Convite a quem nos visita

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Fim da dinastia carolíngia

Este bocadinho de história que apresento a seguir ajuda a perceber os delírios e as asneiras do fim da Madeira Nova... 
Pelo amor de Deus, não há ninguém que avise alguém o seguinte: a 29 de Setembro houve eleições autárquicas e que os eleitores aplicaram uma forte derrota a um determinado partido e outros as ganharam... Custa muito chamar à razão que isto é o mais normal em democracia? - Já não sei onde estou... 
Carlos Magno por Albrecht Dürer

Recebeu o nome de Império Carolíngio  (também conhecido como o Império de Carlos Magno), o império estabelecido pela dinastia carolíngia, da qual foi seu maior representante Carlos Magno (742 – 814). Ocupando grande parte da região central da Europa, este estado medieval é o embrião da actual França.
Com a morte de Carlos Magno, em 813, o poder passou para seu filho Luís, o Piedoso, que governou até 840. Fortemente influenciado pela Igreja, Luís foi um monarca fraco. Terras da Igreja e domínios senhoriais conseguiam livrar-se do controle do poder central, tornando-se autónomos e livrando-se do cumprimento de suas obrigações para com o poder central.
Seu governo coincidiu também com uma nova onda de invasões, que caracterizaram toda a Europa ocidental do século 9. Vindos da Escandinávia, os vikings e seus navios de quilha rasa subiam os rios, espalhando a morte e a destruição por vastas áreas. Os sarracenos, piratas muçulmanos do norte da África, assolaram as zonas litorâneas da Itália e da França. E os magiares (ou húngaros), cavaleiros nómadas das estepes da Ásia central, submeteram o norte da Itália e a Alemanha a contínuas incursões de pilhagem.
A morte de Luís significou o fim da unidade imperial. Seus três filhos repartiram o Império no Tratado de Verdun (843). Carlos, o Calvo, ficou com a França Ocidental (que deu origem ao Reino da França); Luís, o Germânico, com a França Oriental (a futura Alemanha); e Lotário, com a França Central, repartida após a sua morte, em 870, entre Carlos e Luís.
A autoridade real esfacelou-se rapidamente. Condes, duques e marqueses usurpam os poderes reais e passam a exercê-los em nível local. Em 877, os domínios, chamados então de feudos, tornam-se hereditários. Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os ataques vikings, cedeu-lhes o ducado da Normandia, origem de sua outra denominação, normandos.
Gilberto Salomão, In UOL

Sem comentários: