Convite a quem nos visita

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Tesourinho deprimente

O programa da RTP-Madeira, Interesse Público, passado no dia 11 de Maio de 2011, prometia o seguinte: «Esta noite emissão interactiva com a RTP Madeira via Facebook. Programa Interesse Público vai abordar os Desafios da Religião no nosso tempo. Numa época materialista, científica e tecnológica qual o papel da Religião? Como cativar os mais jovens? O celibato obrigatório e o acesso das mulheres ao sacerdócio serão outros temas em debate». A montanha pariu um rato. O debate não passou de um verdadeiro tesourinho deprimente. Porquê?
- Porque nada se disse sobre estas questões. Ninguém do painel de convidados esteve à altura para responder às questões com sabedoria e verdadeira preparação sobre estes assuntos. Até acho que foi desconcertante para não dizer desolador a ligeireza dos vários pronunciamentos sobre estas questões tão importantes nos tempos actuais. O programa fazia corar de vergonha os imensos movimentos que se mobilizam à volta destas questões pelo mundo fora.
Quanto aos jovens nada foi dito senão acusá-los como perdidos e uns ocupados em tudo e mais alguma coisa, menos nas coisas sérias, que são, obviamente, as coisas da religião.
Quanto ao celibato dos padres, ninguém disse que é um valor extraordinário que a Igreja tem, mas que deve ser uma opção dos candidatos ao sacerdócio e não uma transversal imposição. Ninguém se disponibilizou para falar nas múltiplas questões que o celibato dos padres implica. Uma nulidade o pouco ou nada que ali se falou sobre esta matéria.
O acesso das mulheres ao sacerdócio. A forma como foi tratado, revelou-se ofensivo para as mulheres. Esta questão radica no facto seguinte, como convive a Igreja Católica com o facto de reduzir a mulher à limpeza do pó das igrejas? - Ninguém percebeu que esta é já uma crítica à Igreja Católica... Mais se deve dizer que o mundo de hoje não compreende que a Igreja tenha sete Sacramentos, seis sacramentos as mulheres podem receber, mas um, o da Ordem, que é o Sacramento que permite o acesso à função clerical, está vedado às mulheres. Esta é que é a questão e com base nisto deve ser debatido com coragem e liberdade de pensamento. As amarras nestas matérias não ajudam ao diálogo esclarecido.
Neste debate nenhuma confissão religiosa assumiu a crise. Crise, só na família, na política, na sociedade, no mundo... Se há alguma antipatia ou afastamento em relação às Igrejas isso deve-se só e unicamente à comunicação, à linguagem que não é entendida pelo mundo de hoje, grosso modo, pelos jovens... Não e não, a crise, não está só nos outros. Está também em quem acha que só os outros é que passam por isso de uma crise e resistir fixando-se em discursos feitos, em dogmas anacrónicos que desgastam as Igrejas e aborrecem as gerações actuais, especialmente, os mais jovens.
Por fim, uma nota sobre o sofrimento. Ninguém soube responder à questão, «onde está Deus quando há pessoas que morrem de fome, por causa de todo o género de violência... Uma criança vai da catequese para casa, cai dentro de um poço, onde está Deus?» Uma pergunta actual e importante para o mundo de hoje. Nenhuma pessoa do painel soube dar uma resposta convincente. A minha catequista a D. Mariazinha que mal sabia assinar o nome e pouco sabia ler daria uma resposta consistente sobre este assunto. Diria, Deus está em cada vítima da injustiça e do sofrimento. Deus contorce-se com dores em cada pessoa que enferma sob o domínio da doença, da fome e de todos os tipos de violências que grassam no mundo. Deus morreu e morre em todas as vítimas dos acidentes desta vida limitada e frágil. Deus morreu na criança que caiu no poço e aí encontrou a morte. Deus está em cada um e em cada qual e «encarna» tudo o que acontece em cada um, por isso, se diz que por esse Deus presente na vida concreta da pessoa, Ele manifesta o seu Amor e a vida em Abundância. Daí que se compreenda a ressurreição para depois da morte e a vida eterna. É neste Deus que fixo a minha fé e a minha esperança...
JLR

1 comentário:

tukakubana disse...

É uma pena que não haja quem, a sério, queira discutir o problema.Em nada esta Igreja de hj tem comparação ao legado de Jesus, e a minha maior pena é que se continue a transmitir de pais para filhos, c/catequistas analfabetas (no conhecimento religioso)que o que é importante é ir à Missa ao domindo, à catquese e comparecer nas ocasiões de massas. Quando se vê fazer silêncio na Igreja, reflexão?