Convite a quem nos visita

terça-feira, 4 de agosto de 2015

A emigração tem muito que se lhe diga

A RTP- Madeira, em reportagem do Clube de emigrantes Venezuelanos lá para os lados do mijadeiro em São Martinho, chamou ao microfone para botar palavra o seu inefável líder Olavo Manica com esta tirada: «Eu penso que a emigração nos enriquece». Tomara que sim. 
Mas pelo que vejo daquela emigração dos anos 60/70 não me parece que assim seja tanto. Alguns regressam iguais ou piores e com a mesma ideia de que a Madeira devia ser pobre e eles endinheirados. A Madeira devia ser católica ainda com mantilha na cabeça das mulheres e o terço na mão, mas as suas mulheres não. Esses «ricos emigrantes» vêm ansiando ver as paisagens da Madeira ainda a preto e branco como era quando eles de cá se piraram com vontade de enriquecer, não com sabedoria, mas com dinheiro. Pelo amor de Deus. A emigração é a última hipótese, o último recurso que sobrou a tanta gente que tem que sair para encontrar trabalho para ganhar dinheiro para matar a fome. A emigração é um caminho doloroso para as famílias que vão e para as que ficam. A emigração quando é um mal necessário é a evidência mais concreta para avaliarmos o quanto estamos mesmo pobres.
Pensamos só um pouco no drama desta onde de emigrantes que batem às portas da Europa, onde encontram líderes europeus energúmenos, que lhes chamam nomes feios e erguem muros altos para que a «praga» não entre. Viria dos seus países de origem toda esta gente arriscando a vida, se tivessem condições adequadas de desenvolvimento, segurança e paz? - Claro que não. É a pobreza, a insegurança, a falta de trabalho, a corrupção e todas as desgraças que a humanidade provoca a si própria que faz levantar os povos para a emigração.
A emigração enriquece quando as pessoas são bem recebidas nos países para onde foram, já vinham qualificadas ou então se procuram qualificar-se minimamente mediante as propostas para tal que os países eventualmente ofereçam. Mas se vão unicamente para encher os bolsos à conta de falcatruas e negócios escuros, a única riqueza que se pode falar é dos bolsos.   

Sem comentários: