Convite a quem nos visita

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Cortar o mal pela raiz

Há um pecado social que muito grave que é o da corrupção que está embrenhada na sociedade toda. Porque a vida tornou-se tão complexa e tão difícil que as coisas são mais fáceis de vencer e de conseguir mediante o compadrio e o apadrinhamento. 
A ganância do dinheiro e do protagonismo social exigem uma entrega e uma submissão doentia face aos poderes sociais, políticos e económicos. A dignidade, o respeito e o amor-próprio são enviados às urtigas. Não importam para nada a dimensão do respeito e dos compromissos eternos que implicam fidelidade e integridade. A corrupção é a todos os níveis porque ninguém está minimamente preocupado com o respeito por Deus e pela pessoa humana. O transcendente não tem nome face às sensações imediatas que determinada meta social pode provocar. Face a essa perda de valor o que mais vale é singrar a qualquer preço.
Então é preciso ensinar a honestidade, o amor ao trabalho, a compaixão pelos que sofrem e o respeito pelos outros, quem quer que sejam e ensinar a ter limites dos seus desejos, nas suas pretensões. É tal o vício “de querer tudo” de muitas crianças que torna-se difícil, a tarefa de educar. As crianças e adolescentes pedem tudo o que têm os vizinhos ou companheiros de escola.
É útil que os pais saibam que um estudo feito a crianças mimadas, a quem os pais tratam com facilitismo, fazendo-lhes todas as vontades, mostra que mais tarde em adultos vão deparar com dificuldades para enfrentar os desapontamentos da vida. E ainda distorcem os seus direitos, prejudicando o êxito no trabalho como no relacionamento com os outros.
Segundo alguns psicólogos, os pais que dão aos filhos tudo o que eles querem, tornam-nos mais vulneráveis aos problemas de ansiedade e depressão no futuro. «Fazer todas as vontades às crianças pode torná-las egocêntricas, o que é um perigo para a saúde mental». E como diz José Saramago: «A única maneira de liquidar o dragão é cortar-lhe a cabeça, aparar-lhe as unhas não serve de nada». É bem que sejamos capazes de cortar as cabeças a muitos dragões que se instalaram à mesa do bem comum e sugam tudo quanto podem. 

Sem comentários: