Convite a quem nos visita

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Pai e Mãe, acordem enquanto é tempo

Encontrei esta mensagem para os pais num blogue chamado "Quiosque Digital". Deixo aqui no Banquete da Palavra esta mensagem/alerta para que os pais comecem a ver com mais atenção cada momento da vida dos seus filhos. Como se enganam os pais que acham que podem contentar, calar, satisfazer ou simplesmente deixar fora das suas vidas as crianças com a abundância de coisas materiais. É por causa desta mensagem que noto que está a emergir uma geração nova, que começa a valorizar "coisas" que até agora os pais consideravam serem desnecessárias. Encontro crianças que apreciam ir à missa, os seus pais não. Outras vão à catequese porque batem o pé contra a "falta de pachorra" dos seus pais. Sei de criança que fazem anualmente uma escolha nos seus brinquedos e nas suas roupas para partilhar com as crianças mais pobres... Por aqui, se vê que os verdadeiros bens estão a ser reclamados pelas novas gerações. Este "Sinal dos Tempos" pode ser ainda muito ténue, mas é um sinal que começar por hora a fazer o seu caminho e estou seguro que promete uma geração que no futuro irá valorizar mais o ser do que o ter. 

É muito IMPORTANTE que todos os Pais e Mães leiam isto!
Era quarta-feira, 8:00 h. Cheguei a tempo à escola do meu filho –“Não se esqueçam de vir à reunião de amanhã, é obrigatória!” – Foi o que a professora disse no dia anterior.
-“O que é que esta professora pensa! … Acha que podemos dispor facilmente do tempo que ela quer? … Se ela soubesse o quanto era importante a reunião que eu tinha às 8:30 h” … Dela dependia uma boa negociação e tive que a cancelar!
Lá estávamos nós, mães e pais, e a professora.
Começou a tempo, agradeceu a nossa presença e começou a falar. Não me lembro o que ela dizia, a minha mente estava a pensar como iria resolver aquele negócio tão importante, já me imaginava a comprar uma televisão nova com o dinheiro.
“João Rodrigues!” – escutei ao longe – “Não está o pai do João?” – diz a professora.
“Sim, eu estou aqui” – contestei ao ir receber o boletim escolar do meu filho.
Voltei pro meu lugar e disse ao abrir o boletim … “Foi para isto que eu vim … o que é isto???”
O boletim estava cheio de seis e sete. Guardei rapidamente, para que ninguém pudesse ver como se tinha saído o meu filho.
De volta para casa, aumentava ainda mais a minha raiva, cada vez que pensava:
“Mas, se eu lhe dou tudo, não lhe tem faltado nada! … Agora ele vai ver!” Cheguei, entrei em casa, fechei a porta com uma forte batida e gritei: “Vem aqui, João!”
João estava no quintal, correu para abraçar-me … “Papá!”
– “Nada de papá!” Afastei-o de mim, tirei o meu cinturão e não me lembro quantas vezes bati ao mesmo tempo que falava o que pensava dele.
– “Agora vai para o teu quarto!”
João foi a chorar, a sua face estava vermelha e a sua boca tremia.
A minha esposa não falou nada, só mexeu a cabeça num gesto de negação e entrou na cozinha.
Quando fui para cama, mais tranquilo, a minha esposa entregou-me o boletim do João, que tinha ficado dentro do meu casaco, e disse:
– “Lê devagar e depois pensa numa decisão …”
No início estava escrito: BOLETIM DO PAPÁ.
Pelo tempo que o teu pai dedica a conversar contigo antes de dormir: 6
Pelo tempo que o teu pai dedica a brincar contigo: 6
Pelo tempo que o teu pai dedica a ajudar-te com as tarefas: 6
Pelo tempo que o teu pai dedica para levar-te a passear com a família: 7
Pelo tempo que o teu pai dedica para ler-te um livro antes de dormir: 6
Pelo tempo que o teu pai dedica para abraçar-te e beijar-te: 6
Pelo tempo que o teu pai dedica para assistir à televisão contigo: 7
Pelo tempo que o teu pai dedica para escutar as tuas dúvidas ou problemas: 6
Pelo tempo que teu o pai dedica para ensinar-te coisas: 7
Média: 6,22.
As crianças tinham qualificado os seus pais. O meu filho deu-me 6 e 7 (sinceramente eu merecia 5 ou menos).
Levantei-me e corri para o quarto dele, abracei-o e chorei.
Queria poder voltar atrás no tempo … mas isso não já não era possível.
João abriu os olhos, ainda com os olhos inchados pelas lágrimas, sorriu, abraçou-me e disse:
– “Eu amo-te papá!” … Fechou os olhos e dormiu.
ACORDEM PAIS!
Aprendam a dar o valor certo àquilo que é mais importante em relação aos vossos filhos, já que disso depende o sucesso ou fracasso nas suas vidas.
Já pensou qual seria a ‘nota’ que o seu filho lhe daria hoje?
Autor desconhecido

Sem comentários: