Convite a quem nos visita

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

A ditadura das sondagens

O debate político nesta campanha como seria de esperar não existiu, porque os partidos políticos não quiseram e a lógica da luta pelo poder também não alinha por aí. É algo que os cidadãos responsáveis consideram ser muito importante, os partidos políticos ávidos de tachos e loucos pelo poder não lhes interessa nada o debate das ideias e muito menos o escrutínio das propostas e das suas opções no exercício do poder se forem eleitos.
Por isso, tivemos o domínio diário das sondagens, que serviam para os líderes partidários alinhavarem as inutilidades que debitavam nos seus inúteis discursos nos comícios e arruadas. Também foram o prato principal dos comentadores dos diversos órgãos de informação.
As sacrossantas sondagens foram impondo, cada uma mais certa que a outra, que estivámos aí no empate técnico entre duas forças partidárias ou que havia uma subida ou descida de um ponto, dois ou mais deste partido ou daquele. O que tivemos foi antes um festim que redundou numa pobreza generalizada. Porque todos foram tomados pela loucura das sondagens. Elas foram o centro da campanha eleitoral. Tomaram conta de tudo.  
Por isso, podemos dizer que temos a nova ditadura das sondagens, que na noite eleitoral, espero, que todas tenham uma clara derrota para bem da saúde democrática e para o nosso equilíbrio mental. Não há outra forma de combater este estado de coisas senão por aí, pela lucidez e responsabilidade dos cidadãos eleitores. Espero por essa maturidade democrática no dia das eleições. Pode ser esperar muito, mas prefiro estar assim.  
A comunicação social, obviamente, que fez o seu trabalho, mas também dominada por esta loucura das sondagens diárias, fez um frete aos partidos políticos e permitiu que não fossem escrutinadas como deviam as propostas e as promessas de cada um. Quem se lembra do pé para a mão de uma promessa, mesmo que estapafúrdia, feita por qualquer partido político? – Estou assim, não me lembro de nenhuma.
Portanto, vamos muito mal para estas eleições. Até à hora de segurar o extenso boletim de voto vamos com a maior das incertezas e ofuscados por tantos números e por tantas seguranças que as sondagens foram ditando ao longo destes dias e que os comentadores foram desbravando como se fossem uma escritura dominadora do futuro que eles viram cristalinamente.
Perante este contexto, vamos por algumas horas abstrairmo-nos desta poluição, centrarmos a nossa análise naquilo que temos vivido e decidir com verdadeira consciência. Precisamos de derrotar todas as sondagens para que nos centremos na verdade democrática contra todas as tentativas que nos querem impor, que sujam a sanidade metal e condicionam as nossas vidas com ruídos que não servem para nada. Acordemos e não permitamos que nos comandem os dias com miséria em cima de miséria.

1 comentário:

José Ângelo Gonçalves de Paulos disse...

Padre José Luís Rodrigues, Amigo e Irmão, estamos em plena ditadura .Estas sondagens só fazem desmobilizar o eleitorado. Esta direita revanchista só quer chegar o poder, para esmagar mais os pobres, os velhos, as crianças e prosseguir a sua política de privatizações, para dar tachos aos seus apaniguados militantes e simpatizantes e votantes. BFS, grande abraço