste que baste ao madeirense apenas circo.
É grave que assim seja. É grave que o mau ambiente nos lugares onde se trata da saúde, não encontre mais militância empenhada na sua transformação. Por isso, as prioridades andam sempre invertidas. É melhor betão armado para a festa e música no circo constante. O hospital ter bom ambiente fora e dentro, nos corredores, nas salas onde estão os doentes e paredes frescas e cuidadas pouco ou nada importa… É intolerável, as paredes estarem sujas, cheias de humidade, portas e cantos dos corredores escabeçados e riscados pelo uso sem que ninguém procure manutenção frequente. Já cansa termos que lembrar o que não lembra ao diabo, haver máquinas necessárias para o tratamento dos doentes que não funcionam, pessoal desavindo uns contra os outros dentro do sistema de saúde, listas de espera que duram anos e anos, perigos de transmissão de doenças porque falta material, a medicação adequada e detergentes desinfetantes... Tantas vezes penso, porquê tanta gritaria por um novo hospital, se não sabemos cuidar e gerir convenientemente aqueles que temos agora?
Faz falta responsabilidade quanto às prioridades da parte de quem tem responsabilidade, mas faz falta também a consciência a um povo que devia há muito ter aprendido o que é o essencial. Neste domínio falta-nos ainda muito para crescermos e sermos um povo verdadeiramente militante na luta pelos seus direitos e menos embriagado pelas festas e festanças. Também muito menos iremos a onde se deseja com propaganda, muita propaganda.

Sem comentários: