Convite a quem nos visita

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

o mês de Abril fecha a porta para que se abra a porta de Maio, o mês mais emotivo do ano. Não sei porquê, mas Maio toca-me como uma ternura de um pai e como um olhar sempre atento de uma mãe. Maio para mim é paterno e materno como Deus. Curioso que as informações sobre o mês de Maio nos digam que  "o seu nome é derivado da deusa romana Bona Dea", que era a deusa da fertilidade e da virgindade. Maio promete-nos logo a abrir a figura de São José, operário e Nossa Senhora de Fátima quase no meio dos 31 dias que o compõem. Nele celebra-se logo no início, a dignidade do trabalho e do trabalhador, depois a maternidade e todas as mulheres que são mães. Por causa disso tudo, o mês inteiro é tratado como "mês do coração". Daí fazer algum sentido sentirmos que este mês tem dois abraços, um materno e outro paterno. Vamos lá receber Maio com alegria e vivê-lo com o entusiasmo deste ditado popular: mês de Maio, mês das flores, mês de Maria, mês dos amores. 

domingo, 29 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

só pelo amor é que nos salvaremos. Não há alternativa a isso. Porque nenhum caminho pode ser feito sem esse condimento. A metáfora da cepa com os seus ramos é bem elucidativa. Está lá na profundidade da terra onde se alimenta de todas propriedades necessárias à vida que irão alimentar os ramos, para que estes misteriosamente rebentem anunciando os frutos e a saborosa colheita. Nós somos esses ramos que se alimentam de vida e que bebem da fonte o dom do amor, para que nunca falte a vontade e todas as forças, para que os frutos estejam aí ao serviço da existência feliz para todos. Sejamos conscientes da responsabilidade que temos na produção dos frutos do amor, que são: a paz, a responsabilidade no cumprimento dos deveres, desenvolver a capacidade para perdoar, a tolerância, a inclusão dos que ficaram para trás, a paciência e o perdão inteligentes, a verdadeira liberdade, a participação no bem comum e na justiça... Estes são apenas alguns frutos que podem fazer a diferença e fazer sorrir o mundo. Não deixemos por mãos alheias esta nossa missão. Porque, querer e amar, eis a questão. 

sábado, 28 de abril de 2018

Regresso à ilha criadora

Ao sétimo dia
28 Abril de 2018
Era uma vez uma ilha 
sentada soberana sobre as águas
que os segredos milenares 
da criação lavaram pacientemente
pedra a pedra quebradiças 
quando foram desprendidas dos montes e vales 
do meu coração nascido ilhéu para sempre.

Era essa mesma ilha,
mãe fecunda que me deu a luz e o lugar
dos passos em volta das histórias
contadas sobre os degraus da sabedoria antiga
que o olhar envelhecido daquele homem 
desvelava apenas em um sorriso terno
nas tardes de Domingo quando se juntam 
as inocentes crianças para brincarem.

Era também o meu mundo numa ilha
que nos dias frios e chuvosos
obrigavam ao recolhimento de todos
debaixo dos telhados da existência,
que parecendo tão monótona 
sonhava com outro tempo e outra luz,
 cortada cerce pela faca em pedaços um a um
partilhado como pão de amor pelas mãos de uma mãe. 
JLR

Vamos rezar juntos

os sinais auguram tempos novos. Nós na crista destes tempos, devemos estar disponíveis para acolher com amor tudo o que venha. Para já devemos não permitir o medo e a angústia porque nos escapa o que vem aí. O pior para o devir da história é que não manifestemos abertura e discernimento para acolher o novo. Se nos deixamos sufocar pela inquietação e pelos medos, dificilmente não cairemos na desordem e seremos agentes que semeiam o mal perante a alegria da esperança, que o espírito do tempo sempre deseja fazer acontecer no coração solícito a todas as novidades da história do mundo e da humanidade. Deixemo-nos conduzir pelo espírito do tempo com alegria e com o entusiasmo dos corajosos que não receiam o futuro. Na liberdade, reavivamos a esperança na vida nova que o espírito do tempo vai geminar. 

sexta-feira, 27 de abril de 2018

O tempo e o modo em nome da paz no mundo

Só o tempo é que nos vai provar da sinceridade destas imagens... Em todo o caso, é uma felicidade que em nome da paz, a prosperidade dos povos e a segurança mundial, estes gestos aconteçam. Desejemos o melhor para o mundo e que as intenções humanas convirjam para este bem.


Vamos rezar juntos

precisamos de ser luz. Para que tal aconteça temos que ser já aqui e agora a luz. Nesse sentido, temos que estar acima de tudo aquilo que é sombra e trevas ainda no mundo. O egoísmo. A violência. A desordem. A falta de espírito verdadeiramente humano. A falta de fraternidade… entre tantas outras sombras que massacram a gente e tanta gente por esse mundo fora. Fomos criados como reflexo da luz que Deus é. Esta luz brilha em Jesus Cristo, que proclama «Quem me vê, vê o Pai». Esta certeza foi e é presença algumas vezes em tantas situações deste mundo e da nossa vida em concreto. No olhar atento aos mais fracos. Nas mãos que curam e limpam. No engenho e criatividade que inventa tantas e tantas formas para minorar o sofrimento e a desgraça alheia. Não nos esqueçamos destas tarefas essenciais para fazerem sorrir a vida em cada dia.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

A inspiração da metáfora da vinha

Pão quente da Palavra para este domingo V do Tempo Pascal...
O desafio é esse mesmo, que sejamos capazes de fazer frutificar a vida no amor perante as pessoas mais difíceis, os lugares piores do mundo e as situações mais complexas da vida. Nesta ordem de ideias podemos deduzir, que devemos então, nós cristãos, ser uns ingénuos coitados que aceitam tudo e todos com uma subserviência inocente, como se «gostássemos» de sofrer? - Esta visão dos cristãos está completamente errada. O que nos manda Jesus é que sejamos capazes de dar frutos de salvação para todos, mesmo que isso nos custe a vida e, eventualmente, o preço do bem tenha que ser passar por alguma contrariedade que faz sofrer.
Cada pessoa é como é e não se lhe pede que seja de outra forma para que existam os frutos do bem. A glória do amor que agrada a Deus passa pela sua total entrega e não pela vivência normal do amor, isto é, amar os que nos são próximos é muito fácil, os pais, a esposa, o esposo, os irmãos de sangue, os amigos e todos os que nos interessam por qualquer razão. A glória do amor está muito para além das facilidades. Os contextos mais difíceis do mundo são os melhores lugares para fazer frutificar o amor. Por isso, diante da tragédia, deve prevalecer o amor, perante a ganância, a injustiça e toda a violência contra a integridade física, espiritual, cultural e psicológica deve prevalecer sempre o amor... Nada de extraordinário, se pensarmos que é isso que Deus tem feito desde sempre em relação à humanidade.
Deste modo, primeiro que tudo, devem estar no nosso coração todos os que a vida nos ofereceu como membros de família, do trabalho e todos os que o nosso olhar cruzar nas veredas da vida. Mas, depois devemos dar frutos de amor, com obras concretas, em todos os momentos onde a reconciliação seja premente e em todos os lugares onde os caminhos do ódio se tornaram mais evidentes.
A esta forma de vida não se chama ingenuidade doentia, mas disponibilidade para centrar a ida na felicidade pessoal e dos outros. Mas como entender isso? - Perguntam tantos cristãos em todo o mundo…
Tenhamos em conta logo que não devemos aceitar todas as patetices e asneiradas da humanidade, mas somos chamados a acolher, compreender e perdoar. O fruto do amor que Jesus nos manda viver como elemento essencial do Seu Reino passa pela entrega ao serviço dos outros e pelo acolher a todos como irmãos. É este o maior desafio da religião cristã.
Ninguém deve sentir-se inibido perante o dom maravilhoso da vida e deve cada pessoa procurar conduzir os passos e as opções para o sentido do amor que salva e liberta da escravidão do desespero. E para que esta realidade aconteça, é muito importante que não se reduza o amor a palavras ou frases muito bonitas, mas prática concreta, obras sinceras que promovam a justiça e a paz para todos à nossa volta.

Vamos rezar juntos

não sejamos tão pessimistas, tão dramáticos diante das contrariedades e das derrotas. Precisamos de ser agentes da luz para que os raios do amor e da compreensão/compaixão na alegria estejam presentes neste mundo. Pedimos a Deus para que tenhamos sempre forças para mudar o que podemos mudar e descontração suficiente para não nos deixarmos abater perante o que parece às vezes irremediável e impossível de mudar. Nada deve ser dramático. Precisamos de confiar mais no mistério de Deus e da vida. O cristão abre-se à plenitude da existência que não se encontra neste mundo, mas sabe que neste mundo pode saborear já a felicidade e todo o bem possível de ser realizado, para que a vida seja tomada do assombro do tesouro extraordinário que representa. Temos que viver na alegria e na festa que este mundo nos proporciona se nós quisermos, basta que estejamos abertos à construção da alegria e da luz que somos capazes de irradiar. Não desistamos de ser agentes da alegria e da felicidade que a vida renovada em cada manhã nos concede e que isso esteja presente em cada gesto de ternura que realizemos perante a criação que nos rodeia.

Vamos rezar juntos

a liberdade é o mote na vida de uma pessoa que a liberta de todas as formas de escravidão. «A verdadeira liberdade – ensina o Concílio Vaticano II – é no homem sinal altíssimo da imagem divina» (Gaudium et Spes, 17). É a liberdade do Homem, reflexo da liberdade infinita de Deus. Deus é livre absolutamente, a humanidade, de modo relativo, mas não toma existência autêntica sem esse valor essencial. Consiste a liberdade de Deus em poder fazer livremente todo o bem que quer, e a liberdade de sermos gente, na «escolha livre do bem» (GS, 17) para si e para todos os que estão à nossa volta. Tanto mais livre é uma pessoa quanto mais capaz de escolher e fazer o bem. Oxalá que este dia, em que celebramos o dom da liberdade, nos inspire a tomarmos a sério esta nossa condição de sermos livres, para que diante dos desafios da vida sempre sejamos lúcidos a tomar a sério uma luta contra todas as formas de escravidão e opressão. Sejamos democratas, conscientes que a diversidade e a pluralidade são sinais elementares de riqueza humana e divina, semeados no mundo para o bem de todos. É preciso a amar a liberdade, para que sempre nos consideremos responsáveis nas ações concretas da vida, lutando por uma sociedade livre nas opções que faz e ciente que os seus direitos só fazem sentido quando há um empenho eficaz na prática dos deveres que nos compete cumprir.

terça-feira, 24 de abril de 2018

Uma Igreja Portuguesa iluminada pelo 25 de Abril

Comensal divino
Uma Igreja Portuguesa iluminada pelo 25 de Abril podia ser aquela que seguiria o que disse o Papa Francisco: «(…) prefiro uma Igreja acidentada, ferida, enlameada por ter saí­do pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro, e que acaba presa em um emaranhado de obsessões e procedimentos»; e ainda: «Mais do que temor de falhar, espero que nos mova o medo de nos encerrarmos nas estruturas que nos dão uma falsa protecção» (Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, n. 49).
Então vejamos as seguintes provocações desafiadoras perante a multidão enorme de pessoas desorientadas, mergulhadas no vazio que tantas vezes deriva de decepções religiosas:
1. Uma Igreja que não tenha medo de entrar na noite de toda a esta gente;
2. Uma Igreja capaz de encontrá-los no caminho;
3. Uma Igreja capaz de inserir-se na sua conversa;
4. Uma Igreja que saiba dialogar com aqueles que vagam sem meta, com desencanto, desilusão, até mesmo do cristianismo;
5. Uma Igreja capaz de acompanhar o regresso a Jerusalém.

«Católica significa universal. (…) Se a Igreja nasceu Católica, quer dizer que nasceu “em saída”, que nasceu missionária. Se os apóstolos tivessem permanecido ali no Cenáculo, sem sair para anunciar o Evangelho, a Igreja seria apenas daquele povo, daquela cidade, daquele Cenáculo. Mas todos saíram pelo mundo a fora, desde o instante do nascimento da Igreja, da descida do Espirito Santo sobre eles.        Por  isso a Igreja nasceu “em saída”, ou seja, missionaria. É isto que dizemos quando a qualificamos como apostólica, porque o apóstolo é quem anuncia a Boa Nova da ressurreição de Jesus. (…) É precisamente o Espírito que nos leva ao encontro dos irmãos, até daqueles mais distantes em todos os sentidos, para que possam compartilhar connosco o amor, a paz e a alegria que o Senhor ressuscitado nos concedeu», afirma o Papa Francisco (Papa Francisco, Audiência Geral 17/09/2014).

Vamos rezar juntos

o sentido da responsabilidade perante o que somos e o que temos que fazer em cada dia, para não dispensarmos o nosso contributo para a construção do mundo e da vida, deve ser daquelas coisas que nunca devemos perder de vista. Esta consciência é o reflexo do carácter de uma pessoa. Aliás, mais de metade do ser gente com toda a gente, faz-se precisamente por aqui. Nenhum trabalho - ou tarefa, mesmo que sejam das mais corriqueiras do quotidiano - devia ser realizado sem a grandeza do sentido da responsabilidade. Tanta gente prejudicada, espoliada, injustiçada, manipulada e enganada só porque se falhou tanto no que diz respeito à responsabilidade no cumprimento dos deveres. Precisamos de cada vez mais pessoas corajosas e que façam o que têm que fazer sem pensar em primeiro lugar no dinheiro, na fama, nos louvores e nos louros que vão colher pelo que disseram ou fizeram.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Sempre que nasce um «nós» como casal

Escrever nas estrelas
A vida retorna à sua génese e entrelaça-se no caminho do desejo e do sonho da vida feliz. Um casal que se busca entre si para realizar juntos, essa história, faz-se protagonista da missão mais excelente da humanidade.
Tomara que muitos percebessem o valor e a importância da ligação íntima que por hora iniciaram em nome do que nasceu dentre de cada um e em nome do futuro da humanidade.
Este mistério só se percebe quando está enfeitado de amor, com o cuidado aturado um pelo outro, a atenção aos detalhes que tantas vezes não são escutados pelo som das palavras, mas por sinais que ditará o olhar ofuscado, a aparência da pele que se empalideceu, os cabelos que deixaram de estar soltos esvoaçantes, a alteração do andar que parece não querer levantar os pés do chão, os braços pesados abatidos porque estão cansados, o rosto que perdeu a luminosidade e tantas outras mensagens que são enviadas um ao outro todos os dias, que podem servir para aferir a dose do encantamento ente ambos, se está vivo ou se está a morrer.
Nesta beleza do encanto sonhado a dois, o «nós» sublime, há a assunção da procriação e da multiplicação. Tantas vezes maltratadas, burladas e enganadas ou desviadas para interesses alheios ao «nós». Eles eram os poderes religiosos, políticos, sociais e económicos que viram nessa tarefa essencial do «nós», um meio exclusivo para «pôr filhos no mundo» que povoariam de qualquer jeito o mundo unicamente como intenções puramente materialistas e economicistas. A procriação e a multiplicação, obviamente, que têm em vista também isso, porque o futuro da espécie humana faz-se por aí, mas não é um exclusivo e devemos por isso estar esclarecidos e desbravar toda a riqueza desses princípios.
Assim sendo, este mandato para o «nós», tem em vista a multiplicação e a procriação de valores que existindo como alicerces desta realidade essencial, fazem germinar a alegria e a festa da vida em casal. A multiplicação não pode faltar todos os dias para o amor que deve manter-se como chama cintilante inapagável em todas as horas, para o perdão que deve ser prato principal sempre que necessário, para a tolerância que acolhe os limites ou as falhas inevitáveis, para a paciência que aquece todos os recantos por onde passa o «nós», para o sentido da partilha que não esconde nem se esquece das necessidades do outro… Por isso, a multiplicação e a procriação são a matemática positiva do amor no chão para os caminhos do «nós».
Ao contrário, tudo o que seja negativo, deve ser limado, sarado e remediado pela inteligência do «nós», que pensa em função de dois contra todas as tentativas, que todos os dias surgirão para fazer valer uma prática centrada no egoísmo. O pensamento que se alimento do «nós», não tem nada temer, juntos vencerá o mundo e edificarão para a eternidade.

Vamos rezar juntos

a sinceridade nos pensamentos, nas obras e nas palavras, revela o que há de melhor numa pessoa. Precisamos de gente sincera, que não se esconde por detrás de biombos calculistas nem muito menos gasta o tempo todo a escolher as palavras  para que tudo corra bem, assim ao jeito do interesse de alguém ou de alguns apenas, mesmo que isso implique falsidade ou incongruências tristes que não beneficiam nada. Por isso, deixemos a vida decorrer com a sinceridade das palavras e das obras simples, que ajudem todos os que encontramos no caminho da vida, a sentirem o nosso abraço sincero e a doçura das palavras que vieram do fundo da alma. Umas vezes faz sorrir, outras pode entristecer, mas se for a verdade do amor que liberta sempre vai conduzir ao bem e à justiça. 

domingo, 22 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

o dia prevê-nos uma notícia de que há um Deus que não se poupa a esforços para nos reencontrar, procura-nos pelos fundos dos vales da existência, precisa de nós, mesmo que nós nos esqueçamos Dele. A bondade infinita desse Bom Pastor é uma chama cintilante de amor que não permite que ninguém se perca, e mesmo que algum esteja perdido, vai à procura dele para que o faça estar bem e saboreie a felicidade. Por aqui se percebe o quanto será importante sermos chamas vivas para que ninguém morra de frio, como dizia François Mauriac: "Se a chama que está dentro de ti se apagar, as almas que estão ao teu lado morrerão de frio". Um apelo, uma exigência para que nunca deixemos por mãos alheias o que somos e o que podemos fazer para que o nosso mundo deixe de ser tão feio e se torne um pouco mais belo para todos pela nossa prática. A paz esteja convosco.

sábado, 21 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

a ecologia humana não se compadece com a pobreza generalizada, que deu lugar à fome e nalguns casos falamos já de miséria profunda. Este atentado ecológico, é também uma violação grave dos Direitos Humanos e um flagrante descuido face à Constituição da nossa República, onde fica claro que a nenhum cidadão deve faltar o essencial para viver dignamente e estar integrado na sociedade. Neste domínio da pobreza, gosto do mandato, «não permita que a pobreza se converta em paisagem». Quando assim acontece facilmente nos habituamos com as imagens.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

A bondade do Pastor

Ao sétimo dia
Bom Pastor que me chamas do alto do monte,
Bom Pastor próximo de mim com as suas ovelhas
Tão alegre canta «hossanas» pelo som do vento,
A ovelha perdida foi encontrada, pertence-lhe aquela paz
A paz que me serena quando oiço a Tua voz
Porque nessa hora me revejo em ombros, Bom Pastor.
Tanta felicidade e tanta paz nestes prados.
É a abundância que temos no amor que não se perde,
Ele é dom do sol que cai sobre nós,
Que naquelas costas aquece o coração sobressaltado,
Em alegria porque se sente encontrado.
Eis para mim a morte da indiferença,
Há um rosto que sorri, uma face que me encontra.
No redil um sol que brilha descansa a manada
Foi uma festa sobre os ombros carregado,
Do fundo dos vales da vida muitas vezes ofuscada.
JLR

Vamos rezar juntos

A atitude dialogante talvez seja a mais difícil de se viver. O diálogo é o valor fundamental para o entendimento humano. Pelo diálogo resolvem-se os conflitos e quebra-se o gelo da não relação. Nem sempre há paciência nem predisposição para aceitar as teimosias e as incompreensões dos outros. Daí que os conflitos façam parte da vida de cada um como faz parte o nosso carácter e a nossa forma de ser. Não cabe só aos políticos e a quem tem altas responsabilidades serem dialogantes e já está mais que provado que a palavra diálogo na boca dos políticos tornou-se uma palavra gasta e sem sentido. Cada um no seu lugar da vida pode e deve viver esta atitude com uma radicalidade total para ser exemplo e mostrar que tudo perdemos com a guerra e que com o diálogo podemos ganhar o mundo todo. Vamos ser dialogantes. Não termos medo de ser confrontados com o mundo multicolor, com o que não vem de encontro ao que somos e pensamos. Nem muito menos que tenhamos qualquer dificuldade em ceder e em reconhecer que falhamos. O diálogo implica saber reconhecer que nem sempre as nossas apostas acertam e reconhecer isso é meio caminho andado para a construção da paz. 

quinta-feira, 19 de abril de 2018

O pastoreio de Deus

Pão quente da Palavra do domingo IV Tempo Pascal
O 4º domingo da Páscoa é considerado o «domingo do Bom Pastor», neste preciso domingo a liturgia propõe uma passagem do capítulo 10 do Evangelho de São João, no qual Jesus se apresenta como «Bom Pastor». Este é o tema central para a nossa reflexão e celebração neste dia.
O mais importante é que com esta ideia do «Bom Pastor», sentimo-nos todos filhos de Deus. Esta filiação radica em Jesus, que veio ao mundo para realizar a obra maior da história humana. Nós, humanidade englobada neste processo, somos agora membros desta grande família de Deus. Os filhos de uma fraternidade que marcha a partir do Deus revelado por Jesus Cristo e que caminha na História em direcção à eternidade que se encontra na «casa» deste Deus. Por mais desgraçados que sejamos, não somos órfãos nem muito menos «filhos das varas verdes», mas filhos no Filho do Deus revelado na história humana.
Nós precisamos e é bom que nos digam sempre que somos filhos de Deus. A solidão que o sofrimento desta vida provoca precisa de uma palavra que nos anime na esperança de uma realidade consoladora a partir de um Deus que nos ama como seus filhos.
Por isso, São João desafia-nos a estender os braços, como faz o Bom Pastor com as suas ovelhas, a todos os recantos da vida. Onde a doença consome a vida e debilita o corpo, podemos aquecer o coração dessas vítimas com a nossa palavra de esperança e tocar bem fundo com esta certeza, o nosso Deus é um Deus Pai-Mãe da humanidade inteira e ama de modo especial todos aqueles e aquelas que experimentam a dor como alimento desta vida.
Podemos nós lutar contra a injustiça, que o nosso mundo alimenta e dá como alimento a tantos irmãos nossos. A nossa filiação divina devia encorajar-nos e escandalizar-nos contra tudo o que não promova a vida em todo o seu esplendor. Tudo o que seja contra a felicidade devia receber de nós uma luta constante.
Somos filhos de Deus e nesta condição devemos estar atentos a tudo o que não é felicidade. Deus deseja que tomemos consciência da nossa condição e logo depois colocá-la em prática, deixando o nosso egoísmo e comodismo de parte para nos devotarmos à vida partilhada para o bem de todos.
Por fim, termino com uma breve explicação sobre o sentido da filiação de Jesus e a nossa condição de filhos de Deus.
Em última instância Deus é nosso pai-mãe, porque é nosso criador. Mas de criaturas de Deus passamos a filhos adoptivos de Deus pelo Baptismo. Somos, portanto, propriedade de Deus, somos filhos adoptivos de Deus, por isso mesmo, filhos amados de Deus. 
No Antigo Testamento usa-se para o povo de Israel a expressão "Filho de Deus" (Ex 4,22) e cada um dos seus membros como «Filho de Deus» (Dt 14,1). No Novo Testamento, São Pedro proclama Jesus como Filho do Deus vivo (Mt 16,16). Porém, Jesus parece preferir chamar-se de «Filho do Homem», que equivale a «Messias» (Mt 26,64). 
Jesus está unido ao Pai pela filiação divina, mas ele quis ser igual a nós em tudo, menos no pecado. Por isso, ele, nascendo de Maria, é o «Filho do Homem» também. Assim, por ser verdadeiro homem ele pode nos libertar do pecado e garantir para nós a filiação divina também. Há uma frase que resume bem a salvação que Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, nos trouxe. A frase é esta: «O Filho de Deus se fez homem, se fez Filho do Homem, para que o homem fosse filho de Deus». 

Vamos rezar juntos

nós somos o ambiente por onde passamos ou onde fazemos a história da vida acontecer, a nossa e o contributo que damos para a vida dos outros. Obviamente, que é sempre necessária uma dose muito grande de liberdade e autonomia de espírito, pensamento próprio e determinação para lutar contra todas as formas de bajulação, perda de dignidade e violação de princípios. Uma sociedade manipulada, enganada e mergulhara na mentira não tem futuro. Precisa de homens e mulheres que saibam estar com verdade perante as situações, lutando conscientemente pelos seus elementares direitos sem perder de vista o cumprimento escrupuloso dos seus deveres. 

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Cidadãos mais iguais do que outros

Escrever nas estrelas
O Presidente da Assembleia da República também alinha na lógica de que esta coisa dos deputados ilhéus sobre o subsídio duplicado que eles recebem, se for bem explicadinho, todos nós compreenderemos bem. Porque não é ilegal nem muito menos é falta de ética. Não precisava o Presidente da Assembleia de nos dizer isto, porque já sabíamos que os deputados ilhéus não tinham cometido nenhum crime, mas que se tinham fechado em copas perante uma prática vantajosa para eles monetariamente falando, quando para a maioria do cidadãos pagantes de impostos as coisas são mais acertadas e cheias de espinhas muitas vezes.
Neste contexto, que alguns preferem reduzir, para alguns esperteza e para outros (nós os cidadãos, os idiotas), silêncio, esquecem que isso é um privilégio exclusivo para políticos profissionais e que na vida normal as coisas não são bem assim. Os cidadãos têm direito a se indignarem e a exigirem transparência, bom senso e o mínimo de ética. O que se esperava do Presidente da Assembleia, era que nos dissesse claramente, vamos corrigir uma prática que está desajustada e injusta.   
Por esta ordem de ideias, vá o sr. Presidente da Assembleia da República dizer o mesmo às empresas que pagam viagens aos seus funcionários, mas que os obrigam a entregar o subsídio de mobilidade.
Esperava do Presidente da Assembleia uma postura não tão centrada na legalidade e até se quisermos na ética, mas em bom senso, que reconhecesse uma prática que já vem de longe, mas que tudo ia fazer para torná-la mais transparente e enquadrada na prática do bom senso, que no fundo é aquilo que estão a pedir neste momento os cidadãos, para este caso da mobilidade dos deputados e para tudo o que diz respeito a práticas que indiciam privilégios pouco transparentes, desmedidos e injustos.
Por estas e por outras, continuo a considerar que os principais responsáveis pela péssima imagem dos políticos profissionais, são eles próprios. A dignidade da vida política implica uma digna remuneração, é verdade, porque senão, vamos ter um bando de medíocres a exercer cargos de alta responsabilidade política, mas que tudo seja feito com a maior das transparências, sem a ideia de que há privilégios para uns em detrimento de outros. Chamem a legalidade e a ética para a prática política. Mas não esquecer o bom senso que deve estar sempre presente quando se vive sob o crivo da lei e da ética. 

Vamos rezar juntos

para que as nossas palavras sejam ponderadas e sinceras perante todas situações da vida. Este desafio nem sempre é fácil de ser praticado, é necessária uma dose muito grande de tolerância, compreensão e sabedoria diante do que nos chega, aquilo que outros dizem e o que fazem. Facilmente, nos tornamos irascíveis e tantas vezes agressivos nas palavras e nos comportamentos. Por isso, pedimos paz para que nada nos faça levantar a voz usando palavras loucas que façam feridas fundas e tragam mais confusão e inimizade. A vida é uma arte que requer sabedoria para acolher os desafios, serenidade para dar a volta às situações e sabedoria para não se deixar levar pela criatividade do mal. Não deixemos por mãos alheias o tesouro da vida que nos foi concedido gerir para a felicidade.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Os deputados ilhéus e o dinheiro do Estado

Escrever nas estrelas
1. O dinheiro é uma realidade tramada, enfeitiça qualquer ser humano. São raros os que têm com o dinheiro uma atitude totalmente livre. O pior do mundo é termos que lidar com pessoas escravas do dinheiro. A «forretice» é uma doença e o descontrolo no gasto, outra doença fatal para tanta gente. O melhor face ao dinheiro, será considerar que ele só serve para vivermos bem e que deve estar ao nosso serviço. Um exercício por vezes difícil de se fazer, mas é o único que edifica a humanidade.

2. Quando se trata de limpar o que for possível cada pessoa individualmente, pode perder a cabeça e facilmente limpa tudo o que puder, e se lhe custar pouco ou nada ainda mais se aproveitará. Deste pecado também admito que possam ser poucos a estarem livres, somos todos humanos e todos podemos cair face às tentações. A sociedade de hoje está assim, implacável com os prevaricadores quando se trata do assunto dinheiro, ainda mais se forem políticos, mas se estivesse a mesma oportunidade obviamente que qualquer cidadão lamberia do mesmo modo os dedos.

3. Por isso, não me surpreende de todo a atitude dos deputados apanhados com a boca na botija dos subsídios duplos das viagens. Obviamente, que apanhados, as consequências, não esperaram. Foram castigados pelo crivo moralista da sociedade em que vivemos. Os sinais que por hora se sabe de alguns suspenderem o mandato, de devolverem o que receberam em duplicado sem terem desembolsado um cêntimo, ainda mais se dizem entregá-lo às instituições de solidariedade social, não me diz muito ou diz mesmo nada, porque é o mínimo de quem agora demonstra que sabia que era legal, mas não era ético aquele procedimento.

4. Porém, a questão mais importante, a meu ver, agora prende-se com o seguinte, como irão falar com autoridade estes deputados quando estejam a debater na Assembleia da República e na comunicação social o tema da mobilidade e do subsídio das viagens entre as ilhas e o continente? Que legitimidades terão, quando abrirem a boca, pois logo nos vai bailar na cabeça a lembrança do seu procedimento? – Obviamente, que não se espera que os nossos deputados sejam anjos, mas como nossos representantes, que nos custam valores bem significativos à conta da brutalidade dos impostos, sejam zelosos no cumprimento da lei, mas que também assumam gestos que nos revelem o quanto estão cientes dos valores éticos, mesmo que algumas vezes tenham que passar por cima da lei.

Vamos rezar juntos

no mundo em que vivemos tão cheio de gente a pensar mais em servir-se do que em estar ao serviço, talvez, nos faça bem lembrar que o mundo poderia ser melhor, a humanidade mais feliz se cada um de nós nos trabalhos que fazemos tivéssemos o pensamento no bem dos outros e menos no dinheiro, nos lucros, nos rendimentos, na fama, no que me serve fazer isto ou aquilo… É preciso que busquemos o exemplo de Deus, rebaixarmo-nos para servir, mesmo que a lógica do mundo nos tome por «idiotas». Que as nossas tarefas marquem a diferença e que sejam uma luz brilhante no meio deste mundo onde as trevas do servir-se quanto mais melhor ainda marcam o tempo e a vida. 

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

a boa disposição faz sempre a diferença. Não é fácil todos os dias e em todas as circunstâncias manter esse estado de espírito. Os momentos de todos os dias trazem sempre surpresas agradáveis e outras vezes desagradáveis. Naquelas que sabem bem, obviamente, que a boa disposição mantém-se e algumas vezes aumenta. Nas outras, as desagradáveis, a boa disposição esvaia-se facilmente e para a recuperar, às vezes requer algum trabalho. Está visto que a boa disposição é um desafio para todos os dias. Há muitas atitudes que ferem a boa disposição, por exemplo, nos outros e em nós: as teimosias, as incompreensão, a irresponsabilidade, as incongruências, o oportunismo, a pura maldade, a bajulação e tantas situações que desafiam a boa disposição. O importante é que aprendamos a manter a serenidade e a paz interior, levantar a cabeça e avançar com entusiasmo, mostrando que nada interrompe a boa disposição. Nada é mais certeiro para incomodar e travar quem se alimenta da destruição da boa disposição.

domingo, 15 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

perguntei: o que é ter fé? Prontamente respondeu o Santiago, que é uma criança que gosta de responder sempre prontamente: - É ter esperança... Brilhante. As crianças nos nossos tempos são os principais missionários da esperança, porque os adultos perderam o rumo, deixaram de viver, estão domados pela pressa e pela pressão das milhares de solicitações que diariamente lhes são impostas. Não há tempo para refletir e para o silêncio da interioridade. Mas estão aí as crianças para nos falarem e ensinarem o que é a fé e a esperança. Por ocasiões deste género, retemperamos o gosto pela vida, a luz do que somos e fazemos reacende-se. Pela boca daquela criança Deus falou que nada está perdido, vale a pena retemperar a existência com a esperança, porque é possível sentir e sonhar com o amanhã que virá, que será melhor do que hoje, mesmo que este hoje esteja ensombrado com tantas nuvens negras de sofrimento. Não pode ser este presente a ditar o absoluto e o irremediável, o absoluto está reservado para o amanhã, por isso, confiemos e renovemos hoje o dom da fé pela voz doce da criança que disse tão generosamente com um sorriso nos lábios , é a esperança. A paz esteja convosco. 

sábado, 14 de abril de 2018

A guerra

Ao sétimo dia
Tu és escombros malditos
visão infernal do tempo
que passa debaixo dos pés
em lágrimas e sangue dos aflitos.

Tu és ruínas escabrosas 
da injustiça vertiginosa 
do nosso mundo
quando cala a fome e a dor
com palavras bonitas mas manhosas.

Tu és som e fumo da explosão
que a maldade daninha 
semeia sobre os campos da vida,
não há inteligência nem luz
que nos desvele a segura a paz
pois tantos do outro lado da trincheira
almejam a harmonia do coração.

Tu és clamor de fétidas chagas
de homens feridos e mortos
murmúrios que atravessam lágrimas
e todos os mapas da terra
uma lástima interminável a guerra
se falam armas é a pior das pragas.

Tu és o que reduz a pó
o fim da alegria
a morte da memória de povos
que não se escutam
porque vão contra os ventos e as águas
e são ganância tenebrosa
do egoísmo que teima dizendo
pelo retenir das armas
que pode ser possível no mundo estar só.
JLR

Vamos rezar juntos

a corrida às armas continua. A guerra o pão nosso de cada dia. A meu ver esta é uma das coisas mais absurdas e estúpidas da humanidade, gasta dinheiro em armas cada vez mais sofisticadas para matar-se a si mesma. A paz é o caminho e um tema que nunca perde actualidade. A guerra nunca trouxe solução nenhuma para qualquer problema. Antes tem trazido destruição, feridos, mortos e todos os traumas que ficam para gerações e gerações. Não compreendo que a humanidade continue a proceder sempre pela força das armas para resolver questões, quando já avançou tanto em termos tecnológicos, nos direitos das pessoas, a promoção da dignidade humana e na valorização da vida em todas as suas faixas etárias... Os nossos tempos exigiam mais coerência face aos discursos e menos gosto pelas armas que levam a tanta desolação e sofrimento contra tantos povos inocentes. 

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

Questionado sobre o facto de Portugal ser um país de maioria católica, mas que aprova a legalização do aborto e tem em curso um processo legislativo sobre eutanásia, Francisco respondeu que esse é um problema político, mas também de formação. Disse o Papa Francisco concretamente perante as perguntas dos jornalistas: “Mostra que também a consciência católica não é uma consciência de pertença total à Igreja. Revela que, por detrás disso, não há uma catequese humana. O catecismo da Igreja Católica é o exemplo do que é uma coisa séria e estruturada. Falta formação e também cultura: são muito católicos, mas são anticlericais e mata-frade. Este é um fenómeno que me preocupa. Por isso, digo aos sacerdotes que fujam do clericalismo, porque o clericalismo afasta as pessoas e, até acrescento, é uma peste na Igreja”. Precisamos de serenidade para que em todas estas questões a lucidez e o bom senso prevaleçam acima de qualquer interesse de grupos ou partidos políticos. 

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Jesus «advogado»

Pão quente da Palavra para o domingo III Tempo Pascal  
Jesus ressuscitou verdadeiramente. Para todos nós cristãos é isso que importa. Porque esta é uma realidade que nos convida para a transcendência, a eternidade da vida. Obviamente, que não se trata de um acontecimento histórico, está para além da história, por isso, é mistério que nos abre ao mistério da vida e com isso encontramos razões para que a fé ou a dimensão do acreditar faça da nossa passagem neste mundo, não apenas alguns momentos limitados no tempo e num lugar, mas certeza de que a vida está além da história e que a nossa história não acaba com a morte.
Podemos ainda salientar que os elementos históricos sobre a ressurreição de Jesus estão apenas e só nas pessoas que fizeram essa experiência e a relatam nos textos bíblicos. Tendo em conta isso, cada um de nós é convidado hoje a tentar descobrir como pode fazer na sua vida concreta a experiência do encontro com Jesus vivo e como pode com isso receber e oferecer a salvação de Deus a todos os que encontra no seu caminho quotidiano.
O calor da presença de Jesus ressuscitado é uma realidade testemunhada pelos discípulos de Emaús, que nos reconforta também e que nos faz sentir que essa presença é muito importante para enfrentar todas as caminhadas da vida deste mundo. O calor da Ressurreição faz arder o coração de alegria, porque não se sente desamparado nem à margem do amor de Deus. Deus aí está e diz-nos: «Tocai-Me e vede…».
Perante esta constante paixão amorosa de Deus por nós, não pode haver medos nem desconhecimentos, que possam eventualmente travar o acolhimento desta proposta que nos torna grandes diante do amor compassivo de Deus-Pai-Mãe, revelado por Jesus Cristo.
Na Eucaristia, Jesus senta-se à mesa, pega no pão, parte o pão e entrega o pão para todos como sinal do Seu Corpo glorioso. Não podemos temer esta entrega e esta disponibilidade para o banquete, porque aí descobrimos Cristo totalmente entregue à causa de salvação designada por Deus-Pai-Mãe, que nos defende e nos protege com o Seu amor infinito e incondicional.
Somos hoje, também chamados pelo nosso nome a tomar parte nesta festa de amor e de vida. Os tormentos dos caminhos da vida nada são diante desta maravilha que Jesus nos oferece. Como venceríamos o desgosto das caminhadas sem sucesso que muitas vezes encetamos pela vida fora? - Só com a força de Jesus que é alimento eucarístico entregue sobre o que somos e temos. E só nessa entrega podemos encontrar sentido para os altos e baixos deste mundo, porque a contar unicamente com a prestação das coisas desta vida, as expectativas saem profundamente goradas.          
A comunidade que se reúne à volta do altar da Eucaristia, descobre-se a si mesma como corpo vivo de Cristo presente na história e descobre também a mediação do Espírito Santo como razão de ser da convocação que Cristo faz todas as vezes que a possibilidade do encontro se manifesta.
Dentro da comunidade cada um descobre a sua vocação ou a sua capacidade de doação aos outros. A comum união fraterna que Cristo deseja e para a qual nos chama em todos os momentos, só é possível mediante a disponibilidade do coração para o acolhimento da fé. Não há outra forma de descobrir Cristo vivo nem há outra forma de salvação.
Ninguém se salva sozinho. Só na comunidade à volta da mesa do pão e do vinho se pode encontrar a possibilidade da redenção, porque Cristo ressuscitado manifesta-se de forma plena na comunidade reunida. Que todos sejam capazes de abrir a sua existência à Palavra do Amor que Cristo nos dirige. Não se encontra o verdadeiro sentido da vida fora de Jesus ressuscitado. E a verdadeira vida só é possível quando todos os homens e mulheres, como irmãos, se juntarem à volta da mesa do banquete que Cristo nos prepara. O comensal do amor de Deus para todos sem excepção. Vinde à mesa da festa da vida.

Vamos rezar juntos

os tempos não estão fáceis quanto à vergonha. O Papa Francisco um dia destes disse o seguinte: "O drama está quando não se sente vergonha por coisa alguma. Nós não devemos ter medo de sentir vergonha! E passemos da vergonha ao perdão!” E eu acrescento, a tentar fazer diferente, que seja o bem e justo. Esta frase fez-me lembrar uma série de coisas que hoje acontecem, que nos fazem perceber claramente como se perdeu a noção da vergonha. No topo da lista está o palavreado calão que pequenos e graúdos utilizam nas suas conversas. Mais repugnante é vermos que a vergonha não existe nas palavras obscenas absurdas que pais e filhos e as pessoas em geral - a começar pelas crianças - usam entre si. A vergonha deixou de existir face à violência das palavras e das atitudes nas famílias e na sociedade em geral. A traição hoje tornou-se banal entre os casais de todas as idades, não há vergonha por isso e a anormalidade ganhou contornos de normalidade. Onde está a vergonha quando se inventa caluniosamente com maledicência e maldade pura com intenção deliberada e pensada para destruir? - Seria bom retomarmos a educação que leva à consciência do "sentir vergonha" quando se faz algo que nos fez mal e aos outros, e que também se sinta vergonha quando devíamos ter feito o bem e não o fizemos por medo, covardia e preguiça.  

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

se pensarmos friamente nada é mais absurdo do que a existência. Mais ainda é absurda a vida se nos detemos numa missão que implique todos os dias colocar a cruz sobre as costas. Só mesmo sob a inspiração de modelos significativos da história, que morreram sob peso da Cruz e que nunca viram neste mundo a vitória final das suas causas. Obviamente, que muitos saborearam os frutos dessas causas. O mais relevante e importante é mesmo isso. Por isso, deve ser deles que se toma a força e o exemplo para manter os ombros disponíveis e o coração cheio de entusiasmo para seguir todos os dias com a mesma força da esperança e um sorriso nos lábios.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Mobilidade condicionada

Escrever nas estrelas
1. Não tenho razões de maior para me queixar da TAP. Mas, para que não me faça de forte, como é óbvio, coloco à cabeça das queixas, que, repito, não são muitas que tenho contra a TAP, a questão mais que reincidente e que anda na boca de toda gente, os preços altos, quando vejo publicidade da mesma empresa com voos ao preço da chuva entre Lisboa e Nova Iorque ou até para uma qualquer cidade europeia. Os preços entre Funchal e Lisboa às vezes doem e muito. Porém, como não viajo muitas vezes no ano, tento comprar com alguma antecedência e programo bem as minhas saídas e com alguma ginástica se vai resolvendo pelo melhor.

2. Todas as vezes que tive o azar de ser apanhado por alguma coisita desagradável, fui sempre bem tratado pelos serviços da TAP. E quando me dizem que vamos regressar à origem por causa do mau tempo, apesar do transtorno que isso me provoca, fico em silêncio e quieto profundamente agradecido com o que venha a seguir.

3. Porém, perante o que se tem passado nos últimos dias com voos cancelados «por razões operacionais» (se alguém sabe decifrar que ajude), parece existir algum aproveitamento das companhias, dado que cancelam voos a torto e a direito. Também falam que face às pessoas prejudicadas com os cancelamentos as empresas não estão a assegurar informação atempada e esclarecida (disto também me queixo) sobre o que se está a passar e muito menos estão a ser céleres a ressarcir devidamente as pessoas prejudicadas.

4. Face a isto, é preciso encontrar pontes de diálogo que resolvam todas as questões porque estão em causa pessoas, que esperam dos seus legítimos representantes, uma postura responsável, que encontrem soluções, que venham no futuro a responder como deve ser a todas as pessoas prejudicadas com estes percalços ditos de «razões operacionais».

5. As atitudes dos governos actuais, tanto o de Lisboa e tanto o do Funchal, estão bem à vista de todos, ambas repugnantes face a esta questão da mobilidade. Os de lá silenciam. Os de cá esperneiam e esbracejam cá dentro, como aquela do outro «agarra-me que eu vou a eles»…

6. Penso que não é assim que se negoceia. O que se pede, é serenidade e que se procurem todos os meios e caminhos que tragam soluções, penso que é isto que todos os cidadãos esperam dos seus governos tanto lá como cá.

Vamos rezar juntos

nenhuma forma de vida é fácil. Todos experimentamos uma série de desafios todos os dias. Saboreamos sucessos e temos encontros saborosos com tantas pessoas positivas que acrescentam tanta realidade boa ao que somos e experimentamos. Porém, não faltam os insucessos, os sonhos adiados e tantas vezes frustrados para sempre. Obviamente, que não faltam também desencontros com pessoas tóxicas, pessimistas, maldosas e pouco recomendáveis. A vida é este contrabalançar que requer de nós a inteligência para manter a serenidade, a lucidez na construção da paz, a alegria quando o bem acontece, mas também a firmeza das convicções diante das frustrações, sem que se perca o sentido da tolerância e compaixão para perdoar e acolher os que trazem o mal. Sem a clareza destes parâmetros não saboreamos com a intensidade do amor tanta coisa que a vida oferece de bem todos os dias. É suficiente uma brecha de mal para contaminar a vida toda. Procuremos não dar esse gosto a quem pretende fazer da vida um tormento insuportável e nisso encontrar prazer. 

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

simplesmente viver. É tudo para os tempos em que existimos. Mas pensemos, que vida e que pessoa humana este tempo vai legar para o futuro? - É o tempo onde os amigos são virtuais; o conhecimento está na internet, nada se aprofunda, muito menos se reflecte o que se consome; a comunicação descarnou-se e existe por meio de aparelhos; a dimensão transcendente da vida tornou-se um horizonte distante demais, não é necessária; a prática religiosa dispensa intermediação e mais ainda intermediários, tudo via direta... Tantas vezes parece que ninguém precisa de nada que venha de fora de si nem muito menos dos outros... É um tempo novo, cheio de desafios, que requer de nós uma atenção redobrará para não perdermos o sentido da humanidade e todas as coisas do ser pessoa, que o mundo cada vez mais virado para as mediações da técnica, parece querer substituir ou simplesmente roubar. Mas, vamos simplesmente viver, venha o que vier. 

domingo, 8 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

porque valeu a pena a Páscoa? - Porque foi renovado o sonho de Deus e o nosso. O desejo de que pode ser possível a fraternidade, a paz, o encontro, a tolerância, a justiça e tudo o que corresponda a uma verdadeira comunhão humana, onde ninguém fique para trás. Valeu a pena, porque descobrimos um Deus de misericórdia, que se compadece da humanidade inteira, a deseja salvar e que nenhum condicionalismo deste mundo vai impedir esse feito do imenso amor de Deus. Ele venceu as artimanhas do mundo e nós crendo nessa vitória também seremos vencedores. Valeu a pena a Páscoa, porque mais um vez se escuta que a felicidade está em crer sem haver necessidade de ver. Crer na vida inteira para todos, crer que a nossa militância humilde e sincera na amizade com todos, particularmente, os mais necessitados, é a luz que a vida e o mundo precisam para fazer sorrir a muitos. É preciso acreditar, que a indiferença e o desencontro não são a história de Deus nem podem ser a da humanidade, por isso, seremos felizes se não for necessário ver, que a vida está nas nossas mãos e que devemos fazer sempre o melhor com ela para que à nossa volta aconteça o bem misericordioso de Deus pelo que somos e pelo que damos a saborear aos outros. A paz esteja convosco.

sábado, 7 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

Revolta da Madeira, também referida como Revolta das Ilhas ou Revolta dos Deportados, foi um levantamento militar desencadeado com a finalidade de derrubar o regime do governo da Ditadura Nacional (1926-1933) que ocorreu na ilha da Madeira, iniciando-se na madrugada de 4 de abril de 1931. O mês de abril de 1931 na Madeira, está cheio de referências de guarnições, de peças de artilharia, de navios de guerra, de deportados, de boatos… Imagine-se a incerteza, a contra informação e todo o ambiente que se viveu nesses dias de revolta e de perseguição. Qualquer injustiça é intolerável e devia calar fundo no coração de todos nós para que não se repitam atentados à liberdade de consciência e para que a livre expressão do pensamento, o direito de opção e a firmeza das convicções sejam o alimento essencial da Democracia. Não podemos hoje esquecer este espírito de revolta dos nossos antepassados e muito menos permitir que a sociedade se aliene e se silencie perante a nobreza daqueles que souberam assumir riscos sem olhar as consequências, no que diz respeito às suas opções a favor do bem do povo em geral.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

O instante do mundo

Ao sétimo dia
Não sei nada do silêncio
sou um aprendiz que sente o vento
o espírito que passa
singelo se for amizade,
paixão e entrega.

Mas também fortemente
uma palavra
sobre as vias sombrias
do sentido do amor
quando junto tudo
na sinceridade de um sorriso…
JLR

Vamos rezar juntos

amo a vida, detesto a morte. Mas tantas vezes é preciso morrer para que nova vida possa surgir. É preciso que morram todos os meus medos, os meus egoísmos e todas as minhas obsessões, porque me desviam do essencial e do caminho da felicidade partilhada. Estas mortes são necessárias para que a vida surja com liberdade e cheia de amor pelo bem pessoal sempre com a maior das aberturas ao bem dos outros. Precisamos de deixar morrer o passado, mesmo que a vida não se faça sem olhar para o passado, mas somos gente do futuro. Tudo o que tenha feito ferida no passado precisa de ser purificado e voltarmos a olhar para o futuro com a alegria da esperança e a certeza que somos vida em abundância que se renova todos os dias até que no último dia, entrará na dimensão da ressurreição para a vida imortal, eterna. 

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

pelas vítimas do racismo e pelos racistas para que se convertam. Vem a propósito esta récita porque ontem (04/04) passaram 50 anos da morte de Martin Luther King, pastor protestante e activista político estadunidense, o maior lutador sem violência de todos tempos contra o racismo e pela igualdade de oportunidades e direitos para todas as pessoas. Condensou nesta famosa frase tudo o que importa realmente lembrar todos os dias para que no lugar do racismo, esteja a tolerância, a igualdade e a integração de todas as pessoas: "Eu tenho um sonho: que os meus quatro filhos um dia viverão numa nação onde não serão julgados pela cor da sua pele, e sim pelo seu carácter". Infelizmente, passados estes anos todos da sua morte continuamos com este tenebroso mundo carregado de desprezo pelos outros, só porque a sua pele é diferente. Vamos pela educação e pelo nosso exemplo mostrar que todos somos semelhantes, todos da mesma massa e que por dentro de qualquer pele está um corpo igual ao nosso, que nos impõe respeito e atitudes no sentido de o incluir contra todas as formas malévolas de exclusão que fatalmente ainda subsistem neste mundo. 

Ronaldo com a sua mestria artística

A insustentável leveza do ser...

terça-feira, 3 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

a maior novidade (desafio) do mundo é esta: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças”. E o segundo mandamento é: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Cf. Mc 12,29-30). Tão difícil viver isto! Mas não é possível a vida sem que de alguma forma tentemos chegar a este ideal. Amar os que nos são próximos e aqueles que derivam da nossa consanguinidade, é mais fácil, mas aqui o desafio, pede que incondicionalmente, o amor vá ao encontro do próximo. Tudo isto requer que sejamos serenos e tolerantes diante de todas as coisas que os outros fazem e que nos tiram a paz interior. Mas aí devemos pensar que nada se resolve com gritos descontrolados, exasperações inúteis e ou intolerância. Tentemos sempre pensar neste mandato e na medida do possível persegui-lo com o desejo de um dia chegar à meta desse ideal. Não nos devemos dar por satisfeitos quando ficamos pela metade, mas fazer tudo em função do ideal sem idealismo, porque o sonho comanda vida. 

Vamos rezar juntos

a vingança mata tanto antes e depois de acontecer. Primeiro que tudo mata a lucidez, mais ainda a humildade para compreender e perdoar. Sócrates (o filósofo da antiga Grécia) ensinou que o rancor ou a vingança eram como beber um frasco de veneno e esperar que o outra morra. Por isso, digo que a vingança mata quem a praticar em primeiro lugar e se eventualmente for realizada vai fazer as outras vítimas. Não permitamos que este mal nasça em nós, aconteça o que acontecer vindo dos outros. A compreensão e o perdão são sempre o melhor remédio. Praticá-los darão a melhor resposta a quem se alimenta do maldade. 

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Quadro certeiro que fala por si sobre a exclusão

Merece ser partilhado. Porque é tão real e tão comum. A desigualdade e a exclusão está bem legitimada nos meandros intricados da sociedade. Reflitamos sobre estas duas versões sobre o mesmo assunto...

Vamos rezar juntos

a vida retorna ao quotidiano. Vamos retomar as funções da vida com entusiasmo e alegria, a missão continua e requer que seja realizada na felicidade. A vida quando está ao serviço dos outros precisa de toda a boa disposição, para que não pareça ser um frete, um negócio ou singelas tarefas que cumprem calendário e um horário de trabalho quase irracionalmente. O mundo precisa de gente "missionária", porque sabe do que faz e diz com espírito de serviço, porque aquilo que diz e faz pretende promover na dignidade a quem serve. Não nos esqueçamos de realizar as funções como deveres imprescindíveis para que os outros encontrem os seus direitos devidamente cumpridos por quem não se esqueceu daquilo que devia fazer e dizer com a maior das alegrias. Este é o fermento do mundo.

domingo, 1 de abril de 2018

Vamos rezar juntos

este é o dia da luz que brilha como "vida nova", uma Primavera espiritual se quisermos, que se chama RESSURREIÇÃO. O dia maior da história, o dia mais desafiador para a fé, o dia que confirma a esperança para quem acredita, o dia mais insultuoso para quem não crê, embora não dispense o fim de semana grande que o acontecimento proporciona. Enfim, o dia em que o divino irrompeu sobre a nossa realidade humana para dizer que a vida é imortal e que estamos destinados para felicidade eterna. Ninguém disse ou pode dizer como será isso, só ressoou apenas uma voz a dizer que estava garantida a promessa de eternidade, basta ver e acreditar, para que o seu cumprimento um dia aconteça. É este o domínio da fé na ressurreição (a vida nova) que o mistério reserva. Deixemos o silêncio nos falar e não nos perturbemos com a abundância dos acessórios que este dia e o seu acontecimento ainda comportam, para que o essencial aconteça mediante o querer e o jeito de cada um no segredo do seu interior. O excesso de religião exterior não ajuda nada na concentração interior que cada um deve procurar, para que Deus lhe fale da vida em abundância que a Páscoa nos oferece.