Convite a quem nos visita

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

A Sabedoria de Deus é a fraternidade

Comentário à missa deste domingo VI Tempo Comum
16 fevereiro de 2014
O cristianismo que nós professamos não é uma religião de simples seguidores de um plano ou projecto político ou social. É antes uma forma de vida que nos toca por dentro, porque nos convoca para o seguimento de uma pessoa concreta que nos fala e nos desafia para atitudes de amor, isto é, os outros, homens/mulheres, deixam de ser apenas semelhantes, são irmãos que devemos acolher e amar. Cristianismo é igual a fraternidade.
Os mandamentos que Jesus nomeia no Evangelho deste domingo servem para nos despertar para a dimensão essencial do Reino de Jesus, que assenta numa irmandade, porque todos são filhos do mesmo Pai e abraçados pela mesma força espiritual que imana do coração de Deus, que se define pelo amor desmedido pelos outros, onde o respeito e a fidelidade à vida são valores essenciais que se destacam. Quer Jesus ensinar-nos, que diante de Deus mais vale não condenar e não julgar ninguém, porque no mundo não existe pessoa nenhuma que seja perfeita ou que não tenha defeitos. Devemos sim estar atentos às atitudes dos nossos irmãos e sempre que seja necessário procurar fazer o bem mesmo que a troca recebida seja desagradável.
Nisso consiste a Sabedoria de Deus, embora «misteriosa e oculta», como refere São Paulo, mas sempre do lado da humanidade para a salvar e a levar à felicidade. Face a essa Sabedoria divina, perguntemos: porque permite Deus acontecimentos trágicos, como atropelamentos, doenças incuráveis, acidentes terríveis com pessoas maravilhosas, guerras intermináveis em muitos cantos do mundo e desordens de todo o género? - A criação, para fazer-se jus à sua definição, fez-se limitada, frágil e sempre instável. Daí a sua beleza e riqueza. Mais ainda, muitas das desgraças acontecem porque, quem as devia evitar, não se deixou penetrar pelo «que há de mais profundo em Deus e no seu coração».
O desafio é este, pede-nos Jesus que sejamos misericordiosos e que não nos deixemos levar pelos instintos primários das emoções. Face à instabilidade do mundo e da vida, sejamos seguros na confiança, na esperança. E que a alegria da Sabedoria de Deus esteja no nosso coração, porque soubemos escolher a «glória» que Ele nos destinou. Assim, viveremos na Sabedoria e descobriremos o quanto é benéfico para a felicidade ser capaz de fraternidade.

Sem comentários: