Convite a quem nos visita

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Sal e luz para o mundo

Comentário para a missa deste domingo V Tempo Comum... Pode servir para quem vai habitualmente à missa e não só.
1. A metáfora do sal e da luz, aplicada à vida cristã, é muito interessante e faz-nos reflectir sobre a nossa missão no mundo. Já sabemos que a religião de Jesus não é uma religião de meias medidas e meios-termos, ou é tudo ou é nada. Ora, mas nem sempre o nosso coração está predisposto para acolher essa radicalidade e nem sempre o nosso entendimento é capaz de enquadrar na vida esta frontalidade de valores que Jesus nos propõe, para sermos a luz que brilha na escuridão do mundo e o sal que dá sabor a toda a vida. E como faz o seu caminho a propensão diabólica do egoísmo tomando conta da alma e da vida das pessoas.

2. Segundo a mensagem que Jesus nos quer transmitir somos desafiados a viver profundamente a radicalidade do serviço aos outros, não importando nada as manias, os pensamentos, as vivências e as opções que cada um acolhe na vida nem muito menos a condição social de cada pessoa.

3. Nunca foi fácil conseguir as coisas boas da vida. E todos sabemos que aquelas coisas que são mais difíceis de conseguir são as mais saborosas. Os estudantes sabem que as notas melhores foram as que deram mais trabalho e mais empenho no estudo; as mães sabem que a criança que carregam nos braços causou muito sofrimento, mas não deixam de mostrar essa dádiva com um sorriso nos lábios; a cura de uma doença ao fim de muito dinheiro gasto e de tratamentos dolorosos é algo que se partilha com prazer; o atleta que depois de chegar à meta ostenta com alegria o trofeu que ganhou, sabe que isto não é resultado da preguiça, mas de muito trabalho e de muito cansaço. O Cristiano Ronaldo para ser o melhor do mundo, dizem ser uma pessoa incansável nos treinos diários que realiza e que os faz a dobrar (se lhe pedem duas horas ele faz quatro) e mais ainda dizem ter uma vontade enorme de vencer que supera a sua humanidade. Estes exemplos são modelares e podem levar-nos a deduzir que tudo o que é difícil, é sempre muito saboroso no fim quando tudo está terminado.

4. As condicionantes não podem ser regra para viver o reino de Deus. Cada um é chamado a viver profundamente esta proximidade com desprendimento, honestidade e desinteresse.

5. A causa do reino de Deus é a regra principal da vida cristã e diante dessa regra não podem subsistir meias palavras e meias medidas. Jesus ensina-nos que este caminho é o mais seguro para a vida. Esta verdade é muito certa, porque uma pessoa quando não sabe viver senão no ódio e no rancor contra os outros é uma pessoa profundamente triste e sem sabor. Por isso, aqueles lugares onde a injustiça, a competição desmedida entre colegas/amigos são o pão de cada dia, tudo desmorona e vive-se um ambiente pouco saudável e aí está uma atmosfera de revolta inevitável.

6. Perante a Igreja que somos, cristãos baptizados, o Papa Francisco ensina que, «O carácter missionário da Igreja não é proselitismo, mas testemunho de vida que ilumina o caminho, que traz esperança e amor. A Igreja – repito uma vez mais – não é uma organização assistencial, uma empresa, uma Organização Não Governamental (ONG); é uma comunidade de pessoas que, animadas pela acção do Espírito Santo, viveram e vivem o espanto do encontro com Jesus Cristo, desejando partilhar esta experiência de profunda alegria, partilhar a Mensagem da salvação que o Senhor nos trouxe. É o próprio Espírito Santo que guia a Igreja neste caminho. Queria a todos encorajar a tornarem-se anunciadores da Boa Notícia de Cristo». 

7. Que Deus nos abençoe sempre com o dom da felicidade com o que somos e o que temos.

Sem comentários: