Convite a quem nos visita

domingo, 11 de março de 2012

O verdadeiro jejum

Deixemo-nos de fantasias patéticas de um pseudo-jejum tipo aspirina espiritual - (destaque do Dnoticias)
....
Agora que estamos no ritmo anual da vida das comunidades cristãs no Tempo da Quaresma, ocasião de penitência, oração e silêncio de quarenta dias que antecedem a celebração da Páscoa vem sempre ao debate o tema do jejum. Sobre este assunto pairam alguns medos e uma fixação rubricista anacrónica.
Vejamos então. A Igreja hoje prevê apenas dois dias no ano o jejum, a Quarta-feira de Cinzas e a Sexta-feira Santa. Nada de especial. Cada fiel procura da melhor forma viver essa prescrição. O mais importante é saber-se qual o verdadeiro jejum que agrada a Deus e ao saudável convívio entre as pessoas. Penso que nos falta fazer esta pregação e a conversão consequente devia chegar aos crentes.
O verdadeiro jejum proclama-o o profeta Isaías quando diz o seguinte: «Acaso não é este o jejum que escolhi? que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo? E que deixes ir livres os oprimidos, e despedaces todo jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? Que vendo o nu, o cubras?» (Is 58,6-7).
No capítulo quarto do Evangelho de S. Mateus Jesus desmascara as tentações satânicas de uma religião utilizada para proveito pessoal, uma religião onde se procura honras e poder entre os homens, sobretudo, entre os poderosos deste mundo. Por isso, guardo com muito carinho uma frase de Santo Afonso de Ligório: «É uma grande injustiça impor às consciências normas e leis se não pudermos provar claramente que elas são queridas por Deus». Muita da intriga palaciana que se passa dentro da Igreja Católica que, escandalosamente, a comunicação social de todo o mundo nos vai dando conta, reclama um forte jejum para que todos os gananciosos de poder e de mordomias se convertam à missão-serviço em nome de Jesus de Nazaré. Este sim para a Igreja que se reclama herdeira do Evangelho de Jesus, o modelo autêntico do poder-serviço dos sem lugar e vez neste mundo dos poderosos.
Não podemos aceitar que se anuncie o desprendimento, a caridade e a radicalidade da entrega à causa do Evangelho, mas depois assumem-se sem pudor as púrpuras envernizadas, o luxo principesco e a avidez pelos bens materiais como principal razão de ser do «serviço» da causa que se abraçou.
O Papa João XXIII dizia inspirando-se no Evangelho: «Eu saltei da barca e caminho sobre as ondas ao encontro de Cristo que me chama. A Igreja deve renunciar às suas certezas. Deve abandonar a segurança da barca e caminhar sobre as ondas. Chegará a noite, a tempestade, o medo. Mas não há que retroceder. A Igreja é chamada a ir ao encontro do mundo».
Vivemos séculos de doutrina doce e continuamos a mascar a pastilha elástica insonsa de uma mensagem no sentido de um moralismo mole que não pode eliminar a força da mensagem daquele que veio «lançar fogo à terra» (Lc 12, 49). «Julgam que vim trazer a paz ao mundo?! De modo nenhum: o que eu vim trazer foi a divisão» (Lc 12, 51). Porque, creio no Jesus libertador de todas as amarras, da injustiça, um Jesus que diz não à pobreza, à guerra, ao assalto à natureza em nome da cobiça, ao racismo, à violência brutal contra as mulheres, crianças e velhos à qual nenhuma sociedade escapa, na qual nenhuma tem as mãos limpas. Creio no Jesus da esperança dos sem esperança. O Jesus do abraço sem fronteiras.
Deixemo-nos de fantasias patéticas de um pseudo-jejum tipo aspirina espiritual que não transforma nada e vamos proclamar um Jesus que desprende de um ser cristão anestesiado com rubricas à margem da vontade de Deus.
José Luís Rodrigues, texto de opinião publicado no Dnoticias de 11 de Março de 2012 na Secção Sinais dos Tempos.

3 comentários:

M A R I A disse...

Gostei especialmente de ler este texto. Eu que como a grande maioria dos Portugueses tive uma educação católica-cristã, desencontrei-me com a Igreja ao longo do meu processo de crescimento e amadurecimento. Mas anseio sempre por um apelo a caminhar sem qualquer temor sobre as ondas. Faz tanta falta Cristo a cada um de nós, nestes nossos dias, Esse a cuja palavra o mar se fez caminho seguro para o homem, como faz falta Esse Cristo à verdadeira Igreja. Cristo em momentos cruciais da sua vida na terra mostrou bem o que pensava a respeito de certos temas, basta lembrar o que Ele fez aos vendedores do Templo ... Esta Igreja de hoje, revestida a sedas e oiros, será ainda a Igreja de Cristo? Perdoar-me-á, julgo que não. E é talvez por isso que hoje as pessoas O procuram em tanto lado, mas cada vez menos nesta Igreja, lamentavelmente.
Louvo a sua coragem é sempre mais fácil não perguntar, dizer sim, nunca não. Espero que os seus propósitos sejam compreendidos e apreciados. Nunca compreendi muito bem o significado do jejum, mas minha avó fazia jejum e oração pela "intenções" dela. Uma vez fez jejum e oração três dias pela vida de um neto que estava doente por ter contraído uma menigite de que diziam os médicos lhe sobreveria a morte. Será que Deus se conduz por este géneros de sacrifícios nossos ? Queria compreender... Muito obrigado, bem haja por este espaço.

José Luís Rodrigues disse...

Maria, obrigado pelo seu comentário. Muito bom... Quanto à pergunta que faz sobre se Deus quer sacrifícios para conceder graças... Amiga, sou totalmente agnóstico destas criações de Deus. Creio no Deus que nos liberta e no Deus que é sempre amor. Fora disso não creio em nada, porque são puras criações humanas. Tudo de bom para si...

M A R I A disse...

Muito obrigado.
Minha mãe, até hoje faz dias de jejum e oração não apenas pela quaresma, mas quando quer dirigir uma prece de valor muito especial para ela a Deus.
O que eu sinto é que na pessoa que o faz com fé e vontade própria, algo acontece,é como se lhe fortificassem certezas após um sério processo de reflexão e daí decorre em regra um fortalecimento da sua vontade e uma clarificação das suas ideias. Mas isto no fundo é não mais que o resultado de um acto de auto avaliação que todos podemos fazer à nossa maneira. Agradeço muito a gentileza da sua resposta.