Convite a quem nos visita

segunda-feira, 22 de maio de 2017

A noite escura do clero

1. Há monumentos enormes que assumiram a sua «noite escura». Este assunto surgiu-me perante notícias cada vez mais frequentes sobre a depressão e consequente suicídio de sacerdotes, particularmente, na Igreja Católica do Brasil, embora também estejam a surgir alguns casos em outras partes do mundo. Na Itália chamam a este sinal dos tempos: «O sindroma do Bom Samaritano desiludido».

2. Só deixo de parte alguns exemplos bíblicos (São Paulo e São João Evangelista) e da história do Cristianismo (São Tomás e Santo Agostinho), por motivos de espaço. Por isso, vou rebuscar São João da Cruz, figura incontornável do séc. XVI, com a sua «Noite Escura da Alma». Um magnífico poema sobre a inquietação da alma que procura ansiosa o gozo de Deus. Deste tempo também há uma outro exemplo muito sugestivo, Santa Teresa de Ávila, que nos seus vários escritos, também expressou misticamente os seus encontros e desencontros com a divindade. No ressoar de presenças e ausências, na hora morte exclamou: «Chegou o momento de vermos, meu bem amado Senhor». A par desta enorme mulher, destaque-se também Santa Teresa do Menino Jesus (Lisieux), que também fez eco da presença e ausência de Deus com a sua «História de uma alma».

3. «A depressão do altar», como se tem vindo a chamar esta leva de depressões entre o clero, começa a preocupar a Igreja Católica e neste momento são mais a perguntas do que a respostas. Alguns psicólogos começam a estudar os casos de suicídio que já aconteceram. A título de exemplo, diz o psicólogo Enio Pinto, autor do livro «Os Padres em Psicoterapia» (editora Ideias e Letras): «A vida religiosa não dá superpoderes aos padres. Pelo contrário. Eles são tão falíveis quanto qualquer um de nós». No fundo, serve esta afirmação para dizer que a vida sacerdotal hoje esvaziou-se do clericalismo do passado que marcava a agenda e a vida das pessoas em geral, a formação do clero em termos académicos alterou-se profundamente, adaptando-se ao modus universitário em vigor na generalidade das universidades, mas a vida espiritual e comunitária dos futuros padres continua globalmente mais ou menos sem alteração, embora se fale muito em família, unidade e comunhão para cima e para baixo, mas na prática estes valores só funcionam quando interessam aos poderes.

4. Vivemos um tempo em que a generalidade das instituições converteram em domínios obscuros, que toleram as pessoas só porque são necessárias, basta repararmos no futebol, um poderio que tem pessoas porque são necessárias, mas a generalidades dos domínios humanos também estão assim. Precisam das pessoas até certa medida, se fosse possível dispensá-las seria para já.

5. No domínio do stress que conduz à depressão um outro psicólogo afirma: «O grau de exigência da Igreja é muito grande. Espera-se que o padre seja, no mínimo, modelo de virtude e santidade», afirma o psicólogo William Pereira, autor do livro «Sofrimento Psíquico dos Presbíteros» (editora Vozes). Por conseguinte, o padre hoje tornou-se o «funcionário» do «supermercado» religioso em que as sociedades actuais converteram as igrejas e, particularmente, as paróquias. Nesse âmbito, poucos reparam ou sequer lhes interessa que os padres estejam tristes, cansados ou doentes. Os padres têm que estar à disposição 24 horas por dia, sete dias por semana e todos os dias do ano, para que não lhes falte o serviço quando se dirijem ao «supermercado» religioso.

6. Por fim, falta perceber o mínimo, em nenhum campo da vida humana, mesmo até nas mais pretensamente saudáveis, pessoas, tristes, cansada e doentes, sem amor próprio e com a sua auto estima bem integrada, estarão aptas para cumprir a sua missão e realizar com alegria as tarefas que lhes compete fazer pelo bem de todos.

1 comentário:

Manuel Ferreira disse...

SINTO PROFUNDA TRISTEZA AO LER ESTA TRAGÉDIA. TALVEZ MUITOS DE NÓS,COM O SILENCIO FRIO, COM A INGRATIDÃO GELADA,COM A FÚRIA DA INVEJA.....CONTRIBUI MOS PARA ESTES SUICÍDIOS.....NESTA SOCIEDADE DO VALE TUDO,ONDE AS INSTITUICÕES TAMBÉM SOFREM. APETECE-ME DIZER BASTA.TEMOS TODOS QUE RENASCER....RECOLOCAR A NOSSA IGREJA NO PLANO SUPERIOR, CIVILIZADOR,A LANTERNA QUE VAI HÁ FRENTE, ABRINDO CAMINHOS.....HOJE TUDO SE QUESTIONA, TANTO RACIONALISMO.... QUE ACABAMOS NUM VÁCUO PROFUNDO IRRACIONAL,VAMOS TODOS RENASCER,CRIAR UTOPIAS,ATÉ CHEGARMOS A DEUS,......TODO O CLERO TEM DE MERECER O NOSSO PROFUNDO RESPEITO E APOIO ,TEMOS TODOS QUE INTERIORIZAR A VOCAÇÃO DUM SACERDOTE,A ENTREGA TOTAL HÁ COMUNIDADE..... QUE APESAR DO EXCESSO DE TRABALHO...MUITAS VEZES SOFREM NA MAIS PROFUNDA SOLIDÃO......TANTAS VICISSITUDES, TANTOS DESAFIOS ........CRISTO DESAFIOU-NOS COM O CALVÁRIO.....E NA CRUZ AS SUAS PALAVRAS SÃO AS NOSSAS INTERROGAÇÕES.......PAI PORQUE ME ABANDONASTE??????A TODOS OS SACERDOTES HUMILDEMENTE SE ME PERMITEM EU VOS PEÇO. NÃO DESISTEM...O MUNDO ABANDONADO, Á DERIVA. PRECISA DE VÓS......PARA NO ALTAR DAS IGREJAS, NAS ESTADAS DAS NOSSAS VIDAS...ERGUEREM BEM ALTO A SANTA EUCARISTIA...E NO MAIS PROFUNDO SILENCIO, POSSAMOS, OUVIR AS PALAVRAS, SENTIR A DOR, DE CRISTO NA CRUZ .......AGRADECER E PEDIR,SEMPRE..... QUE AS NOSSAS LÁGRIMAS SALGADAS CORRENDO PELA NOSSAS FACES,VENHAM SEMPRE COM O TEU PERDÃO SENHOR... E COM UM ABRAÇO DE AMOR....... COM OS DONS DO ESPÍRITO SANTO VALE A PENA CONTINUAR .....ALELUIA.