Convite a quem nos visita

sábado, 31 de janeiro de 2015

Para o nosso fim de semana. Sejam felizes sem prejudicar ninguém...
Aqui onde a terra é sol
Bate uma vontade de luz
Que os teus olhos vertem
Quando dizes
Toma a sério este raio de amor.
José Luís Rodrigues

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Libertar-se dos espíritos impuros

Comentário à missa deste domingo IV Tempo Comum, 1 fevereiro de 2015
São Paulo nesta passagem da sua primeira carta aos Coríntios, convida os crentes a repensarem as suas prioridades e a não deixarem que as realidades transitórias sejam impeditivas de um verdadeiro compromisso com o serviço de Deus e dos irmãos. A vida do dia-a-dia vai-nos empurrando em direcção aos nossos problemas, questionando as nossas opções, fazendo-nos avançar ou recuar. E questiona sobretudo a dimensão daquilo a que nós chamamos problemas.
Por isso, reparemos… Novecentos e sessenta e três milhões de pessoas (963 000 000) vivem situações de fome ou forte privação alimentar, em todo o mundo. E, tudo indica, a tendência é que isto se agrave. São números da FAO. Apesar da abundância de víveres no mundo, mais de 800 milhões de pessoas continuam a ir dormir de estômago vazio; milhares de crianças morrem, a cada dia, devido a consequências directas ou indirectas da fome, da subalimentação crónica. Apenas e só porque a injustiça é muito grande. Acusam que apenas 1% da humanidade vai deter ou já detém 99% da riqueza que há no mundo. Um escândalo que brada aos céus. Por isso, enquanto as riquezas acumuladas no mundo permitem todo tipo de esperanças, a pergunta mantém-se: é possível acabar com a fome?
Às vezes, chegamos à conclusão que o nosso foco está descentrado, e verificamos o quanto privilegiados somos.
Continua a ser difícil arrancar de nós mesmos a carapaça dos pequeninos problemas que muitas vezes criamos. Mas estes outros continuam a alastrar, e a aproximar-se, cada vez mais, de nós todos. Face a estes problemas que afectam muitos milhões de seres humanos, devemos deixar de nos consumirmos nos pequenos problemas que levantamos aqui ou ali, como se nisso estivesse o centro do mundo e da vida. É preciso aprendermos a relativizar e a levar a vida com algum sentido de humor. São Paulo procura guiar-nos para o essencial e convoca para «o que é digno» para todos nós e mais ainda apela que o essencial «pode unir ao Senhor sem desvios».
Os grandes problemas do nosso mundo requerem uma união firme de toda a humanidade, para que se acabe com este escândalo da fome e de todo o género de pobreza que ainda consome grande parte da humanidade. E se antes pensávamos que estes problemas, eram só dos outros e distantes, afinal, enganamo-nos, estão aí já nas famílias cada vez mais próximas de nós. Por isso, estejamos atentos para sermos amigos e solidários com quem mais necessita.
Ao menos que se cumpra em nós esta mensagem O cristão não pode fazer a sua viagem existencial de olhos fechados, indiferente aos outros irmãos. Tem de observar o mundo humano por onde passa, onde reside, onde trabalha.
O Cardeal Cardijn, ao receber um jovem operário que queria ingressar na Acção Católica, entre outras coisas perguntou-lhe quantas janelas tinha a maior casa da sua aldeia.
- Não sei! - Respondeu o rapaz.
- Então vai, conta-as e volta.
Queria ensinar o jovem a observar o mundo para poder transformá-lo num mundo melhor.
Para poder dar-se, tem de observar onde falta amor, onde falta justiça, onde falta perdão, onde falta a paz. O cristão é um instrumento de melhoria e salvação do mundo humano pela mensagem salvífica de Cristo. Tem de viver a vida de janelas abertas sem cortinas de cobardia, de medo, de egoísmo, de indiferença.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Uma medida de monta que deve fazer pensar

Eis algo concreto para ver se começa a imperar o bom senso neste mundo mergulhado na intolerância, na violência, no fundamentalismo e no terrorismo… Era bom que toda a Europa pensasse nisto, tomassem medidas de monta tipo esta sem medos e sem vergonhas… Aliás, porque há algo de tão estúpido no ar. Qualquer manifestação, mesmo que branda, do Ocidente que coloque os muçulmanos dentro da legalidade, saltam logo as vozes de que há um anti Islamismo primário. Assim sendo, o que serão os massacres levados a cabo por grupos extremistas vindos do Islão na Nigéria e no Norte do Irão? O que será a expulsão de comunidades cristãs dos seus territórios de zonas do globo de predominância muçulmana? O que dizer da destruição de Igrejas e outros bens dos cristãos nesta zona do mundo? O que serão os atentados terroristas no Ocidente mais as intensas ameaças e os apelos ao terrorismo contra os povos ocidentais? – Deixemo-nos de luzes e que comecem a pensar a sério sobre a questão religiosa… Cujo principal item deve assentar na importância do acolhimento e a abertura ao diálogo.
Oiçamos Leonardo Boff: «Quer queiramos ou não, e não obstante o processo de secularização e o eclipse do sagrado, grande parte da humanidade se orienta pela cosmovisão religiosa, judaica, cristã, islâmica, xintoista, budista e outras».
JÁ ERA CHEGADA A HORA !!!
SE NÃO HÁ IGREJAS NA ARÁBIA SAUDITA NÃO HAVERÁ MESQUITAS NA EUROPA ...                                                  
Reciprocidade
A Noruega proibiu a Arábia Saudita de financiar mesquitas, enquanto não permitirem a construção de igrejas no seu país.
O governo da Noruega acabou de dar um passo importante na hora de defender a liberdade da Europa, frente ao TOTALITARISMO ISLÂMICO.
Jonas Gahr Stor, ministro dos Negócios Estrangeiros, decretou que não seriam aceites os donativos milionários da Arábia Saudita, assim como de empresários muçulmanos para financiar a construção de mesquitas na Noruega.
Segundo o referido ministro, as comunidades religiosas têm direito a receber ajuda financeira, mas o governo Norueguês, excepcionalmente e por razões óbvias, não aceitarão o financiamento islâmico de milhões de Euros.
Jonas Gahr Stor argumenta que:
“seria um paradoxo e anti-natural aceitar essas fontes de financiamento de um país onde não existe liberdade religiosa”.
O ministro também afirma que“a aceitação desse dinheiro seria um contra-senso”recordando a proibição que existe nesse país árabe para a construção de igrejas de outras religiões.
Jonas Gahr Stor também anunciou que a “Noruega levará este assunto ao Conselho da Europa” , donde defenderá esta decisão baseada na mais estrita reciprocidade com a Arábia Saudita.
CLARO QUE ESTA NOTÍCIA QUASE QUE PASSOU DESPERCEBIDA EM PORTUGAL, DONDE POR MEDO DE REPRESÁLIAS, OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO... PREFEREM CALAR-SE !
Por isso, isto tem de se saber, e por tal há que difundir esta notícia o mais possível !!! 
Recebido por mail...

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

“Eu o beijei, disse que o amava e pulei com ele pela janela”

Há sinais de Deus extraordinário neste mundo. A mesma humanidade que é capaz de cometer a barbárie é a mesma que é capaz do sublime. Isto merece ser divulgado...
Christina Simoes, uma jovem mulher de 23 anos do estado de Massachussetts, ficou paraplégica ao pular da janela do terceiro andar, na tentativa de salvar seu filho de 18 meses das chamas. Ela não poderá voltar a caminhar, mas afirma que não há melhor maneira de dar sentido à sua vida que salvando seu pequeno.
Esta mulher deu vida ao seu filho pela segunda vez.
“Eu o beijei, disse que o amava e pulei com ele pela janela.” Christina sabia o que fazer quando as chamas e a fumaça invadiram a sua casa. Ela e o seu filho Cameron, de 18 meses, haviam ficado presos quando começou um incêndio no prédio em que moravam. Ela não podia continuar esperando ajuda, e entendeu que a única saída possível era a janela.
Pegou seu filho no colo e pulou de costas. Mais de dez metros de queda, que ela tentou suavizar somente com os pés, para, com os braços, proteger seu filho. O pequeno saiu ileso, mas ela quebrou várias vértebras, e imediatamente perdeu a sensibilidade nas pernas. Arrastou o pequeno fora do alcance dos escombros incendiados que começavam a cair e, pois depois, os dois foram levados ao hospital.
Após uma primeira cirurgia de mais de seis horas, a jovem se estabilizou e começou um longo processo de recuperação e reabilitação, sempre acompanhada do seu filho. Agora, junto a Cameron e seu esposo, ela começa uma nova vida, muito diferente da que levava poucas horas antes do incêndio.
Mas, para ela, tudo isso tem muito sentido: “Eu voltaria a fazer tudo, com certeza. Toda a dor pela qual tenho de passar agora faz sentido ao ver meu filho correr são e salvo”, disse às câmeras de televisão que divulgaram sua história.
Sua família e seus amigos se mobilizaram em busca de fundos para os jovens pais, que não têm nenhum tipo de plano de saúde que cubra os gastos médicos de Christina.
Ainda que muitos a considerem uma heroína, ela explica: “Sou apenas uma mãe”.
(In Aleteia. Artigo publicado originalmente por Alfa y Omega)

sábado, 24 de janeiro de 2015

A Missa

Para o fim de semana. Sejam felizes sem prejudicar ninguém...
A memória viva do tempo
no corpo e no pão
que num Deus
derrama sentido
o sangue que é
vida eterna e transcendente
a esperança.

Não fora esse ofertório
penosa e tenebrosa
seria ainda
a maior solidão
destes dias órfãos
quando bradam aos céus
a desumanidade de uma barbárie
com fome desamparada
que mata o desejo ardente
da paz.

Quando reza para sempre
no encontro desta assembleia
devota a fraternidade nossa
e de Deus
cantam sorridentes
os campos a festa
do amor em flores
balançantes na brisa
suave do dom.
José Luís Rodrigues 

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

O Reino de Deus está no meio de nós

Comentário à missa do próximo domingo III Tempo Comum, 25 janeiro de 2015
O Reino de Deus, na Bíblia, designa um governo ou domínio em que tem Deus por soberano ou governante. É sinónimo de teocracia. Segundo o Génesis, os primeiros humanos rebelaram-se deliberadamente contra a soberania de Deus. O Reino Milenar de Cristo é subsidiário do Reino de Deus.
Entre os teólogos existe conceitos divergentes quanto ao que é concretamente o Reino de Deus, que podemos sintetizar em três pontos:
1. um governo real estabelecido no Céu;
2. uma condição mental existente nos verdadeiros cristãos;
3. a Igreja Cristã.
Segundo uma outra interpretação teológica, o Reino de Deus é o Projecto Criador de Deus a realizar neste Mundo e que consiste na plena realização da Criação de Deus, finalmente liberta de toda a imperfeição e compenetrada por Ele. É interpretado também como o estado terminal e final da salvação, onde os homens irão transcender-se e viver eternamente com Deus.
Lá, a lei do amor incondicional a Deus e ao próximo é finalmente instaurada definitivamente. Não haverá mais tempo, mais sofrimento, mais conflitos, mais ódio, mais vingança, mais crueldade ou barbárie, e o céu e a terra unem-se finalmente.
 Embora Deus seja Todo-Poderoso, Ele quer que nós, humanos, dotados de inteligência e razão, participemos de um modo recíproco, livre e voluntário no Projecto Criador de Deus, o maior de todos os projectos que o mundo jamais viu, englobando todos os tempos, todos os povos e todos os seres do Universo.
Seguindo este pensamento, esta missão torna-nos verdadeiros parceiros de Deus, com muita liberdade e simultaneamente muita responsabilidade. Isto quer dizer que nós temos o poder e a capacidade de acelerar a vinda do Reino de Deus com a nossa fé em Jesus Cristo e com as nossas boas acções.
Os valores principais do Reino de Deus são a verdade, a justiça, a paz, a fraternidade, o perdão, a liberdade, a alegria e a dignidade da pessoa humana. Fica dito o desafio: «Arrependei-vos, porque está próximo o Reino dos Céus» era o tema da pregação de João, o Baptista (Mt 3, 2). O prometido Messias chegara, isto é, quando Jesus de Nazaré foi baptizado e Ungido (Lc 3, 30-31) essa realidade anunciada por João Baptista confirmou-se plenamente.
Todo o ministério de Cristo girou em torno do Reino de Deus. Ele instruiu os seus Apóstolos dizendo: «Pregai que está próximo o Reino dos Céus». Essas instruções seriam repetidas a todos os seus discípulos, a todos os cristãos de todos os tempos e contextos da vida deste mundo (Mt 10, 7; 24, 14; 28, 19-20; Atos 1, 8).
A Bíblia inteira gira em torno da vinda do Messias e do Reino de Deus. Por conseguinte, o Reino de Deus tinha um sentido profético e missionário na vida da Igreja Cristã dos primeiros tempos, é preciso que hoje se retome com convicção esse sentido para que o Evangelho seja hoje realidade viva no meio do mundo concreto dos homens e mulheres deste tempo que é o nosso.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Lições do futebol

Muita gente que quase enlouquece por causa do futebol devia ler isto…

Tento sempre tirar lições positivas ou negativas dos acontecimentos. O mundo do futebol – esse desporto que entusiasma tanta gente até ao tresloucamento de alguns – oferece lições com interesse em que vale a pena reflectir.
Há treinadores que se entregam apaixonadamente à sua missão, julgando com justiça, dando o seu saber, a sua dedicação, a presença junto da sua família e quantos outros sacrifícios, para elevar o seu clube à vitória, algumas vezes ao pódio máximo. Recebem então elogios de toda a gente ligada ao seu clube e exterior a ele. Louvores da imprensa, da direcção, dos aficionados, aplausos de todo aquele mundo.
Mas quando os resultados começam a descer, tantas vezes por motivos alheios ao treinador, a admiração por ele começa também a descer e todos esquecem as vitórias anteriores, os campeonatos ganhos, as glórias alcançadas. Tudo o vento do esquecimento levou…
Segue-se a rescisão do contrato, a despedida amarga e até o espectro cruel do desemprego. É este um retrato de todos os dias do futebol da vida.
Sempre que alguém rende na sua actividade, os êxitos são reconhecidos, apreciados e louvados.
Mas quando a idade avança, quando a saúde falha, quando o desgaste debilita, quando as circunstâncias não são favoráveis, os maus resultados são imputados ao responsável, o apreço desaparece, os valores são esquecidos e segue-se a rescisão do contrato e a despedida.
É esta incoerência injusta, que continuará a ser praticada, no mundo do futebol e fora dele, por todos quantos olham os seus colaboradores apenas pela óptica dos resultados e das vitórias…
Mário Salgueirinho