Convite a quem nos visita

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Tive um sonho….

Nota: Faço minhas estas palavras do Bispo D. Januário Torgal Ferreira. Afinal, ainda há oásis neste deserto. E como vale sempre a pena sonhar militantemente...
Sonhei que o Papa nunca seria mais considerado Chefe de Estado, após ter alienado o território do seu domínio temporal, dispensado a força militar suíça, os múltiplos eclesiásticos de carreira, à sua volta, e após doar os edifícios do Vaticano para trabalhos de reflexão e desenvolvimento da Igreja, a serviço do mundo, ter-se-ia reservado um espaço de dimensões mais normais e simples. Longe de prisioneiro dum “resort”, tornou-se habitante dum mundo mais humano e próximo, sem hauras míticas.
Sonhei que as solicitações pastorais, desde os altos das montanhas até ao alongado dos vales, com capelinhas brancas e Igrejas de todo e qualquer volume, deixariam de ser campânulas a mendigar multidões de pastores, de acordo com imponências de “marketing”: “quantos mais, melhor”, à semelhança de avanços guerreiros.
E, com os meus botões, lá fui cogitando que o único necessário era a qualidade da luz, mesmo se nascida de um toco de luminária, sem pretensões nem altura. Tanta gente, apesar de cada vez menos! Mas a capacidade para dar esperança e saber? E o entusiasmo não estragado pela esterilidade dos interesses? E o ter gosto pelo que se é, pelo que se propõe, pelo que se constrói? Armazém de multidões? Ou a ligeira noz sobre as águas, com alguns a dormitar na barca, mas, pelo menos, um desperto pela qualidade?
Sonhei que os lugares mais escondidos, os quais nunca se mostram pela vulgaridade, tristeza e abjecções que encerram (capelas imperfeitas…de humanidade), seriam visitadas pelo doce Rabi da Galileia – como me habituei sempre a voltar ao “Suave Milagre” de Eça de Queirós…! Fica sempre muito longe a dor. Mora, para além das serras, a desdita.
Fica muito mais à mão o imediato, o empolgamento, as palmas e as emoções, o barulho e a festa. E as pessoas que se mostram e que guardarão sempre um “pró-memória” de que, no banquete, tiveram os primeiros lugares.
Sonhei que muitos divorciados recasados tiveram a dita de ser compreendidos no drama da sua ruptura, e de por fim, sem o solicitarem, terem obtido uma declaração de nulidade de um casamento de que foram protagonistas, no qual saborearam a amargura da inexistência e do sem sentido.
Sonhei que, afinal de contas, a simplicidade era a forma mais importante da apresentação e que títulos e condecorações, fardas (eclesiásticas e congéneres…) e bandas largas punham mais à vista o que não movia o verdadeiro mundo das mulheres e dos homens.
Sonhei que era muito mas singular estudar do que fazer nada, organizar do que gastar o tempo na dispersão, ouvir alguém do que lhe gritar aos ouvidos, aprender do que estar convencido, sentir-me bem do que comer e respirar tédio.
Sonhei que santos passavam por mim todos os dias, sem processos nem brios de agremiação, sempre receosos de que descobríssemos a originalidade nos desarrumos do mais banal.
Sonhei que os aflitos e os pobres tinham um defensor em cada crente e que o voto feito em seu favor equilibrava a balança dos orçamentos e encontrava trabalho para cada braço.
Sonhei que o mundo se voltava para aquela mesma janela, que Goethe mandou entreabrir, ciciando: “Mais Luz”…
E, quando acordei, vi, de imediato, por que tinha sonhado tantas coisas: até altas horas escutei um mundo de gente que me encheu de perguntas sobre a quase chegada de Bento XVI a Portugal!
MDN, Capelania Mor, 7 Maio de 2010
Januário Torgal Ferreira
Bispo das Forças Armadas e de Segurança

3 comentários:

tukakubana disse...

Belíssimo o sonho de D. Januário, sonho esse que muita satisfação daria aos Católicos se fosse realidade. Sábias palavras ditadas por um coração inquieto, contristado, mas esperançado também.
Pena que nem o sonho de D. Januário nem o nosso, se concretizem. Mas a nossa Fé não é vã e os tempos de purificação talvez sejam necessários, embora sofredores.

Catequese caminhando disse...

Paz e bem!
A partir desse domingo 09/05 haverá um selo no nosso blog pra vc.

Beijos,
Clécia e Sandra
http://catequesecaminhando.blogspot.com/

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luís´, faz falta gente na Igreja como o Bispo Januário. Só quero ratificar tudo o que disse a Tukakubana, está feita uma grande síntese desse magnífico texto.