Convite a quem nos visita

segunda-feira, 15 de março de 2010

Um Sentido Para a Vida

Valeu-me a pena viver? Fui feliz, fui feliz no meu canto, longe da papelada ignóbil. Muitas vezes desejei, confesso-o, a agitação dos traficantes e os seus automóveis, dos políticos e a sua balbúrdia - mas logo me refugiava no meu buraco a sonhar. Agora vou morrer - e eles vão morrer. A diferença é que eles levam um caixão mais rico, mas eu talvez me aproxime mais de Deus. O que invejei - o que invejo profundamente são os que podem ainda trabalhar por muitos anos; são os que começam agora uma longa obra e têm diante de si muito tempo para a concluir. Invejo os que se deitam cismando nos seus livros e se levantam pensando com obstinação nos seus livros. Não é o gozo que eu invejo (não dou um passo para o gozo) - é o pedreiro que passa por aqui logo de manhã com o pico às costas, assobiando baixinho, e já absorto no trabalho da pedra.
Se vale a pena viver a vida esplêndida - esta fantasmagoria de cores, de grotesco, esta mescla de estrelas e de sonho? ... Só a luz! só a luz vale a vida! A luz interior ou a luz exterior. Doente ou com saúde, triste ou alegre, procuro a luz com avidez. A luz é para mim a felicidade. Vivo de luz. Impregno-me, olho-a com êxtase. Valho o que ela vale. Sinto-me caído quando o dia amanhece baço e turvo. Sonho com ela e de manhã é a luz o meu primeiro pensamento. Qualquer fio me prende, qualquer reflexo me encanta. E agora mais doente, mais perto do túmulo, busco-a com ânsia.
Raul Brandão, in " Se Tivesse de Recomeçar a Vida "

2 comentários:

tukakubana disse...

Esta é a reflexão de que necessitamos fazer na vida. "que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga, debaixo do sol?"

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luís, Raul Brandão é dos meus preferidos desde os seus Diários até um livro muito interessante que aborda os problemas das injustiças laborais chamado "Os Operários". Raul Brandão é um existêncialista, um antropólogo, que aborda questãos muito actuais. Ele tinha uma paixão pelos açoreanos e muito menos por nós madeirenses. Talvez tenhamuita razão. Mas a maioria dos livros dele são de uma profundidade existencial agónica, ao nível de Malraux e Camus, até de Sartre.