Convite a quem nos visita

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

A perseguição ilógica e desmedida mostrou as garras

1. Os famigerados cartazes anónimos espalhados em Roma com dizeres como este: «Francisco, interditaste congregações, afastaste sacerdotes, decapitaste a Ordem de Malta e os franciscanos da Imaculada, ignoraste cardeais... Mas onde está a tua misericórdia?», coisa que se suspeita ter vindo de sectores conservadores do interior do Vaticano. Lembram-se da razão principal que levou à renúncia de Bento XVI, que se sentia impotente perante as guerras internas, os «corvos» do Vaticano e os negócios obscuros a que não conseguiu pôr termo. Daí que em 2005, ainda cardeal, dissesse: «tanta sujidade na igreja e entre os que, pelo sacerdócio, deviam estar entregues ao redentor! quanta soberba!». Assim, qualquer Papa, pelo que se vai vendo, está sempre rodeado de «corvos e lobos».

2. Face ao exposto, volto afirmar o que já disse sobre os cartazes contra o Papa Francisco, são até agora a melhor homenagem que os integristas e fundamentalistas católicos fazem ao Papa Francisco... Ainda bem que se lembraram disto. Assim se prova que a «luta» contra o racismo e a xenofobia vale a pena e que a «igreja exclusivista» tem os dias contados. Assim, resta dizer, coragem Papa Francisco, vencerás e a maioria da Igreja Católica em todo o mundo está contigo. Só me falta lembrar Mateus 5, 11- 12: «Bem-aventurados sereis, quando, por minha causa, vos insultarem, vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Alegrai-vos e exultai, porque é grande nos Céus a vossa recompensa. Pois assim perseguiram os profetas antes de vós».

3. Neste mesmo contexto gostaria também de pensar escrevendo aqui no Banquete alguma reflexão sobre o que fizeram à «pobre» Irmã Lucía Caram, uma religiosa espanhola que num programa de televisão se pronunciou sobre a relação de Maria e São José neste teor: «Acredito que Maria estava apaixonada por José. Acredito que eram um casal normal», disse quando questionada acerca da questão da virgindade de Maria, «um conto infantil que não é actualizado» nas palavras do apresentador do programa Chester in Love, do canal Cuatro, Risto Mejide. «Tinham sexo?», pergunta o anfitrião. «Bem, se digo que sim, caem-me todos em cima. Acho que é uma coisa normal num casal», defendeu, salientando que sabe que é uma questão «difícil de entender, de acreditar».

4. O mal entendido foi tanto que a freira recebeu ameaças de morte, foi repreendida pelo bispo de Vic e teve de pedir desculpas e esclarecer o que queria dizer. Já na ocasião da entrevista a religiosa fez notar que podia ser mal entendida, pelo que evitou falar abertamente sobre a Virgindade de Maria, a Mãe de Jesus. Sofreu toda a sorte de insultos nas redes sociais do mundo, especialmente na Espanha, onde circula uma petição para que ela seja afastada da sua ordem. A manchete de um site conservador espanhol evoca os tempos de péssima memória da inquisição: «A dominicana Lucía Caram blasfema contra a Virgem Maria». O assunto mereceu uma reportagem do jornal britânico The Guardian.

5. Simpatizei com esta irmã. E daqui expresso a minha solidariedade. Merece respeito pela coragem e pela visão lúcida e desempoeirada que manifestou. Maria quanto mais humanada mais virgem e mais pura ainda. As ameaças terríveis que fizeram contra a irmã são do pior que tenho visto nos últimos anos dentro da Igreja Católica. Não pode de forma nenhuma quem tem fé em Maria, a senhora da paz e do amor incondicional por Jesus, chegar ao ponto de ameaçar de morte quem pensa diferente, quem apresenta uma visão sobre a virgindade de Maria mais de acordo com a sua humanidade. Daqui proclamo, brava irmã e continue firme com as suas convicções. Jesus veio para confundir os fortes, defendendo os fracos, a verdade, a humanidade e o amor. Nós, seus discípulos, também devemos fazer o mesmo, se a verdade que anunciamos confunde, então, estamos no caminho de Deus.

6. Este episódio, está inserido no contexto da avalanche moralizadora dos últimos tempos, que tem como um de seus pontos culminantes a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos com o discurso do fechamento e de «primeiro a América» e a «supremacia cristã». Um discurso que agrada sobremaneira os interesses da ala conservadora ortodoxa da Igreja Católica, acicatada com as posições reformistas do Papa Francisco. A perseguição contra a Irmã Lucía e contra o Papa advêm desse folgo entusiasmado desses que imploram misericórdia, porque os seus interesses egoístas estão a ser beliscados.

7. A irmã Caram mexeu num canto empoeirado e escuro da Igreja Católica e do cristianismo conservador, ela foi sal, causou incómodo a ponto de sofrer reacções como as ameaças de morte. O dogma da «virgindade eterna» de Maria, mãe de Jesus, é insustentável à luz dos Evangelhos, porque pouco falam nisso e a sua construção ao longo da história da Igreja tem pouco de teológica e muito de ideológica. Mais ainda se considerarmos que as pessoas cresceram e que não são estúpidas. Todos estes que se sentem ofendidos e «confundidos» como gostam de contra atacar não param para pensar, não reflectem, não lêem a realidade, não escutam o pulsar e pensar dos tempos de hoje e atacam só porque sim.

8. Os Evangelhos não demonstram ser essencial a virgindade ou a «pureza» de Maria. Maria é bem-aventurada porque escutou a palavra de Deus e a viveu intensamente. O próprio Jesus atesta essa realidade. Jesus está sempre contra a marginalização da mulher, contra o paternalismo, afirmando constantemente a paternidade e maternidade Deus. A virgindade ou pureza de Maria está mais que assegurada quanto à grandeza e nobreza daquilo que Deus faz perpassar por Ela, a geração do Seu Filho, o Salvador da Humanidade. Por isso, a virgindade ou pureza de Maria, não deve ser assim uma questão que sendo contestada nos tire do sério e nos faça perder a cabeça. Por fim, tudo isto, tristemente, revela, que uma boa porção da Igreja Católica vive obcecada pelo sexo, ou porque existe ou porque não existe. É preciso purificar a alma e começar a gastar o tempo e as energias com o essencial da fé, que deve ser sempre e para sempre, a Pessoa de Jesus Cristo, Deus Pai e Mãe e a acção do Espírito Santo, que está em tudo e em todos. Os ventos de Deus são imparáveis e nunca podem ser segurados por nenhuma mão. 

Sem comentários: