Convite a quem nos visita

sábado, 14 de abril de 2018

A guerra

Ao sétimo dia
Tu és escombros malditos
visão infernal do tempo
que passa debaixo dos pés
em lágrimas e sangue dos aflitos.

Tu és ruínas escabrosas 
da injustiça vertiginosa 
do nosso mundo
quando cala a fome e a dor
com palavras bonitas mas manhosas.

Tu és som e fumo da explosão
que a maldade daninha 
semeia sobre os campos da vida,
não há inteligência nem luz
que nos desvele a segura a paz
pois tantos do outro lado da trincheira
almejam a harmonia do coração.

Tu és clamor de fétidas chagas
de homens feridos e mortos
murmúrios que atravessam lágrimas
e todos os mapas da terra
uma lástima interminável a guerra
se falam armas é a pior das pragas.

Tu és o que reduz a pó
o fim da alegria
a morte da memória de povos
que não se escutam
porque vão contra os ventos e as águas
e são ganância tenebrosa
do egoísmo que teima dizendo
pelo retenir das armas
que pode ser possível no mundo estar só.
JLR

Sem comentários: