Convite a quem nos visita

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O sem abrigo também é gente como a gente

Todas as noites são um suplício e ainda mais se forem as noites outonais ou as do inverno, que sempre são as piores de passar no olho da rua. O dia até se passa bem, o movimento faz esquecer esta condição de sem teto e sempre aparecem almas caridosas que partilham moedas, pão e comida. Quando isto não acontece vamos lá até às portas das igrejas da cidade a ver se os fiéis reservaram alguma moedinha para colocar sobre estas mãos gretadas e sujas. Nem sempre a sorte derrete aqueles corações, mas em tantos que por ali entram e saem, algum no fim das contas sempre abre o coração à bolsa. O dia até se passa bem. Há movimento. Há luz. Há pessoas. Há de tudo um pouco que ainda ninguém conseguiu que quando vêm não fossem para todos.
Pior é sentir que a horas passam e a noite vem aí implacável de rajada como se precisamos de sofrer ainda mais um castigo todos os dias por causa da fatalidade do pedaço de vida que o criador reservou para estes vencidos da vida. Mas, aceitam e esquecem essa tal má sorte. Não serve para anda andar para aí revoltoso contra um nada que não responde nem menos se lhe ouvi alguma vez um ai que fosse. Daqueles que desse falam não creio numa palavra deles, são todos uns mentirosos, desabafa quem não tem nada a perder, porque já perdeu tudo.
Mas, apesar tudo, sem revoltas e sem rancores vamos todos os dias e todas as noites fazendo pela vida. A pedra que nos acolhe sempre está pronta e disponível para receber este corpo mais uma vez deitado sobre os cartões e os trapos que outro desamparado ainda não se lembrou de surripiar.
O teto é amplo e o terreiro é enorme. Uma rua inteira só para três e um céu do tamanho do infinito para cada um, é o teto do «apartamento» que me permitiram escolher. E reparem, por favor, como este teto tantas vezes se enfeita com estrelas cintilantes que nas noites frias permitem algum sorriso.
Enfim, cada dia e cada noite de um sem-abrigo são uma história sempre nova. Não há rotinas. O dia é uma luta por comida, alguma roupa e bebida (vinho de pacote, porque custa menos que um litro de leite). A noite cai vertiginosa e inquietante, porque não sabe se virá chuva, embora ela se adivinhe nas noites de inverno, frio virá sempre seguramente, a pedra-cama também não está garantida, pode ser que outro tenha chegado primeiro e roubado o seu lugar.
Esta é a vida de muitos desafortunados da vida que as estrelas iluminam carinhosamente, mas tantos com responsabilidade sobre os demais, passam indiferente como se uma pessoa alguma vez pudesse ser lixo.  

Sem comentários: