Convite a quem nos visita

terça-feira, 4 de abril de 2017

A violência em alguns jogos de futebol

1. A violência no desporto, particularmente, no futebol, está relacionada com drogas e álcool. Mas a formação de gangues, que na gíria desportiva chamam de claques, têm levado a cabo uma série de ocorrências violentas, porque se apresentam bem treinados para praticar o vandalismo, usam armas brancas e de fogo como se fossem movimentos militarizados para travar sérias batalhas em combate. Tudo isto é seriamente perigoso.

2. Nos últimos dias fomos sobressaltados com uma série de acontecimentos relacionados com a violência no futebol. As imagens antes e depois do jogo entre o Benfica e o Porto no último domingo (02/04/2017), não são bonitas e mostraram como está totalmente desvirtuado o fim a que se destina a festa do futebol. As outras imagens no mesmo dia do jogador do Canelas ao árbitro da partida entre Sport Rio Tinto e Canelas 2010, também são indignas, um péssimo exemplo para as crianças e os jovens e são uma clara evidência da distorção daquilo que não faz parte do desporto, especialmente, o futebol.

3. A agressividade bélica das imagens que o futebol frequentemente nos vai presenteando, resulta do machismo, das drogas, do uso cada vez mais banal de armas. Tendo em conta este cenário são precisas políticas de prevenção e de repressão. Mas atenção, é necessário legislação e ação enérgica, mas que não seja reduzida a pura repressão, porque quando tal acontece, vamos ter as forças da ordem envolvidas ao nível da mesma medida da violência que tais gangues cometem. A seguir são os polícias que estarão em maus lençóis e terão de responder perante a justiça.

4. Estou convencido que não adiantará proibir pura e simplesmente os gangues no futebol, porque vamos ter depois ainda mais grupos de marginalizados. Se fosse para acabar com tudo o que descamba ficaríamos com pouca coisa, até mesmo instituições relacionadas com a família, saúde, educação e o funcionamento básico da sociedade em geral. Vai daí é preciso implementar um maior controle sobre os membros das claques e não deixar nenhum prevaricador impune como tem acontecido muitas vezes. A impunidade não é boa conselheira, é preciso acabar definitivamente com ela em nome da segurança e do bom nome do desporto que nasceu para entreter e proporcionar a festa.

5. Podemos ter em conta três medidas importantes para levarmos a cabo um combate certeiro com esta onde de violência no desporto (futebol): a) educação na família, na escola e nas várias instituições desportivas; b) a prevenção deve estar na mente das autoridades desportivas e não só, todos juntos devem procurar todas as formas e métodos que evitem ao máximo o vandalismo e a violência das claques quando há jogos; c) e, finalmente, o recurso à repressão, isto é, as leis devem existir e devem ser claras, quem não cumpra as regras deve ser obrigado a tal, mas com a devida medida para que não se dê a ideia de que se está a responder à violência com mais violência. Tudo isto deve ser conjugado e deve obedecer a prazos longos, médios e curtos, mas integrados, permanentemente e envolvido ao máximo no modus vivendo da realidade concreta dos locais onde se desenvolvem os jogos. Não devem nunca faltar criatividade e surpresa, aspetos muito importantes na segurança quando envolve enchentes de espetadores como tem sido o caso dos jogos de futebol. Antes que seja tarde, é preciso agir à medida e convenientemente contra a violência no futebol.

6. Este ambiente de violência mancha o futebol português, é o mau exemplo que se passa às crianças e aos jovens, mas também as imagens correndo o mundo e vão ditando as sentenças da opinião pública universal acerca do que somos e como somos até a jogar à bola. 

Sem comentários: