Convite a quem nos visita

quinta-feira, 9 de abril de 2015

É preciso nascer de Deus para renovar a vida

Comentário à missa deste domingo II Páscoa, 12 de abril de 2015
Neste segundo domingo da Páscoa, celebramos com renovado entusiasmo a vida nova que nasceu da cruz e da ressurreição de Jesus. A partir daqui surgiu uma comunidade de pessoas que se anima na fé e na esperança, porque anuncia o milagre da ressurreição de Jesus, que não se circunscreve apenas e só para o Filho de Deus, mas para a humanidade inteira. A esta comunidade nova compete fazer a proclamação desta notícia a todos os povos da terra.
A primeira leitura apresenta qual é o quadro ideal dessa comunidade. É uma comunidade que se forma na maior das diversidades, nela se concentram pessoas de todos os quadrantes sociais e com os mais diferentes modos de pensar e de ser, porém, são conduzidos pela mesma fé «num só coração e numa só alma». A dimensão da fraternidade é a luz que mais brilha nesta comunidade pelos gestos concretos da solidariedade, da partilha dos dons, sejam eles humanos, espirituais e materiais. Nesta comunidade não há pobres e se os existir logo são integrados no seio da comunidade com todos os direitos e deveres. Ninguém fica para trás.
Um exemplo que precisa de ser retomado nas nossas comunidades de hoje, mesmo que nos nossos tempos a pobreza seja dos problemas mais complexos que temos que lidar. Os seus tentáculos são enormes e a sua complexidade pior ainda, mas não podemos de forma nenhuma deixar que esta questão não faça parte da vida das comunidades. O exemplo dos primeiros cristãos assim nos desinquieta e desafia a tomar a sério essa dimensão do cuidados dos mais necessitados.
Na segunda leitura e no Evangelho, ambos os textos de São João, podemos ver que partir da Páscoa de Jesus Cristo, descobrimos que "nascer de Deus" é ressuscitar. A Ressurreição mostra-nos claramente que a vida venceu a morte e que com esse acontecimento inaugura-se o tempo escatológico da acção do Espírito Santo.
A era do Espírito, começa com as palavras de Jesus ressuscitado, atestando que sem a acção transformadora do Espírito Santo nada será possível realizar. Estamos diante da realização da promessa de Jesus: "Não vos deixarei abandonados, vou enviar-vos o Espírito..." (Várias vezes pronunciou esta ou outras frases semelhantes nos Evangelhos, quando se refere ao Espírito). Jesus revela-nos agora que chegou o tempo do Espírito Santo e sem Ele nada pode ser feito (este aviso também foi pronunciado várias vezes por Jesus).
Por isso, há-de ser o Espírito que realiza o mais nobre ministério, acreditar ou como se refere São João, viver "a nossa fé". Esta é a Missão principal que Jesus confere aos seus Discípulos, que consiste em promover a paz através do perdão dos pecados e mediante a força da fé e da esperança que emergem do coração sempre renovado. Somos todos nós os continuadores deste anúncio. É o Espírito que sempre nos deve fazer renascer, para que a vida não se torne uma prisão, mas libertação para a felicidade. Nisto consiste o nascer de Deus e para Deus. E como precisa o nosso mundo deste testemunho.

Sem comentários: