Convite a quem nos visita

quinta-feira, 19 de março de 2015

A salvação e a vida eterna começa neste mundo

Comentário à missa deste domingo V do tempo da Quaresma, domingo 22 março de 2015 
O grão de trigo lançado à terra morre para depois rebentar cheio de vida nova, para dar muito fruto. Esta imagem do trigo que morre ao ser lançado na terra para nascer de novo, é uma alusão à morte de Jesus. O próprio Jesus anuncia a sua morte e que ela é necessário acontecer para que a glorificação seja depois uma realidade.
A glorificação é sinónima de ressurreição. Nos textos da missa deste Domingo, Jesus Cristo fala-nos do tipo de morte que vai sofrer. Embora se descubra que esta morte é inevitável, ela acontecerá para que do escuro do sem sentido da morte todos sejam atraídos para a vida nova (ressuscitada) que emerge do coração do Deus Pai/Mãe. Por isso, o autor do texto de Hebreus afirma de forma categórica que Cristo «tornou-se para todos os que lhe obedecem causa de salvação eterna», pressupondo que, o contrário será incorrer na condenação eterna.
Mas, não nos fixemos apenas nas coisas da outra vida. Vamos tentar acolher que a ressurreição pode ser algo que se experimenta agora e não apenas depois da morte física. Uma vida dedicada ao serviço dos outros é já uma vida que participa na ressurreição. Outras vidas constantemente viradas para o egoísmo, o rancor e o ódio são vidas que não participam na ressurreição e enquanto não houver arrependimento e conversão nunca haverá lugar para a ressurreição ou glorificação. E dizer estas palavras (ressuscitar e glorificar) é o mesmo que dizer felicidade e alegria.
A não participação na ressurreição implica estar só e apenas voltado para os bens deste mundo ou sempre empenhado na recusa daquilo que edifica a felicidade para todos. Por isso, diria que a ressurreição é o encontro com a paz do coração que Deus concede a todos os seus filhos.
A ressurreição é a partilha do amor de forma desinteressada e com total disponibilidade para servir a causa do Evangelho de Cristo, que consiste em procurar sempre fazer deste mundo um lugar orientado pela ética, pela honestidade, pela paz e pela fraternidade.
Foi por causa dessa necessidade de sermos vida em doação constante que o Papa Francisco afirmou a propósito do martírio do bispo Óscar Romero: «dar a vida não significa ser morto: dar a vida, é ter espírito de martírio, é dar-se no silêncio, na oração, no cumprimento honesto do dever; dá-se a vida pouco a pouco, no silêncio da vida quotidiana, como a dá a mãe que, sem medo, com a simplicidade do martírio materno, dá à luz, amamenta, ajuda a crescer e cuida de seu filho com carinho» (foi uma citação do Papa Francisco a 7/01/2015 de Óscar Romero).
Assim, glorificar-se é estar já na dinâmica do acontecer de Deus. No fundo, será essencial nunca recusar a possibilidade do amor como condição essencial da descoberta da vida partilhada para o bem de todos. Perante este valor da salvação eterna que Jesus nos oferece, porque será tanto o medo sobre a morte? - O medo da morte comanda ainda tanto o coração da humanidade porque falta acreditar profundamente neste mistério que Jesus veio trazer para junto de todos nós. A morte humana, é apenas uma passagem para a plenitude da vida ressuscitada. Somos levados a concluir que a morte cristã é a passagem para a vida verdadeira. Nada nos deve fazer temer a morte. Se alimentamos a vida terrena com a fé na pessoa de Jesus, a morte não é uma derrota mas a vitória final que nos coloca nos braços misericordiosos de Deus Pai.

Sem comentários: